Feminismos criminológicos e “tecnopolíticas”: novos ‘quadros’ para violência de gênero

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2020v28n63035

Palavras-chave:

criminologia feminista, tecnopolíticas, feminismos transnacionais

Resumo

Este artigo baseia-se em algumas questões que levam a repensar os debates da ‘criminologia feminista’ no Brasil e propor formulações criativas para pensar outras formas de enfrentamento da violência de gênero, incluindo movimentos sociais compartilhados que utilizam recursos tecnológicos como estratégias de resistência. Propõe-se o uso de hashtags como ferramentas feministas de análise para compreender os fenômenos da violência localizada. Para tanto, serão utilizadas as hashtags #meuprimeiroassedio, #chegadefiufiu e #meuamigosecreto para analisar novos significados de justiça promovidos pelos movimentos feministas, que aparentemente não priorizam o uso do poder punitivo. Da mesma forma, busca-se, por meio do movimento #EleNão, reconhecido como tecnopolítica democrática feminista, reformular as possibilidades de analisar o campo criminológico e enfrentar a violência de gênero a partir de uma perspectiva micro e macropolítica.

Biografia do Autor

Fernanda Martins, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS

Doutorado em andamento em Ciências Criminais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul – PUCRS, mestre em Toeria, Filosofia e História do Direito pelo Programa de Pós-Graduação em Direito – UFSC, bacharela e licenciada em História – UFSC, bacharela em Direito – UNIVALI. Bolsista CAPES.

Referências

ALIMENA, Carla Marrone. A tentativa do (im)possível: feminismos e criminologias. 2010. Dissertação (Mestrado em Ciências Criminais) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Criminais, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

ALVES, Dina. “Rés negras, juízes brancos: uma análise da interseccionalidade de gênero, raça e classe na produção da punição em uma prisão paulistana”. Revista CS, Cali, Colombia, Facultad de Derecho y Ciencias Sociales, Universidad Icesi, v. 21, p. 97-120, 2017.

ALVES, Dina. Rés negras, Judiciário branco: uma análise da interseccionalidade de gênero, raça e classe na produção da punição em uma prisão paulistana. 2015. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

ALVES, Paula Gonçalves. Trocando em miúdos: narrativas brasileiras em torno da Criminologia. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2018.

AMARAL, Augusto Jobim. “Neoliberalismo e democracia que resta: uma análise desde o caso brasileiro”. Profanações, v. 5, n. 2, p. 129-146, 2018.

ARDUINO, Ileana. “Entre la victimización opresiva y la justicia emancipatoria: articulaciones entre feminismo y justicia penal”. In: LOREY, Isabell et al. Los feminismos ante el neoliberalismo. Adrogué: La Cebra, 2018.

BALTHAZAR, Ricardo. “Bolsonaro mantém liderança da corrida com 24% após ataque, diz Datafolha”. UOL, 10/09/2018. Disponível em https://www1.folha.uol.com.br/poder/2018/09/bolsonaro-mantemlideranca-da-corrida-com-24-apos-ataque-diz-datafolha.shtml.

BORGES, Juliana. O que é encarceramento em massa? São Paulo: Letramento, 2018.

BRASIL. Lei nº 11.343, de 23 de agosto de 2006. Institui o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas - Sisnad; prescreve medidas para prevenção do uso indevido, atenção e reinserção social de usuários e dependentes de drogas; estabelece normas para repressão à produção não autorizada e ao tráfico ilícito de drogas; define crimes e dá outras providências. Brasília, 2006. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11343.htm.

BRASIL. PL 5069/2013. Acrescenta o art. 127-A ao Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 – Código Penal. Tipifica como crime contra a vida o anúncio de meio abortivo e prevê penas específicas para quem induz a gestante à prática de aborto. Brasília, 2013. Disponível em https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=565882.

