Uma perspectiva feminista ao jornalismo para a paz

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2020v28n61625

Palavras-chave:

feminismo, Estudos para a Paz, ética, jornalismo

Resumo

A partir da premissa de que muitos conceitos que guiam o jornalismo advêm de uma tradição masculina, os estudos sobre jornalismo feminista propõem novas práticas, baseadas na ética do feminismo perspectivista interseccional. Esta forma de se pensar a produção jornalística conversa com as teorias do jornalismo para a paz, que colocam a mídia como ferramenta para a transformação de conflitos. Neste artigo, a partir de revisão teórica, trabalhamos as tensões, diferenças e as possíveis contribuições da interseção entre o jornalismo feminista e o jornalismo para paz para a prática jornalística e para a pesquisa acadêmica.

Biografia do Autor

Jorge Salhani, Universidade Estadual Paulista (UNESP)

Mestre em Comunicação pela Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação (FAAC) da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP). Graduado em Comunicação Social: Jornalismo pela mesma instituição. E-mail: jssalhani@gmail.com

Heloísa Santos, Universidade Estadual Paulista (UNESP)

Mestra em Comunicação pela Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação (FAAC) da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP). Graduada em Comunicação Social: Jornalismo pela mesma instituição.  E-mail: heloisa.santos@unesp.br / helokenne@gmail.com

Raquel Cabral, Universidade Estadual Paulista (UNESP)

Doutora em Comunicação e Master em Estudos Internacionais de Paz, Conflitos e Desenvolvimento pela Universitat Jaume I (Espanha) e professora na Unesp (Brasil). E-mail: raquel.cabral@unesp.br 

Referências

BANDEIRA, Ana Paula Bornhausen da Silva. “Jornalismo feminino e jornalismo feminista: aproximações e distanciamentos”. Vozes e Diálogo, Itajaí, v. 14, n. 2, p. 190-199, jul./dez. 2015. Disponível em https://siaiap32.univali.br/seer/index.php/vd/article/view/8167/4804. Acesso em 31/10/2019.

BEAUCHAMP, Colette. Le silence des médias. Montreal: Éditions du Remue-ménage, 1987.

BELLERIVE, Karine; YELLE, François. “Contributions des féminismes aux études en communication médiatique”. In: AUBIN, France; RUEFF, Julien. Perspectives Critiques en Communication. Quebec: Presses d’Université du Québec, 2016. p. 279-319.

BERGAMO, Alexandre; MICK, Jacques; LIMA, Samuel. Quem é o jornalista brasileiro? Perfil da profissão no país, 2013. Disponível em https://perfildojornalista.ufsc.br/files/2013/04/Perfil-do-jornalistabrasileiro-Sintese.pdf. Acesso em 22/10/2019.

BRASIL. Lei nº 11.652, de 7 de abril de 2008. Institui os princípios e objetivos dos serviços de radiodifusão pública. Brasília, 2008. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11652.htm. Acesso em 23/10/2019.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

BYERLY, Carolyn M.; ROSS, Karen. Women & Media: a critical introduction. Oxford: Blackwell, 2006.

CARMO, Jhader Cerqueira et al. “Voz da natureza e da mulher na Resex de Canavieiras-Bahia-Brasil: sustentabilidade ambiental e de gênero na perspectiva do ecofeminismo”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 24, n. 1, p. 155-180, jan./abr. 2016. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2016000100155. Acesso em 30/10/2019.

CHARRIER-VOZEL, Marianne; DAMIAN-GAILLARD, Béatrice. “Des voix de l’intime au regard de l’expertise dans la presse féminine”. In: RINGOOT, Roselyne; UTARD, Jean-Michel. Le journalisme en invention: nouvelles pratiques, nouveaux acteurs. Rennes: Presses Universitaires, 2005. p. 125-159.

DE BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo: fatos e mitos. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1960.

FRASER, Nancy. “Mapeando a imaginação feminista: da redistribuição ao reconhecimento e à representação”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 15, n. 2, p. 291-308, maio/ago. 2007a. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/ref/v15n2/a02v15n2.pdf. Acesso em 31/10/2019.

FRASER, Nancy. “Reconhecimento sem ética?”. Lua Nova, São Paulo, n. 70, p. 101-138, 2007b. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/ln/n70/a06n70.pdf. Acesso em 31/10/2019.

