Guerreiras ou Anjos? As Mulheres Brasileiras e a Grande Guerra

Autores

  • Elaine Pereira Rocha The University of the West Indies

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2020v28n61492

Palavras-chave:

guerra, feminismo, enfermeiras, soldadas, maternidade

Resumo

A Primeira Guerra Mundial foi um fenômeno de repercussão internacional que ocorreu em meio a inúmeras transformações nos âmbitos econômico, político, social e cultural. Sua repercussão no Brasil aconteceu principalmente a partir de 1917, quando, reagindo a uma agressão direta, o governo declarou guerra à Alemanha. Este artigo reflete os debates sobre a participação das mulheres na Guerra, nas funções de enfermeiras e soldadas. A formação da Legião Feminina da Morte, na Rússia, causou grande impacto ao mostrar ao mundo as imagens de mulheres trajando uniformes militares masculinos e participando em combates diretos. Da mesma forma, o apelo da Cruz Vermelha por voluntárias se transformou num clamor internacional. Em meio a tudo isso, havia ainda a agenda feminista e sufragista e as discussões sobre o papel da mulher na sociedade moderna.

Biografia do Autor

Elaine Pereira Rocha, The University of the West Indies

Elaine Pereira Rocha é o coordenadora da área de história da América Latina e chefe do departamento de história e filosofia da Universidade de West Indies, Cave Hill Campus, Barbados.  Possui doutorado em história social pela Universidade de São Paulo, mestrado em história cultural pela University of Pretoria (África do Sul), e outro mestrado em história pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Já pesquisou e lecionou em universidades como College of Charleston (2002, Carolina do Sul, EUA), University of Pretoria, África do Sul (2003-2005), Addis Ababa University, Addis Abeba, Etiópia (2005-2007) e ensina em Barbados desde 2007.

Sua atuação se concentra nos estudos das relações raciais no Brasil e América Latina, história das mulheres e relações de gênero no Brasil e América Latina, Elaine Rocha publicou três livros: “Another Black Like Me: The Construction of Identities and Solidarity in the African Diaspora ”(New Castle: Cabridge Scholar Publishers, 2015); “Racism in Novels: a Comparative Study of Brazilian and South African Cultural History”( New Castle: Cabridge Scholar Publishers,2010); “Saci Perere: O Vento da Liberdade”(Rio de Janeiro, OR, 2000). 

Referências

A NOITE. “O Partido Republicano Feminino vae entrar em acção”. A noite, Rio de Janeiro, 11/11/1917a. p. 1.

A NOITE. “Todos pela Pátria”. A noite, 06/11/1917b, p. 1.

A NOITE. “O que os brasileiros devem fazer em todo o país”. A noite, 07/11/1917c, p. 1.

A NOITE. “O Brasil na Guerra”. A noite, 09/11/1917d, p. 5.

BADINTER, Elisabeth. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BARROS, Neide Ferreira. “A visibilidade feminina através da fala de Anna Rita Malheiros na Primeira República Brasileira”. In: XVI ENCONTRO DE HISTÓRIA REGIONAL, ANPUH-Rio, Anais... 2014. Disponível em http://www.encontro2014.rj.anpuh.org/resources/anais/28/1400156808_ARQUIVO_AvisibilidadefemininaatravesdafaladeAnnaRitaMalheiros-NeideCeliaFerreiraBarros.pdf. Acesso em 29/07/2018.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. A condição feminina e a violência simbólica. Rio de Janeiro: BestBolso, 2016.

BRAGA, Valterian Mendonça. A experiência estratégica brasileira na Primeira Guerra Mundial, 1914-1918. 2008. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) – Universidade Federal Fluminense, Niterói.

BUITONI, Dulcília. Mulher de papel. A representação da mulher pela imprensa brasileira. São Paulo: Loyola, 1981.

CAMPOS, Esther Machado. “Educação physica da mulher”. Revista Feminina, n. 38, p. 34, julho 1917.