BRASIL. Lei nº 13.718, de 24 de setembro de 2018. Altera o Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal), para tipificar os crimes de importunação sexual e de divulgação de cena de estupro, tornar pública incondicionada a natureza da ação penal dos crimes contra a liberdade sexual e dos crimes sexuais contra vulnerável, estabelecer causas de aumento de pena para esses crimes e definir como causas de aumento de pena o estupro coletivo e o estupro corretivo; e revoga dispositivo do Decreto-Lei nº 3.688, de 3 de outubro de 1941 (Lei das Contravenções Penais). Brasília, 2018. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2018/lei/L13718.htm.

BROWN, Wendy. States of Injury: power and freedom in late modernity. New Jersey: Princeton University Press, 1995.

BRUM, Eliane. “O homem mediano assume o poder: o que significa transformar o ordinário em ‘mito’ e dar a ele o Governo do país?”. El País, 2019. Disponível em https://brasil.elpais.com/brasil/2019/01/02/opinion/1546450311_448043.html. Acesso em 07/04/ 2019.

BRUNELLI, Camila. “Como se formou o grupo de 800 mil mulheres contra Bolsonaro no Facebook”. BOL Notícias, 2018. Disponível em https://noticias.bol.uol.com.br/ultimas-noticias/entretenimento/2018/09/12/mulheres-contra-bolsonaro-nas-redes-especialista-ve-impacto-nas-urnas.htm. Acesso em 07/04/2019.

BUTLER, Judith. Cuerpos aliados y lucha política: hacia una teoria performativa de la asemblea. Madrid: Paidós, 2017.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

BUTLER, Judith. Quadros de Guerra: quando a vida é passível de luto. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015a.

BUTLER, Judith. Relatar a si mesmo: Crítica da violência ética. Belo Horizonte: Autêntica, 2015b.

CAMPOS, Carmen Hein de. “Juizados Especiais Criminais e seu déficit teórico”. Revista Estudos Feministas, v. 1, n. 11, p. 155-170, 2003.

CAMPOS, Carmen Hein de. O discurso feminista criminalizante no Brasil: limites e possibilidades. 1998. Dissertação (Mestrado em Direito) – Programa de Pós-Graduação em Direito, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

CAMPOS, Carmen Hein de. Teoria crítica feminista e crítica à(s) criminologia(s): estudo para uma perspectiva feminista em criminologia no Brasil. 2013. Tese (Doutorado em Ciências Criminais) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Criminais, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

CARNEIRO, Sueli. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. 2005. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

CASTILHO, Ela Wiecko Volkmer de. “As diretrizes nacionais para investigação do feminicídio na perspectiva de gênero”. Sistema Penal & Violência, Porto Alegre, v. 8, n. 1, p. 93-106, jan./jun. 2016. Disponível em https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/sistemapenaleviolencia/article/view/23899.

CELMER, Elisa Girotti. Feminismos, discurso criminológico e demanda punitiva: uma análise do discurso de integrantes das organizações não-governamentais Themis e JusMulher sobre a Lei 11.340/06. 2008. Dissertação (Mestrado em Ciências Criminais) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Criminais, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

CHEGA de fiu fiu. Direção: Amanda Kamanchek e Fernanda Frazão. Documentário, Brodagem Filmes, Brasil, 2018, 73min.

COLETIVO NI UNA MENOS. “Paro geral e feminista”. In: MÍDIA NINJA. Convocatória para a paralisação feminista 8M 2019. Ninja, 17/01/2019. Disponível em http://midianinja.org/news/convocatoria-paraa-paralisacao-feminista-8m-2019/. Acesso em 01/04/2019.

COLLINS, Patricia Hill. “Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro”. Revista Sociedade e Estado, v. 31, n. 1, p. 99-107, jan./abr. 2016.

COMITÉ INVISIBLE. Ahora. La Rioja: Pepitas, 2017.

CRENSHAW, Kimberlé. “Mapping the Margins: Intersectionality, Identity Politics, and Violence Against Women of Color”. Stanford Law Review, v. 43, n. 6, 1991.