GALTUNG, Johan. “Violence, peace, and peace research”. Journal of Peace Research, Oslo, v. 6, n. 3, p. 167-191, 1969. Disponível em https://www.jstor.org/stable/422690. Acesso em 31/10/2019.

GALTUNG, Johan. “Cultural violence”. Journal of Peace Research, Oslo, v. 27. n. 3, p. 291-305, 1990. Disponível em https://www.galtung-institut.de/wp-content/uploads/2015/12/Cultural-Violence-Galtung.pdf. Acesso em 31/10/2019.

GALTUNG, Johan. “Peace journalism as an ethical challenge”. Global Media Journal: Mediterranean Edition, v. 1, n. 1, p. 1-5, 2006. Disponível em http://globalmedia.emu.edu.tr/images/stories/ALL_ARTICLES/2006/fall2006/Fall_2006_Issue2/1Johan_Galtungpdf.pdf. Acesso em 31/10/2019.

GILLIGAN, Carol. In a different voice: psychological theory and women’s development. Cambridge: Harvard University Press, 1982.

GUHA, Ranajit. Las voces de la historia y otros estudios subalternos. Barcelona: Crítica, 2002.

HARDING, Sandra. “Introduction”. In: HARDING, Sandra. The feminist standpoint theory reader: intellectual and political controversies. Nova York: Routledge, 2004. p. 1-15.

HARVEY, David. La condición de la posmodernidad. Buenos Aires: Amorrortu, 1998.

HASAN, Valeria; GIL, Ana Soledad. “La comunicación con enfoque de género, herramienta teórica y acción política. Medios, agenda feminista y prácticas comunicacionales. El caso de Argentina”. Revista de Estudios de Género – La ventana, Guadalajara, v. 5, n. 43, p. 246-280, 2016. Disponível em http://www.scielo.org.mx/pdf/laven/v5n43/1405-9436-laven-5-43-00246.pdf. Acesso em 31/10/2019.

INTERNATIONAL WOMEN’S MEDIA FOUNDATION. Global Report on the Status of Women in the News Media, 2011. Disponível em https://www.iwmf.org/wp-content/uploads/2018/06/IWMF-Global-Report.pdf. Acesso em 09/07/2018.

INTERVOZES; REPÓRTERES SEM FRONTEIRAS. Media Ownership Monitor Brasil. Disponível em https://brazil.mom-rsf.org/br/proprietarios/. Acesso em 30/10/2019.

KUHNEN, Tânia Aparecida. “A ética do cuidado como teoria feminista”. In: SIMPÓSIO GÊNERO E POLÍTICAS PÚBLICAS, 3, 2014, Londrina. Anais do III Simpósio Gênero e Políticas Públicas. Londrina: Universidade Estadual de Londrina, 2014, p. 1-9.

LEITE, Rosalinda de Santa Cruz. “Brasil Mulher e Nós Mulheres: origens da imprensa feminista brasileira”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 1, n. 11, p. 234-241, jan./jun. 2003. Disponível em https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2003000100014/8721. Acesso em 31/10/2019.

LYNCH, Jake; McGOLDRICK, Annabel. Peace Journalism. Stroud: Hawthorn Press, 2005.

MACHARIA, Sarah. “Gendered narratives: on peace, security and news media accountability to women”. In: VON DER LIPPE, Berit; OTTOSEN, Rune (Eds.). Gendering war and peace reporting: some insights – some missing links. Göteborg: Nordicom, 2016. p. 49-62.

MONTIEL, Aimée Vega. “Ética feminista e comunicação”. Comunicação & Informação, Goiânia, v. 14, n. 2, p. 3-18, jul./dez. 2011. Disponível em https://revistas.ufg.br/ci/article/view/22441/13322. Acesso em 31/10/2019.

NEVEU, Érik. “Le genre du journalisme: des ambivalences de la feminization d’une profession”. Politix, v. 13, n. 51, p. 179-212, 2000. Disponível em https://www.persee.fr/doc/polix_0295-2319_2000_num_13_51_1109. Acesso em 31/10/2019.

