Mulheres que vivem com HIV/aids: vivências e sentidos produzidos no cotidiano

Autores

  • Mariana de Moraes Duarte Oliveira
  • Telma Low Silva Junqueira Universidade Federal de Alagoas

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2020v28n61140

Palavras-chave:

mulheres, HIV/aids, vulnerabilidades, relações de gênero, saúde

Resumo

Neste artigo visou-se compreender como cinco mulheres que vivem com HIV produzem sentidos sobre suas vivências após o diagnóstico de infecção. Realizou-se entrevistas com usuárias de um serviço ambulatorial de um hospital, cuja análise foi fundamentada no referencial teóricometodológico da perspectiva feminista de gênero na interface com as Práticas Discursivas e Produção de Sentidos. Construiu-se mapas dialógicos compostos por três categorias temáticas embasadas nos objetivos propostos e analisou-se como as questões de gênero, dentro de uma sociedade patriarcal e heteronormativa, incidem nas práticas de cuidado e assistência à saúde. Os resultados apontaram para a existência de julgamento moral e preconceito que atravessam e desafiam o manejo do (auto)cuidado dessas mulheres.

Referências

ALMEIDA, Maria Rita de Cássia Barreto. A trajetória silenciosa de pessoas portadoras do HIV contada pela história oral. 2004. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Setor de Ciências da Saúde da UFPR, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil.

ALMEIDA, Marcos de; MUNOZ, Daniel Romero. “Relação médico-paciente e paciente instituição na aids: o direito à informação e à confidência; a discriminação; o abandono e a coerção”. Revista Bioética, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 49-53, 1999. Disponível em http://revistabioetica.cfm.org.br/index.php/revista_bioetica/article/view/477/294. ISSN 0104-1401. Acesso em 15/10/2019.

ARRAES, Graziele Regina de Amorim. Entre o desejo e a culpa: a transformação do comportamento sexual e as mudanças da noção de risco nas campanhas de prevenção à aids no Brasil (1981-2013) e Estados Unidos durante a década de 1980. 2015. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Faculdade de História da UFSC, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

AYRES, José Ricardo de Carvalho Mesquita et al. “Adolescência e aids: avaliação de uma experiência de educação preventiva entre pares”. Interface, Botucatu, v. 7, n. 12, p. 113-128, 2013. Disponível em https://www.scielosp.org/article/icse/2003.v7n12/123-138/. ISSN 1807-5762. Acesso em 15/10/2019.

BARBOSA, Regina Maria; VILLELA, Wilza Vieira. “A trajetória feminina da AIDS”. In: PARKER, Richard; GALVÃO, Jane (Orgs.). Quebrando o silêncio: mulheres e Aids no Brasil. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1996. p. 17-32.

BOSCH, Esperanza Fiol et al. “Del mito del amor romántico a la violencia contra las mujeres en la pareja”. Estudios e investigaciones, Ministerio de Igualdad, Madri, 2007. Disponível em http://www.inmujer.migualdad.es/mujer/mujeres/estud_inves/770.pdf. ISBN 978-84-691-3157-2. Acesso em 08/04/2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais. Prevenção Combinada do HIV: Bases Conceituais para Profissionais, Trabalhadores(as) e Gestores(as) de Saúde. 1. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2017a. 123p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais. Boletim Epidemiológico – Aids e IST, ano V. n. 1. Brasília: Ministério da Saúde, 2017b. 64p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde, Programa Nacional de DST e Aids. Direitos Humanos e HIV/Aids: avanços e perspectivas para o enfrentamento da epidemia no Brasil. 1. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2018. 168p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Coordenação Nacional de Doenças Sexualmente Transmissíveis e Aids. AIDS: etiologia, clínica, diagnóstico e tratamento. Brasília: Unidade de Assistência, 2002. 17p.

BURY, Michael. “Doença crônica como ruptura biográfica”. Tempus – Actas de Saúde Coletiva Ciências Sociais em Saúde, v. 5, n. 2, p. 41-55, 2011. Disponível em http://tempusactas.unb.br/index.php/tempus/article/view/963. ISSN 1982-8859. http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v5i2.963. Acesso em 02/10/2019.

