A Mulher Heroína em combate ao patriarcado em Moçambique

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2021v29n269909

Palavras-chave:

Iveth Mafundza, Mulher Heroína, Rap, Moçambique, Feminismo

Resumo

Este artigo tem como foco principal analisar a música Mulher Heroína, da rapper, advogada e professora de direito Iveth Mafundza. A artista moçambicana denuncia a desigualdade de gênero em vários aspectos socioeconômicos e culturais do país, tais como educação, acesso ao emprego, culpabilização das mulheres por doenças, lobolo e mutilação genital. As denúncias apresentadas na letra são comparadas a teóricas do rap e do feminismo, com ênfase em autoras que estudam a realidade social das mulheres moçambicanas. Dados estatísticos apresentados pelo Censo do país de 2017 e pelo relatório da ONU Mulheres de 2015 auxiliam nesta análise. A metodologia ainda abrange análise de discurso da letra Mulher Heroína e entrevistas semiestruturadas. O artigo também traça um histórico sobre a atuação das rappers moçambicanas, apresentando as pioneiras e os trabalhos mais recentes de rap feminista do país.

Biografia do Autor

Francisco Carlos Guerra de Mendonça Júnior, Universidade de Coimbra

Doutorando em Ciências da Comunicação na Universidade de Coimbra, desenvolve a pesquisa “Rap como forma de ativismo político no espaço lusófono”. É bolsista Capes no Programa de Doutorado Pleno no Exterior, processo 99999.002257/2015-07. É mestre em Comunicação e Jornalismo pela Universidade de Coimbra. É ainda graduado em Comunicação Social – Habilitações Radialismo e Jornalismo pela UFRN. Atua ainda como rapper e produtor cultural.

Referências

ABOIM, Sofia. “Masculinidades na encruzilhada: hegemonia, dominação e hibridismo em Maputo”. Análise Social, v. XLIII, p. 273-295, 2008.

AMADIUME, Ifi. Reinventing Africa. Matriarchy, Religion, Culture. London; New York: Zed Books Ltda., 1997.

AZAGAIA. Entrevista, 22/03/2018. Entrevistador: Autor do artigo. Entrevista para a pesquisa de Doutorado. Transcrição: Levi Soares.

BAGNOL, Brigitte; MARIANO, Esmeralda. “Cuidados consigo mesma, sexualidade e erotismo na Província de Tete, Moçambique”. Physis, Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 2, p. 387-404, 2009.

BOLETIM OFICIAL DE MOÇAMBIQUE número 20. Diploma Legislativo no 238 de 17/05/1930, 1930.

CASIMIRO, Isabel Maria. Paz na terra, guerra em casa. Pernambuco: EDUFPE, 2014. (Série Brasil & África - Coleção Pesquisas 1)

INE. INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA. Recenseamento Geral da População e Habitação (CENSO). Maputo: Instituto Nacional de Estatística, 2007. Disponível em http://www.ine.gov.mz/operacoes-estatisticas/censos/censo-2007/rgph-2007. Acesso em 07/04/2019.

INE. INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA. IV Recenseamento Geral da População e Habitação (CENSO). Maputo: Instituto Nacional de Estatística, 2017. Disponível em http://www.ine.gov.mz/iv-rgph-2017/mocambique/censo-2017-brochura-dos-resultados-definitivos-do-iv-rgph-nacional.pdf/view. Acesso em 05/04/2019.

CHICHAVA, Sérgio Inácio; POHLMANN, Jonas Fernando. “Uma breve análise da imprensa moçambicana”. In: BRITO, Luís de et al. (Orgs.). Desafios para Moçambique 2010. Maputo: Instituto de Estudos Sociais e Económicos, 2008. p. 127-138.

COLLINS, Patricia Hill. From black power to hip-hop: racism, nationalism, and feminism. Philadelphia: Temple University, 2006.

CRUZ E SILVA, Teresa; ANDRADE, Ximena. “Feminização do SIDA em Moçambique: a cidade de Maputo, Quelimane e distrito de Inhassunge na província da Zambézia como estudos de caso”. Outras vozes, n. 10, p. 1-9, fev. 2005.