NICOLE, Raijeli Drogolagi; REYES, Lina Sagaral. Engendering Peace Journalism: keeping community whole. Manila: Isis International/Min-WoW, 2007.

ORGERET, Kristin Skare. “Is peace a smiling woman? Femininities and Masculinities in Conflict and Peace Coverage”. In: VON DER LIPPE, Berit; OTTOSEN, Rune (Eds.). Gendering war and peace reporting: some insights – some missing links. Göteborg: Nordicom, 2016. p. 207-223.

PESSOA, Mayara Lustosa Silva; BORGES, Josefa Lusitânia de Jesus. “Questões e tensões: alguns paradoxos do feminismo”. Revista Katálysis, Florianópolis, v. 21, n. 3, p. 544-553, set./dez. 2018. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rk/v21n3/1982-0259-rk-21-03-00544.pdf. Acesso em 31/10/2019.

SAINT-JEAN, Armande. “L’apport des femmes au renouvellement des pratiques professionnelles: le cas des journalistes”. Recherches féministes, Quebec, v. 13, n. 2, p. 77-93, 2000. Disponível em https://www.erudit.org/fr/revues/rf/2000-v13-n2-rf1662/058097ar.pdf. Acesso em 31/10/2019.

SARDENBERG, Cecília Maria Bacellar. “Da crítica feminista à ciência a uma ciência feminista?”. In: COSTA, Ana Alice Alcântara; SARDENBERG, Cecília Maria Bacellar (Orgs.). Feminismo, ciência e tecnologia. Salvador: REDOR/Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher – UFBA, 2002. p. 89-120.

SHIVA, Vandana. Abrazar la vida: mujer, ecología y supervivencia. Madri: Horas y Horas Edicciones, 1995.

SOUSA, Nair Heloísa Bicalho. “As Pesquisas para Paz e os Direitos Humanos e a promoção da Cultura de Paz no ambiente escolar”. Revista Com Censo: Estudos Educacionais do Distrito Federal. Distrito Federal, Brasil, v. 6, n. 3, p. 11-16, 2019. Disponível em http://www.periodicos.se.df.gov.br/index.php/comcenso/article/view/709/421. Acesso em 30/10/2019.

STEINER, Linda. “Feminist media theory”. In: FORTNER, Robert S.; FACKLER, Mark (Eds.). The handbook of media and mass communication theory. Chichester: Wiley-Blackwell, 2014. p. 359-379.

STEINER, Linda. “Bodies at war: the dangers facing women war reporters”. In: VON DER LIPPE, Berit; OTTOSEN, Rune (Eds.). Gendering war and peace reporting: some insights – some missing links. Göteborg: Nordicom, 2016. p. 33-47.

THINK OLGA. Minimanual de Jornalismo Humanizado, 2018. Disponível em https://thinkolga.com/2018/01/31/minimanual-de-jornalismo-humanizado/. Acesso em 18/02/2019.

TOMAZETTI, Tainan Pauli. “O feminismo na era digital e a (re)configuração de um contexto comunicativo para políticas de gênero”. Razón y Palabra, Quito, v. 19, n. 2, p. 488-500, jun./ago. 2015. Disponível em https://www.revistarazonypalabra.org/index.php/ryp/article/view/334. Acesso em 31/10/2019.

TONELI, Maria Juracy Filgueiras. “Publicações feministas sediadas em ONGs: limites, alcances e possibilidades”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 11, n. 1, p. 265-270, jan./jun. 2003. Disponível em https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2003000100018/8725. Acesso em 31/10/2019.

VON DER LIPPE, Berit; OTTOSEN, Rune. “Approaches and insights on gendering war and peace reporting”. In: VON DER LIPPE, Berit; OTTOSEN, Rune (Eds.). Gendering War and Peace Reporting: some insights - some missing links. Göteborg: Nordicom, 2016. p. 9-29.

VELOSO, Ana Maria da Conceição. Gênero, poder e resistência: as mulheres nas indústrias culturais em 11 países. 2013. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Centro de Artes e Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

YIPING, Cai. “Revisiting Peace Journalism with a gender lens”. In: ISIS INTERNATIONAL. Women in Action – Women in Peace Building. Quezon City, Filipinas: Isis International, 2012. p. 70-75.

Downloads

Publicado

2020-12-18

Edição

Seção

Artigos