A discussão do colonialismo partindo da língua portuguesa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2020v28n68044

Palavras-chave:

Gênero, Racismo, Feminismo Negro, Língua Portuguesa, Colonialismo

Resumo

Resenha do livro Memórias da Plantação. Episódios de Racismo Cotiano de Grada Kilomba. 

Referência:

KILOMBA. Grada. Memórias da Plantação. Episódios de Racismo Cotidiano. Rio de Janeiro:  Cobogó, 2019.

 

Biografia do Autor

Sandra Nodari-Romano, Universidade Positivo, Universidade Fernando Pessoa, Universidade Federal do Paraná

Doutoranda em Ciências da Informação na Universidade Fernando Pessoa, no Porto, em Portugal, em co-tutela com a Universidade Federal do Paraná, estuda as vozes femininas nos telejornais brasileiros e portugueses, a partir do Lugar de Fala e faz parte do Núcleo de Estudos de Gênero da Universidade Federal do Paraná. Possui mestrado em Comunicação e Linguagens pela Universidade Tuiuti do Paraná e graduação em Comunicação Social Habilitação em Jornalismo pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (PR). É professora em regime Tempo Integral da Universidade Positivo onde leciona disciplinas ligadas ao audiovisual para o curso de Jornalismo, além de orientar projetos de Iniciação Científica e Trabalhos de Conclusão de Curso, desde 2011. Coordenou a Pós-Graduação em Produção Audiovisual e a especialização em Produção Audiovisual em Multiplataformas, também na Universidade Positivo. Coordena parcerias entre a Universidade Positivo e a TV É Paraná e o Canal Futura dirigindo e editando reportagens e séries de programas de TV. Foi professora da Universidade Tuiuti do Paraná entre 2003 e 2010. É autora do livro: Ônibus 174: a Relação entre Imagem e Voz no Telejornalismo e no Documentário. Como jornalista, já foi repórter, editora, produtora e apresentadora em emissoras de TV e Rádio. Hoje atua hoje como freelancer, também, em assessoria de imprensa. No cinema, tem experiência na produção, pesquisa, assistência de direção e roteiro de documentários.

Jorge Pedro Sousa, Universidade Fernando Pessoa

Jorge Pedro Sousa é professor catedrático e investigador da Universidade Fernando Pessoa e do ICNova - Instituto de Ciências da Comunicação da Universidade Nova de Lisboa. Pesquisa teoria e história do jornalismo, produtos jornalísticos e produção jornalística. A pesquisa mais recente incide na história da introdução do jornalismo em Portugal e na análise dos primeiros dispositivos jornalísticos e pré-jornalísticos portugueses, bem como na introdução do jornalismo iconográfico no país e na recuperação da história da teorização do jornalismo em Portugal.

Referências

KILOMBA. Grada. Memórias da Plantação. Episódios de Racismo Cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala?. Belo Horizonte: Letramento: Justificando, 2017.

RIBEIRO, Stephanie. “Quem somos: mulheres negras no plural, nossa existência é pedagógica”. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Explosão Feminista. Arte, cultura, política e Universidade. São Paulo: Cia. das Letras, 2018, p. 261-299.

SALOMON, Marta. “Lula agora usa ‘todos e todas’ em discurso”. Folha de São Paulo [online]. São Paulo, 29/08/2004 às 04h03. Disponível em https://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u63660.shtml. Acesso em 15/10/2019.

SCOTT, Joan. “Gênero: uma categoria útil de análise histórica”. Educação & Realidade, v. 20, n. 2, jul.-dez. 1995. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/71721. Acesso em 10/04/2020.

SPIVAK, Gayatri. Pode o Subalterno Falar? Trad. de Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa e André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: UFMG, 2018.

Downloads

Publicado

2020-12-18

Edição

Seção

Resenhas