DAVIS, Angela. Democracia da abolição. Rio de Janeiro: Difel, 2009.

DAVIS, Angela. La libertad es una batalla constante: Ferguson, Palestina y los cimientos de un movimiento. Madrid: Capitán Swing Libros, 2017.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

DEBERT, Guita G.; GREGORI, Maria Filomena; PISCITELLI, Adriana (Orgs.). Gênero e Distribuição da Justiça: as delegacias de defesa da mulher na construção das diferenças. Campinas: Pagu/EDUnicamp, 2006. (Coleção Encontros)

DERRIDA, Jacques. Esporas: os estilos de Nietzsche. Rio de Janeiro: Nau, 2013.

DESPENTES, Virginie. Teoria King Kong. São Paulo: n-1, 2016.

FLAUZINA, Ana Luiza Pinheiro. Corpo negro caído no chão: o sistema penal e o projeto genocida do Estado brasileiro. Rio de Janeiro: Contraponto, 2008.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1996.

FRASER, Nancy. “De la redistribuición al reconocimiento? Dilemas de la justicia en la era ‘postsocialista’”. In: FRASER, Nancy; BUTLER, Judith. Reconocimiento o redistribución: un debate entre marxismo y feminismo. Madrid: Traficantes de Sueños, 2000.

GAGO, Verónica. La razón neoliberal: economías barrocas y pragmática popular. Buenos Aires: Tinta Limón, 2014.

GINDRI, Eduarda Toscani. As disputas dóxicas no campo da Revista Discursos Sediciosos (1996-2016): metacriminologia, engajamento político, e os debates sobre raça e gênero. 2018. Dissertação (Mestrado em Direito) – Faculdade de Direito, Programa de Pós-Graduação em Direito, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

GODOI, Rafael. “Penar em São Paulo: Sofrimento e mobilização na prisão contemporânea”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 31, n. 92, p. 1-18, out. 2016. Disponível em https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-69092016000300508&script=sci_abstract&tlng=pt.

GUATTARI, Félix; ROLNIK, Suely. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes, 1996.

HARAWAY, Donna. “O Manifesto Ciborgue: a ciência, a tecnologia e o feminismo socialista nos finais do século XX”. In: MACEDO, Ana Gabriela (Org.). Género, identidade e desejo: Antologia Crítica do Feminismo Contemporâneo. Lisboa: Cotovia, 2002.

hooks, bell. Feminist Theory: from margin to center. Cambridge: South and Press, 2000.

LORDE, Audre. “Mulheres negras: As ferramentas do mestre nunca irão desmantelar a casa do mestre”. Geledés, São Paulo, 2013. Disponível em https://www.geledes.org.br/mulheres-negras-asferramentas-do-mestre-nunca-irao-desmantelar-a-casa-do-mestre/. Acesso em 15/02/2019.

LOREY, Isabell. State of Insecurity: Government of the Precarious. Brooklyn; London: Verso, 2015.

LUCENA, Mariana Barrêto Nóbrega de. (Re)pensando a epistemologia feminista na análise da violência contra mulher: uma aproximação com a criminologia crítica. 2015. 111f. Dissertação (Mestrado em Ciências Jurídicas) – Centro de Ciências Jurídicas, Programa de Pós-Graduação em Ciências Jurídicas, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2016.

MacKINNON, Catharine. “Feminism, Marxism, method and the State: toward feminist jurisprudence”. Signs, v. 8, n. 4, 1983.

MAIA, Inês. “Um monstro chamado Judith Butler”. Lavra Palavra, 27/02/2019. Disponível em https://lavrapalavra.com/2019/02/27/um-monstro-chamado-judith-butler-2/. Acesso em 27/02/2019.

