“Da Igreja à luta”: trajetórias políticas de mulheres agricultoras do Sudoeste do Paraná

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2021v29n267222

Palavras-chave:

mulheres agricultoras, liderança política, gênero, interseccionalidade

Resumo

Neste artigo, analisamos as trajetórias de mulheres agricultoras no Sudoeste do Paraná a partir das questões de gênero, da formação religiosa e da ação política que implicaram diretamente o exercício de suas lideranças na igreja, no sindicato, em associações, em partido político e em movimentos sociais. Em suas narrativas, constatamos que suas vivências se cruzam com as experiências coletivas das mulheres do campo e das lutas políticas em âmbito regional e nacional. Observamos, também, como essas lideranças foram constituídas e como elas reconfiguram papéis sociais naturalizados enquanto agricultoras. Compreender a trajetória vivenciada por essas mulheres remete-nos à questão da interseccionalidade, em que o gênero não tem referentes fixos, mas é marcado pelas diferenças de classe, origem étnica e racial, modo de vida, situação rural e experiência histórica.

 

Biografia do Autor

Aline Maiara Demétrio Santos, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Psicóloga, mestre em Desenvolvimento Regional pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná e servidora pública no departamento de educação no município de Bom Sucesso do Sul – Paraná.

Josiane Carine Wedig, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Bacharel e licenciada em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Pelotas, mestre em Desenvolvimento Rural pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, doutora de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Professora de Sociologia da Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

Hieda Maria Pagliosa Corona, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Bacharel e licenciada em Ciências Sociais e Mestre em Sociologia pela UFPR, doutora em Meio Ambiente e Desenvolvimento pela UFPR, pós-doutora em Desenvolvimento socioambiental pelo Ladyss/Paris X e Desenvolvimento Rural pelo PGDR/UFRGS. Professora Permanente e Bolsista-sênior do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional (PPGDR/UTFPR).

Referências

ABRÃO, Joice Aparecida Antonello; SANTOS, Roselí Alves dos. “Sindicalismo rural em Francisco Beltrão: a inserção do trabalho das mulheres nos espaços políticos administrativos do sindicato dos trabalhadores rurais”. In: FAZENDO GÊNERO, 9, 2010, Florianópolis, UFSC. Anais... Florianópolis: UFSC, 2010. p. 01-10.

ABU-LUGHOD, Lila. “A escrita contra a cultura”. Equatorial - Revista do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da UFRN, Natal, v. 5, n. 8, p. 193-226, janeiro/junho 2018.

BATTISTI, Elir. “As disputas pela terra no Sudoeste do Paraná”. Campo-Território: Revista de Geografia Agrária, Uberlândia, v. 1, n. 2, p. 65-91, agosto 2006.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Editora Brasiliense, 1994.

BONI, Valdete. “Poder e igualdade: as relações de gênero entre sindicalistas rurais de Chapecó, Santa Catarina”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 12, n. 1, p. 289-302, janeiro/abril 2004.

BONI, Valdete. De agricultoras a camponesas: o movimento de mulheres camponesas de Santa Catarina e suas práticas. 2012. Doutorado (Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política) - Centro de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2003.

COLETTI, Tomé. Organização da produção na agricultura familiar: análise das proposições do sindicalismo rural cutista do Sul do Brasil. 2005. Monografia (Graduação em Economia) - Centro de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

CORONA, Hieda Maria Pagliosa. “As estratégias dos agricultores familiares do Sudoeste do Paraná frente à modernização no campo”. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA, 11., 2003, Campinas, Unicamp. Anais... Campinas: Unicamp, 2003. p. 01-26.

CRENSHAW, Kimberlé. “Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 171-188, janeiro/abril 2002.

DEERE, Carmen Diana. “Os direitos da mulher a terra e os movimentos sociais rurais na reforma agrária Brasileira”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 12, n. 1, p. 175-204, janeiro/abril 2004.

FAVARETO, Arilson Silva da. “Agricultores, trabalhadores: os trinta anos do novo sindicalismo rural no Brasil”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 21, n. 62, p. 27-44, outubro 2006.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. São Paulo: Editora Elefante, 2017.

HALL, Stuart. Identidades culturais na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Editora DP&A, 2006.