CÂMARA, Cristina; LIMA, Ronaldo Massauer. “Histórico das ONGs/Aids e sua contribuição no campo das lutas sociais”. Cadernos ABONG, São Paulo, n. 28, p. 40, 2000.

CORRÊA, Sonia. “A resposta brasileira ao HIV e à AIDS em tempos tormentosos e incertos”. In: ABIA. Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS. Mito vs Realidade: sobre a resposta brasileira à epidemia de HIV e AIDS em 2016. Rio de Janeiro: Observatório Nacional de Políticas de AIDS; UNITAID, 2016. p. 9-17.

FERREIRA, Fernanda Cristina. As condições que levam as mulheres soropositivas ao HIV/aids a abrir a privacidade de suas informações às equipes do Programa Saúde da Família. 2007. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Enfermagem em Saúde Coletiva, Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

GALVÃO, Jane. AIDS no Brasil: a agenda de construção de uma epidemia. Rio de Janeiro: ABIA; 34, 2000.

GUIMARÃES, Kátia. “Nas raízes do silêncio: A representação cultural da sexualidade feminina e a prevenção do HIV/AIDS”. In: RICHARD, Parker; GALVÃO, Jane (Orgs.). Quebrando o silêncio: mulheres e Aids no Brasil. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1996. p. 89-114.

HARAWAY, Donna. “Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial”. Cadernos Pagu, v. 5, p. 07-41, 1995. Disponível em https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1773/1828. ISSN 1809-4449. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-83332011000100002. Acesso em 15/10/2018.

JUNIOR, Veriano Terto et al. “A luta continua: avanços e retrocessos no acesso aos antirretrovirais no Brasil”. In: ABIA. Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS. Mito vs Realidade: sobre a resposta brasileira à epidemia de HIV e AIDS em 2016. Rio de Janeiro: Observatório Nacional de Políticas de AIDS; UNITAID, 2016. p. 39-51.

JUNGES, José Roque et al. “Saberes populares e cientificismo na estratégia saúde da família: complementares ou excludentes?”. Revista Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n. 11, 2011. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232011001200005&lng=en&nrm=iso. ISSN 1413-8123. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011001200005. Acesso em 04/05/2018.

LOPES, Adriana Santos et al. “Acolhimento na atenção básica em saúde: relações de reciprocidade entre trabalhadores de saúde”. Saúde e Debate, Rio de Janeiro, v. 39, n. 104, p. 114-123, 2015. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-11042015000100114&lng=en&nrm=iso. ISSN 0103-1104. http://dx.doi.org/10.1590/0103-110420151040563. Acesso em 10/04/2018.

LOPES, Ana Maria D’Ávila; ANDRADE, Denise Almeida de. “O direito fundamental à maternidade da mulher gestante soropositiva”. Revista Direito e Liberdade, v. 19, n. 1, p. 13-33, 2017. Disponível em http://www.mpsp.mp.br/portal/page/portal/documentacao_e_divulgacao/doc_biblioteca/bibli_servicos_produtos/bibli_informativo/bibli_inf_2006/Rev-Dir-e-Liberd_v.19_n.01.01.pdf. ISSN 2177-1758. Acesso em 15/10/2019.

MALISKA, Isabel Cristina Alves et al. “Percepções e significados do diagnóstico e convívio com o HIV/AIDS”. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 30, p. 85-91, 2009. Disponível em http://seer.ufrgs.br/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/5966. E-ISSN 1983-1447. Acesso em 11/04/2018.

NEMES, Maria Inês Baptistela; SCHEFFER, Mário. “Desafios da assistência às pessoas que vivem com HIV e AIDS no Brasil”. In: ABIA. Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS. Mito vs Realidade: sobre a resposta brasileira à epidemia de HIV e AIDS em 2016. Rio de Janeiro: Observatório Nacional de Políticas de AIDS; UNITAID, 2016. p. 33-38.