MARTINELLI, Andréa. “Documentário ‘Chega de fiu fiu’ é muito mais do que um retrato das ruas”. Huffpost. Mulheres, 2018. Disponível em https://www.huffpostbrasil.com/2018/05/15/documentariochega-de-fiu-fiu-e-muito-mais-do-que-um-retrato-do-assedio-nas-ruas_a_23435382/?guccounter=1&guce_referrer_us=aHR0cHM6Ly93d3cuZ29vZ2xlLmNvbS8&guce_referrer_cs=-mo8-IXWvtM6ARdM8wDCDw. Acesso em 07/04/2019.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. Santa Cruz de Tenerife: Melusina, 2011.

MEIRELLES, Fernando S. “29ª Pesquisa Anual do Uso de TI, 2018”. FGV AESP, 2018. Disponível em https://eaesp.fgv.br/ensinoeconhecimento/centros/cia/pesquisa. Acesso em 10/02/2019.

MENDES, Soraia da Rosa. Criminologia Feminista: novos paradigmas. São Paulo: Saraiva, 2014.

MONTENEGRO, Marilia. Lei Maria da Penha: uma análise criminológica-crítica. Rio de Janeiro: Revan, 2015.

PADRÃO, Márcio. “Como surgiu o #meuamigosecreto com denúncias de machismo na web”. UOL. Notícias, 2015. Disponível em https://noticias.uol.com.br/tecnologia/noticias/redacao/2015/11/25/entenda-como-surgiu-o-meuamigosecreto-com-denuncias-de-machismo-na-web.htm. Acesso em 01/04/2019.

PORTAL CATARINAS. “O grito #EleNão ecoa na maior manifestação de mulheres da história do país”. Catarinas, 2018. Disponível em http://catarinas.info/o-grito-elenao-ecoa-na-maior-manifestacaode-mulheres-da-historia-do-pais/. Acesso em 07/04/2019.

PORTAL GELEDÉS. “Não é vitimismo! Thiago de Souza Amparo comenta as discussões sobre racismo que tomaram as redes sociais nas últimas semanas”. Portal Geledés, 24/02/2019. Disponível em https://veja.abril.com.br/brasil/nao-e-vitimismo/.

POTTER, Hyury. “A trajetória política de Jair Bolsonaro”. Carta Capital, 2018. Disponível em https://www.cartacapital.com.br/politica/a-trajetoria-politica-de-jair-bolsonaro/. Acesso em 07/04/2019.

PRANDO, Camila Cardoso de Mello. “A Criminologia Crítica e os estudos críticos sobre branquidade”. Revista Direito & Práxis, Rio de Janeiro, v. 9, n. 1, p. 70-84, 2018. Disponível em https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S2179-89662018000100070&script=sci_abstract&tlng=pt.

PRATA, Antônio. Facebook, 2015. Disponível em https://www.facebook.com/antonio.prata.18/posts/986325001427624?pnref=story. Acesso em 07/04/2019.

PRECIADO, Paul B. Manifesto Contrassexual: práticas subversivas de identidade sexual. São Paulo: n-1, 2017.

PRECIADO, Beatriz. “Multidões queer: notas para uma política dos ‘anormais’”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, n. 1, jan./abr. 2011. Disponível em https://bit.ly/3eGfNjG.

RAGO, Margareth. “O feminismo acolhe Foucault”. Labrys, São Paulo, jul./dez. 2014. Disponível em https://www.labrys.net.br/labrys26/foucault/margaok.htm#:~:text=Inspirada%20por%20Foucault%20e%20em,dos%20modos%20como%20a%20produ%C3%A7%C3%A3o.

REIS, Priscila Duarte. “Criminalização e extermínio da juventude preta e periférica: a seletividade legislativa e a guerra às drogas”. In: GOSTINSKI, Aline; BISPO, Caroline; MARTINS, Fernanda (Orgs.). Estudos feministas: por um direito menos machista, v. 4. Florianópolis: Tirant lo Blanch, 2019.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, 2017.

ROLNIK, Suely. Esferas da insurreição: notas para uma vida não cafetinada. São Paulo: n-1, 2018.