HARAWAY, Donna. “Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial”. Cadernos Pagu, Campinas, n. 5, p. 7-41, 1995.

LUGONES, María. “Colonialidad y género”. Tabula rasa, Bogotá, n. 9, p. 73-102, julho/dezembro 2008.

PAULILO, Maria Ignez; SILVA, Cristiani Bereta da. “Memórias e trajetórias de Luci Choinack: histórias e lutas pelos direitos das mulheres camponesas”. In: PAULILO, Maria Ignez. Mulheres Rurais: quatro décadas de diálogo. Florianópolis: Editora da Universidade Federal de Santa Catarina, 2016. p. 301-326.

PAULILO, Maria Ignez. “O peso do trabalho leve”. Revista Ciência Hoje, Rio de Janeiro, v. 5, n. 28, p. 64-70, janeiro/fevereiro 1987.

PAULILO, Maria Ignez. “Trabalho familiar: uma categoria esquecida de análise”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 12, n. 1, p. 229-252, janeiro/abril 2004.

PISCITELLI, Adriana. “Tradição oral, memória e gênero: um comentário metodológico”. Cadernos Pagu, Campinas, n. 1, p. 150-200, janeiro 1993.

PISCITELLI, Adriana. “Gênero: a história de um conceito”. In: ALMEIDA, Heloisa Buarque de; SZWAKO, José (Orgs.). Diferenças, igualdade. São Paulo: Editora Berlendis & Vertecchia, 2009. p. 116-148.

RAGO, Margareth. A aventura de contar-se: feminismos, escrita de si e invenções da subjetividade. Campinas: Editora da Unicamp, 2013.

ROCHA-COUTINHO, Maria Lúcia. “A narrativa oral, a análise de discurso e os estudos de gênero”. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 11, n. 1, p. 65-69, janeiro/abril 2006.

SALVARO, Giovana Ilka Jacinto; LAGO, Mara Coelho de Souza; WOLFF, Cristina Scheibe. “Limites e possibilidades da militância política em um movimento social rural de mulheres”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 1, p. 51-70, janeiro/abril 2014.

SANTOS, Roselí Alves dos. “A participação política das mulheres agricultoras nas organizações populares e sindicais no Sudoeste do Paraná”. Geo UERJ, Rio de Janeiro, v. 2, n. 21, p. 312-329, janeiro/fevereiro 2010.

SARTI, Cynthia Andersen. “O feminismo brasileiro desde os anos 1970: revisitando uma trajetória”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 12, n. 2, p. 35-50, maio/agosto 2004.

SCHMITZ, Aline Motter; FERNANDES, Patrícia Aparecida; SANTOS, Roselí Alves dos. “A participação das mulheres agricultoras no sindicato dos trabalhadores rurais - STR de Francisco Beltrão - PR: uma discussão de gênero na geografia”. In: ENCONTRO NACIONAL DE GEOGRAFIA AGRÁRIA, 21, 2012, Uberlândia, Universidade Federal de Uberlândia. Anais... Uberlândia: UFU, 2012. p. 01-21.

SCHMITZ, Aline Motter et al. Registrando a história e as experiências político-organizativas das mulheres agricultoras no Sudoeste Paranaense. Francisco Beltrão: Editora Unioeste, 2010.

SCOTT, Joan. “Gênero: uma categoria útil para os estudos históricos”. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 5-22, julho/dezembro 1995.

SILIPRANDI, Emma. “Mulheres agricultoras no Brasil: sujeitos políticos na luta por soberania e segurança alimentar”. Pensamiento Iberoamericano, Espanha, n. 9, p. 169-183, 2011.

STEDILE, João Pedro; FERNANDES, Bernardo Mançano. Brava gente: a trajetória do MST e a luta pela terra no Brasil. São Paulo: Editora Perseu Abramo, 2005.

STERN, Steve. “De la memoria suelta a la memoria emblemática: hacia el recordar y el olvidar como proceso histórico (Chile, 1973-1998)”. In: GARCÉS, Mario et al. (Orgs.). Memoria para un nuevo siglo: Chile miradas a la segunda mitad del siglo XX. Santiago: Editora LOM, 2000. p. 11-33.

Downloads

Publicado

2021-10-21

Edição

Seção

Artigos