DAMOST, DJ; BLING, Dama do; PEPA, Gina; MAFUNDZA, Iveth. Mulher moçambicana, 2010. Disponível em https://soundcloud.com/afnuhswaa/dj-damost-feat-gina-pepa-dama. Acesso em 03/11/2019.

FILADY. Entrevista via Whatsapp, 02/09/2018. Entrevistador: Autor do artigo. Entrevista para a pesquisa de Doutorado.

FILADY. “Vendedora ambulante”. Maputo: Gravação independente. YouTube, 2012. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=jS5KpV_H4Hc. Acesso em 05/11/2019.

FILADY. “Mãe grande”. Maputo: Gravação independente . YouTube, 2017a. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=Y4L5c1kZUz0. Acesso em 05/11/2019.

FILADY. “Pão seco”. Maputo: Gravação independente. YouTube, 2017b. Disponível em https://moz-fresca.blogspot.com/2017/10/download-mp3-filady-pao-seco-feat-rukan.html. Acesso em 05/11/2019.

FRELIMO CIDADE DE MAPUTO. Ivete Mafundza, Jurista e Cantora Confia na FRELIMO e seu Candidato Filipe Jacinto Nyusi. YouTube, 2019. (2m12s). Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=CTa8HgzsLgw. Acesso em 05/05/2020.

GASPARETTO, Vera. Corredor de Saberes: Vavasati Vatinhenha (Mulheres Geroínas) e Redes de Mulheres e Feministas em Moçambique. 2019. Doutorado (Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.

ISSUFO, Nádia. “Madgermanes trabalharam para pagar dívidas de Moçambique a ex-RDA?”. Deutsche Welle, 2019. Disponível em https://www.dw.com/pt-002/madgermanes-trabalharam-para-pagar-d%C3%ADvidas-de-mo%C3%A7ambique-a-ex-rda/a-47747192. Acesso em 25/07/2019.

LARA, Fat. Raciocina: Atenção Desminagem. Maputo: Kandonga. 1 disco, faixa 2 (3:40), 2004.

LEONEL, Helder. Entrevista Local, 16/03/2018. Entrevistador: Autor do artigo. Maputo-Moçambique. Entrevista para a pesquisa de Doutorado. Transcrição: Levi Soares.

LOFORTE, Ana Maria. “Algumas reflexões sobre formas de deslegitimação da violência contra mulher em Moçambique”. In: CRUZ E SILVA, Teresa; CASIMIRO, Isabel Maria (Orgs.). A ciência ao serviço do desenvolvimento? Experiências de países africanos falantes de língua oficial portuguesa. Oxford: African Books Collective, 2015. p. 11-22.

MAFUNDZA, Iveth. Entrevista Local, 15/12/2018. Entrevistador: Autor do artigo. Matola-Moçambique. 1 arquivo.m4a (1:45:20min). Entrevista para a pesquisa de Doutorado. Transcição: Levi Soares.

MAFUNDZA, Iveth. Amiga: O Convite. Maputo: Cotonete Records. 1 disco, faixa 17 (5:15), 2010a.

MAFUNDZA, Iveth. Mulher heroína: O Convite. Maputo: Cotonete Records. 1 disco, faixa 15 (5:05), 2010b.

MATIAS, Leonel. “Moçambique: Aumenta nível de prevalência do HIV”. Deutsche Welle, 2017. Disponível em http://www.dw.com/pt-002/mo%C3%A7ambique-aumenta-n%C3%ADvel-de-preval%C3%AAncia-do-hiv/a-38759684. Acesso em 03/04/2018.

MAÚNGUE, Hélio Bento. A face feminina do HIV e SIDA: um estudo sobre as experiências de mulheres enfectadas pelo HIV na cidade de Maputo, Moçambique. 2015. Mestrado (Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

McCLINTOCK, Anne. Couro Imperial - Raça, Gênero e Sexualidade no embate colonial. Campinas: Editora da Unicamp, 2010.

