Uma poética da emancipação feminina nos sertões goianos (século XIX)

Paulo Brito do Prado, Eliane Martins de Freitas

Resumo


O presente texto visa compreender como os espaços de instrução e leitura, existentes na antiga capital goiana (Goiás), na segunda metade do século XIX e início do século XX, foram (re)apropriados por algumas mulheres de forma a lhes garantir a expressão de suas experiências. Para tanto, partindo da documentação do Gabinete Litterario Goyano, criado em 1864, buscamos, por meio do protagonismo de Silvina Ermelinda Xavier de Britto e Jacintha Luiza do Couto Brandão Peixoto, compreender questões em torno da instrução das mulheres, de seu exercício da leitura, de um ensaio de emancipação, representado pelos pedidos de voto das goianas em 1889 e das táticas manejadas por estas mulheres na expectativa de exercitar sua intelectualidade, ainda que lhes fosse apresentado como um caminho cheio de obstruções.

Palavras-chave


Emancipação feminina; Intelectuais; Gabinete Litterario Goyano; Instrução

Texto completo:

PDF/A


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Licença Creative Commons
A Revista Estudos Feministas está sob a licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Rev. Estud. Fem., ISSN 1806-9584, Florianópolis, Brasil.