PORTAL SETE SEGUNDOS. “MP garante acesso gratuito ao transporte coletivo para pessoas com HIV/AIDS”. Portal Sete Segundos, Maceió, 03/05/2018. Disponível em https://maceio.7segundos.com.br/noticias/2018/05/03/110102/mp-garante-acesso-gratuito-ao-transporte-coletivo-para-pessoas-comhiv-aids.html. Acesso em 25/05/2018.

ROCHA, Solange; VIEIRA, Ana; LYRA, Jorge. “Silenciosa conveniência: mulheres e AIDS”. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 11, p. 119-141, 2013. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-33522013000200005&lng=en&nrm=iso. ISSN 0103-3352. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-33522013000200005. Acesso em 24/03/2018.

RODRIGUES, Larissa Silva Abreu; PAIVA, Miriam Santos; OLIVEIRA, Jeane Freitas de; NÓBREGA, Sheva Maia da. “Vulnerabilidade de mulheres em união heterossexual estável à infecção pelo HIV/Aids: estudo de representações sociais”. Rev. Esc. Enferm. USP, São Paulo, v. 46, n. 2, p. 349-355, 2012. Disponível em https://www.revistas.usp.br/reeusp/article/view/40955/44468. Acesso em 21/09/2019.

SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. “Contribuições feministas para o estudo da violência de gênero”. Cadernos Pagu, Campinas, n. 16, p. 115-136, 2001. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332001000100007. ISSN 0104-8333. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-83332001000100007. Acesso em 15/10/2018.

SAMPAIO, Juliana. A construção de novas políticas públicas como caminho para a prevenção da Aids. 2006. Tese (Doutorado em Saúde Pública) – Centro de Pesquisa Aggeu Magalhães – CPqAM, Fundação Oswaldo Cruz – FIOCRUZ, Pernambuco, Recife, Brasil.

SANTOS, Naila J. S. et al. “Contextos de vulnerabilidade para o HIV entre mulheres brasileiras”. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 25, supl. 2, p. s321-s333, 2009. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2009001400014&lng=en&nrm=iso. ISSN 1678-4464. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2009001400014. Acesso em 20/03/2018.

SEFFNER, Fernando; PARKER, Richard. “A neoliberalização da prevenção do HIV e a resposta brasileira à AIDS”. In: ABIA. Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS. Mito vs Realidade: sobre a resposta brasileira à epidemia de HIV e AIDS em 2016. Rio de Janeiro: Observatório Nacional de Políticas de AIDS; UNITAID, 2016. p. 24-32.

SESAU - SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE ALAGOAS. Total de casos de HIV+ Residentes no município de Maceió, Diagnóstico no período de 2007 a 2017. Maceió: Governo de Alagoas, 2018.

SPINK, Mary Jane; LIMA, Helena. “Rigor e visibilidade: a explicação dos passos da interpretação”. In: SPINK, Mary Jane (Org.). Práticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano: aproximações teóricas e metodológicas. São Paulo: Cortez, 2013. p. 71-99.

SCOTT, Joan Wallach. “Gênero: uma categoria útil de análise histórica”. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, 1995. Disponível em https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/71721/40667. ISSN 2175-6236. Acesso em 24/03/2018.

TAQUETTE, Stella. “Feminização da AIDS e adolescência”. Revista Adolescência e Saúde, Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 33-40, 2009. Disponível em http://www.adolescenciaesaude.com/detalhe_artigo.asp?id=39. ISSN 2177-5281. Acesso em 20/03/2018.

TUNALA, Letícia Gaspar. “Fontes cotidianas de estresse entre mulheres portadoras de HIV”. Rev. Saúde Pública, v. 36, n. 4, p. 24-31, 2002. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rsp/v36n4s0/11160.pdf. ISSN 0034-8910. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102002000500005. Acesso em 14/10/2019.

UNAIDS. Relatório informativo – Atualização da AIDS 2019. Estatísticas Globais sobre HIV 2018. UNAIDS, 2019. Disponível em https://unaids.org.br/wp-content/uploads/2019/07/2019_UNAIDS_GR2019_FactSheet_pt_final.pdf. Acesso em 02/10/2019.

Downloads

Publicado

2020-12-18

Edição

Seção

Artigos