Vivenciando o ser mulher em uma mina de carvão

Autores

  • Fernanda Santos Araujo Universidade Federal Fluminense Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET/RJ), UnED Nova Iguaçu http://orcid.org/0000-0003-0145-1535
  • Bruna Mendes de Vasconcellos Programa de Política Científica e Tecnológica do Instituto de Geociências - Unicamp

DOI:

https://doi.org/10.1590/%25x

Palavras-chave:

Relato de Vivência, Mina de Carvão, Epistemologias Feministas, Consciência Opositiva, Engenharia Engajada

Resumo

Neste artigo exploramos a vivência de uma mulher engenheira durante um processo de pesquisa-ação em uma mina de carvão autogestionária em Criciúma (SC). Construímos um relato que não se refuta a evidenciar a reprodução de padrões hierarquizados de gênero, mas cujo foco é situar cenas concretas através das quais complexificamos as relações de poder de gênero – permeadas pela classe e raça – e damos visibilidade às atitudes opositivas performadas pelas mulheres. Esse trabalho é fruto de um diálogo entre a engenheira que esteve nas minas e uma engenheira pesquisadora das relações de gênero, cujos caminhos se cruzam na militância por uma engenharia contra-hegemônica. Inspiradas pelas epistemologias feministas, lançamos luz aqui sobre margens e estratégias de resistência pouco visibilizadas e que, no entanto, contribuem na luta cotidiana de desconstrução de relações de poder.

Biografia do Autor

Fernanda Santos Araujo, Universidade Federal Fluminense Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET/RJ), UnED Nova Iguaçu

Engenheira de produção formada na UERJ, fez mestrado em engenharia de produção pela COPPE/UFRJ e atualmente faz doutorado em engenharia de produção na UFF. É professora no Departamento de Engenharia de Produção do CEFET-RJ, UnED Nova Iguaçu. Atua com pesquisa e extensão no campo dos estudos sobre o trabalho, dialogando com os seguintes temas: ergonomia, organização do trabalho, metodologias participativas, pesquisa-ação, autogestão, economia solidária e tecnologias sociais.

Bruna Mendes de Vasconcellos, Programa de Política Científica e Tecnológica do Instituto de Geociências - Unicamp

Formada em engenharia de alimentos pela Unicamp (2005), fez mestrado no programa de Política Científica e Tecnológica pela Unicamp (2011), onde cursa atualmente o último ano de seu doutorado. É também mestre em Gênero e Política de Igualdade pela Universidade de Valência, na Espanha (2012), e tem especialização em Economia Solidária e Tecnologia Social. Atua com pesquisa e extensão na área de gênero, dialogando especialmente com: Estudos Sociais em Ciência e Tecnologia, Autogestão, Tecnologia Social, Epistemologias Feministas.

Downloads

Publicado

2018-04-24

Edição

Seção

Artigos