SAFATLE, Vladimir. O circuito dos afetos: corpos políticos, desamparo e o fim do indivíduo. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

SAFATLE, Vladimir. Só mais um esforço. São Paulo: Três Estrelas, 2017.

SANTOS, Thandara. Levantamento nacional de informações penitenciárias INFOPEN – Mulheres. 2. ed. Brasília: Ministério da Justiça e Segurança Pública. Departamento Penitenciário Nacional, 2018. Disponível em https://www.conectas.org/wp/wp-content/uploads/2018/05/infopenmulheres_arte_07-03-18.pdf.

SAYAK, Valencia. Capitalismo gore: control económico, violência y narcopoder. Tenerife: Melusina, 2010.

SEGATO, Rita Laura. La guerra contra las mujeres. Madrid: Traficantes de Sueños, 2017.

SHIACH, Morag. “O ‘simbólico’ deles existe, detém poder – nós, as semeadoras da desordem, o conhecemos bem demais”. In: BRENNAN, Teresa (Org.). Para além do falo: uma crítica a Lacan do ponto de vista da mulher. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1989. p. 205.

SILVA, Isabella Miranda da. “Em briga de marido e mulher ninguém mete a colher?”: uma análise de políticas criminais de violência doméstica sob a perspectiva da criminologia crítica e feminista. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2015.

SOUZA, Luanna Tomaz de. Da expectativa à realidade: a aplicação de sanções na Lei Maria da Penha. São Paulo: Lumen Juris, 2016.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. “Estudios de la Subalternidad: Deconstruyendo la Historiografía”. In: BARRAGÁN, Rossana; CUSICANQUI, Silvia Rivera (Orgs.). Debates Post Coloniales: una introducción a los Estudios de la Subaltenidad. La Paz: Aruwiyiri; Historias, 1997.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: EDUFMG, 2010.

SUDBURY, Julia. Celling “Black Bodies: Black Women in the Global Prison Industrial Complex”. Feminist Review, n. 70, Globalization, p. 57-74, 2002.

SUDBURY, Julia. “A World Without Prisons: Resisting Militarism, Globalized Punishment, and Empire”. Social Justice, v. 31, n. 1-2, p. 09-30, 2004.

THINK OLGA. “Chega de fiu fiu”. Mapa, 2014. Disponível em https://thinkolga.com/projetos/chegade-fiu-fiu/. Acesso em 07/04/2019.

THINK OLGA. “Chega de fiu fiu”. Projetos, 2018. Disponível em https://thinkolga.com/2018/01/31/chega-de-fiu-fiu/. Acesso em 07/04/2019.

THINK OLGA. “Hashtag transformação: 82 mil tweets sobre #PrimeiroAssédio”. Artigos, 2015. Disponível em https://www.facebook.com/thinkolga/photos/hashtagtransforma%C3%A7%C3%A3o-82-miltweets-sobre-o-primeiroassedioleia-nossaan%C3%A1lise-so/695924083876449/. Acesso em 07/04/2019.

THINK OLGA. “O que é a Olga”. Sobre, 2013a. Disponível em https://www.thinkolga.com/sobre/. Acesso em 25/02/2019.

THINK OLGA. “Chega de fiu fiu: resultado da pesquisa”. Artigos, 2013b. Disponível em https://thinkolga.com/ferramentas/faq-chega-de-fiu-fiu/. Acesso em 07/04/2019.

TRUTH, Sojourner. “Sufrágio feminino”. In: JABARDO, Mercedes (Ed.) Feminismos negros: una ontología. Madrid: Traficante de Sueños, 2012.

WAJCMAN, Judy. El tecno feminismo. Madrid: Cátedra, 2006.

ZAFFARONI, Eugenio Raúl. A questão criminal. Rio de Janeiro: Revan, 2013.

Downloads

Publicado

2020-12-18

Edição

Seção

Artigos