McFADDEN, Patricia. “On being na African feminist, scholar and activist”. SAPEM, Harare, v. 11, n. 5, p. 26-30, 1998.

MENDONÇA, Fátima. Rui de Noronha: meus versos. Lisboa: Texto Editores, 2006. (Edição crítica da poesia de Rui de Noronha)

MENDONÇA, Fátima. “Moçambique: um lugar para a poesia”. In: SOUSA, Noémia. Sangue Negro. Ilustrações de Mariana Fujisawa. São Paulo: Kapulana, 2016. (Vozes da África)

MENESES, Maria Paula. “Corpos de violência, linguagens de resistência: as complexas teias de conhecimentos no Moçambique contemporâneo”. Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], Coimbra, n. 80, p. 161-194, 2008.

MENESES, Maria Paula. “O ‘indígena’ africano e o colono ‘europeu’: A construção da diferença por processos legais”. E-cadernos CES, Coimbra, n. 07, p. 67-93, 2010.

MITCHELL, Tony. Global noise: Rap and hip-hop outside the USA. Middletown: Wesleyan University Press, 2001.

NASCIMENTO, Washington Santos. Gentes do mato: “Os novos assimilados” em Luanda (1926-1961). 2013. Doutorado (Programa de Pós-Graduação em História Social), Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

ONU. ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. “ONU: 68 milhões de mulheres e meninas poderão sofrer mutilação genital até 2030”. ONU, 2019. Disponível em https://nacoesunidas.org/onu-68-milhoes-de-mulheres-e-meninas-poderao-sofrer-mutilacao-genital-ate-2030/. Acesso em 05/05/2020.

ONU MULHERES. Progress of the world´s women 2015-2016: Transforming economies, realizing right. UN WOMEN, 2015.

OSÓRIO, Conceição; SILVA, Teresa Cruz. Buscando sentidos - género e sexualidade entre jovens estudantes do ensino secundário, Moçambique. Moçambique: WLSA, 2008.

O PAÍS. “Mulheres investem no Hip-Hop para incentivar espírito revolucionário”. O País, 2018. Disponível em http://opais.sapo.mz/mulheres-investem-no-hiphop-para-incentivar-espirito-revolucionario. Acesso em 12/05/2020.

PEPA, Gina. Entrevista via Whatsapp, 04/08/2019. Entrevistador: Autor do artigo. Entrevista para pesquisa de Doutorado.

PEPA, Gina. “G.I.N.A. P.E.P.A.”. Maputo: Gravação independente. YouTube, 2006. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=Y4L5c1kZUz0. Acesso em 03/11/2019.

PINHO, Osmundo. “A antropologia da África e o lobolo no sul de Moçambique”. Afro-Ásia (UFBA. Impresso), Salvador, v. 1, p. 9-41, 2011.

PRICE, Emmett G. Hip-hop culture. Santa Barbara: ABC-CLIO, 2006.

ROSE, Tricia. Black noise: Rap music and the black culture in contemporary America. Hanover: University Press of New England, 1994.

SANTOS, Boaventura de Sousa. “Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia dos saberes”. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 78, p. 3-46, 2007.

TEIXEIRA, Ana Luísa. “A construção sociocultural de ‘género’ e ‘raça’ em Moçambique: continuidade e ruptura nos períodos colonial e póscolonial”. In: 6º CONGRESSO SOPCOM, 2009, ISCTE - Centro de Estudos Africanos. Anais..., 2009.

VELOSO, Jacinto. Memórias em voo rasante. Maputo: JVCI, 2007.

ZACARIAS, Amós. “Alice Mabota: ‘Rejeição de candidatura à Presidência é política’”. Deutsche Welle, 2019. Disponível em https://www.dw.com/pt-002/alice-mabota-rejei%C3%A7%C3%A3o-de-candidatura-%C3%A0-presid%C3%AAncia-%C3%A9-pol%C3%ADtica/a-49871774. Acesso em 05/05/2020.

Downloads

Publicado

2021-10-21

Edição

Seção

Artigos