CARVALHO, José Murilo de. “As Forças Armadas na Primeira República: o poder desestabilizador”. In: FAUSTO, Boris. História Geral da Civilização Brasileira, O Brasil Republicano, v. 2, 5. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997. p. 181-234.

CHEVALIER, Raymunda de Souza. “A Mulher na Guerra”. Revista Feminina, n. 42, p. 25, novembro 1917.

CLARO, Livia. “Pensando a guerra e a nação: a Liga Brasileira pelos aliados e suas ideias sobre o Brasil no contexto da Primeira Guerra Mundial (1915-1919)”. História: Debates e Tendências, v. 14, n. 2, p. 292-305, jul./dez. 2014.

DALTRO, Leolinda de Figueiredo. Início do feminismo no Brasil – Subsídios para a história. Rio de Janeiro: Typ. Orsina da Fonseca, 1922.

DOURADO, Maria Teresa Garritano. A história esquecida da Guerra do Paraguai: fome, doenças e penalidades. 2010. Dissertação (Mestrado em História Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo.

ELSHTAIN, Jean. “Preface”. In: ELSHTAIN, Jean Bethke; TOBIAS, Sheila (Eds.). Women, Militarism, and War: Essays in History, Politics and Social Theory. Savage: Rowman & Littlefield, 1990. p. IX-XII.

EFEGÊ, Jota. “Antes das mulheres ‘marinheiras’ tivemos um batalhão feminino”. O Globo, 08/08/1981, p. 26.

FONSECA, Claudia. “Ser mulher, mãe e pobre”. In: DEL PRIORE, Mary (Org.). História das Mulheres no Brasil. São Paulo: EDUNESP/Contexto, 1997. p. 510-553.

HAHNER, June. A mulher brasileira e suas lutas sociais e políticas 1850-1937. São Paulo: Brasiliense, 1981.

HANSEN, Lauren. “The women of World War I”. The Week, abril 2017. Disponível em http://theweek.com/captured/690302/women-world-war. Acesso em 29/07/2018.

JORNAL DO BRASIL. “Escola Orsina da Fonseca – Instrucção Militar às Alunas”. Jornal do Brasil, 11/07/1919, p. 6.

JORNAL DO BRASIL. “O Batalhão Feminino”. Jornal do Brasil, 21/07/1919, p. 1.

JORNAL DO BRASIL. “Foro”. Jornal do Brasil, 23/08/1919, p. 9.

LEAL, Ranielle; REGO, Ana Regina. “Imprensa brasileira na Primeira Guerra Mundial, intelectuais em ação”. In: 10º ENCONTRO NACIONAL DE HISTÓRIA DA MÍDIA, 2015. Disponível em http://www.ufrgs.br/alcar/encontros-nacionais-1/encontros-nacionais/10o-encontro-2015/gt-historia-da-midiaimpressa/imprensa-brasileira-na-primeira-guerra-mundial-intelectuais-em-acao/view. Acesso em 20/07/2018.

LIMA, Raquel Sousa; TEIXEIRA, Igor Salomão. “Ser mãe: o amor materno no discurso católico do século XIX”. Horizonte, v. 6, n. 12, p. 113-126, jun. 2008.

MALHEIROS, Anna Rita. “A Cruz Vermelha Brasileira”. Revista Feminina, n. 37, p. 15, junho 1917a.

MALHEIROS, Anna Rita. “Novembro”. Revista Feminina, n. 42, p. 11, novembro 1917b.

MALHEIROS, Anna Rita. “A Mulher Brasileira na Guerra”. Revista Feminina, n. 43, p. 15, dezembro 1917c.

MALHEIROS, Anna Rita. “A Mulher Brasileira na Guerra”. Revista Feminina, n. 45, p. 11-12, fevereiro 1918.

MEYER, Gerald J. A world undone. The story of the Great War. New York: Random House, 2006.

MEYEROWITZ, Joanne. “A history of gender”. The American Historical Review, v. 113, n. 5, p. 1346-1356, 2008.

MORSELLI, Francesca; LEHMANN, Jörg. “Women During the First World War”. CENDARI Archival Research Guide, 2016. Disponível em https://hal.archives-ouvertes.fr/hal-01419144/document. Acesso em 13/07/2018.

MOUGEL, Nadege. “World War Casualties”. Reperes. Partenariat Educatif Grundtvig, 2009-2011. Disponível em https://www.census.gov/history/pdf/reperes112018.pdf. Acesso em 12/11/2018.

NETO, Mercedes. A produção na crença da imagem da enfermeira da Cruz Vermelha no período da Primeira Guerra Mundial (1917-1918). 2011. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

PASSOS, Elizete. De anjos a mulheres. Ideologias e valores na formação de enfermeiras. Salvador: EDUFBA, 2012.

PERROT, Michelle. “Stepping out”. In: DUBY, Georges; PERROT, Michelle (Eds.). A History of women: emerging feminism from Revolution to World War. London: Belknap/Harvard, 1995. p. 449-481.

PORTO, Fernando; ATAIDE, Anna Paula; VILELLA, Débora; RIBEIRO, Marina. “Fantasia de Enfermeira no Carnaval do Rio de Janeiro (1916)”. DocPlayer, Rio de Janeiro, LACENF/UNIRIO, 2014. Disponível em http://docplayer.com.br/7285147-Fantasia-de-enfermeira-no-carnaval-do-rio-de-janeiro-1916.html. Acesso em 12/07/2018.

REVISTA FEMININA. “O exército feminino na Guerra”. Revista Feminina, n. 43, p. 56, 22/12/1917a.

REVISTA FEMININA. “A Legião Feminina da Morte”. Revista Feminina, n. 40, p. 20, setembro 1917b.

ROCHA, Elaine. Entre a pena e a espada: A trajetória de Leolinda Daltro (1859-1935). 2002. Tese (Doutorado) – FFLCH, Universidade de São Paulo, São Paulo.

ROCHA, Elaine. “Vida de professora: ideias e aventuras de Leolinda de Figueiredo Daltro durante a Primeira República”. Mundos do Trabalho, v. 8, n. 15, p. 29-47, 2016.

SALAS, Elizabeth. Soldaderas in the Mexican military: myth and history. Austin: University of Texas Press, 1990.

SCOTT, Joan. “Gender, a useful category of historical analysis”. The American Historical Review, v. 91, n. 5, p. 1053-1075, 1986.

SCHULTZ, Jane. Women at the Front: Hospital Workers in Civil War America. Greensboro: UNC Press, 2007.

SHPOLBERG, Angela. “Women journalists and the Women’s Batallion of Death”. LARB, March 23, 2018. Disponível em https://lareviewofbooks.org/article/women-with-the-gun-maria-bochkarevaand-the-womens-battalion-of-death/#_ftn4. Acesso em 22/07/2018.

SILVA, Carlos Edson. “A Missão Médica Especial brasileira de caráter militar na Primeira Guerra Mundial”. Navigator, n. 20, p. 94-108, 2014. Disponível em http://revistanavigator.com.br/navig20/art/N20_art2.pdf. Acesso em 29/09/2018.

SOIHET, Rachel. Condição feminina e formas de violência: mulheres pobres e violência urbana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1989.

SOWERS, Susan. Women combatants in World War I: A Russian case study. Research Project. Pensylvania: USA Army War College, 2003.

STOCKDALE, Melissa. “‘My Death for the Motherland Is Happiness’: Women, Patriotism, and Soldiering in Russia’s Great War, 1914-1917". The American Historical Review, v. 109, n. 1, 2004. Disponível em https://academic.oup.com/ahr/article-abstract/109/1/78/108945. Acesso em 19/07/2018.

TRINDADE, Etelvina Maria. Clotildes ou Marias. Mulheres de Curitiba na Primeira República. Curitiba: Fundação Cultural de Curitiba, 1996.

Downloads

Publicado

2020-12-18

Edição

Seção

Artigos