“Machorras” e “afeminados” indígenas: corpos abjetos nas Missões e Paraguai

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2021v29n371060

Palavras-chave:

Missões, Paraguai, Indígenas, Colonização, Teoria queer, Corpo, Sexualidade

Resumo

A partir da atual conjuntura fóbica do Paraguai em relação à diversidade sexual e da abordagem Queer Indigenous Studies, neste artigo, analiso a produção de corpos indígenas abjetos, como o das “machorras” e dos “afeminados”, no interior das Missões Indígeno-Jesuíticas (sécs. XVII-XVIII).

Biografia do Autor

Jean Tiago Baptista, Universidade Federal de Goiás

Jean Tiago Baptista (jeantiagobaptista@gmail.com; jeantb@hotmail.com) é pós-doutor pelo Institute for Gender, Sexuality, and Feminist Studies (IGSF) da McGill University, Montreal, Canadá (2019). Professor do Programa de Pós-Graduação em História (PPGH) e de Antropologia Social (PPGAS) da Universidade Federal de Goiás (UFG).

Referências

ALMEIDA, Maria Regina Celestino. Metamorfoses indígenas. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2003.

ALMEIDA, Maria Regina Celestino. Os índios na história do Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas, 2010.

AMODIO, Emanuele. “El detestable pecado nefando”. Nuevo Mundo Mundos Nuevos, 2012. Disponível em http://journals.openedition.org/nuevomundo/63177. Acesso em 02/02/2018.

AZARA, Felix. “Memória de D. Felix de azara sobre a necessidade e os meios de defender a fronteira do sul contra os portugueses do Brasil”. In: CORTESÃO, Jaime (Org.). Do Tratado de Madrid à Conquista dos Sete Povos. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, 1969. p. 442-457.

BAPTISTA, Jean. O Eterno: Dossiê Missões. Brasília/São Miguel das Missões: Instituto Brasileiro de Museus/Museu das Missões, 2015b. Disponível em https://www.museus.gov.br/wp-content/uploads/2019/06/Dossie_missoes_Eterno-vol2.pdf. Acesso em 02/02/2016.

BAPTISTA, Jean. O Temporal: Dossiê Missões. Brasília/São Miguel das Missões: Instituto Brasileiro de Museus/Museu das Missões, 2015a. Disponível em https://www.museus.gov.br/wp-content/uploads/2015/09/Dossie_missoes_Temporal.pdf. Acesso em 02/02/2016.

BAPTISTA, Jean; BOITA, Tony. “Patrimônios indígenas nos 80 anos do Museu das Missões”. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi, Belém, v. 14, n. 1, p. 189-205, 2019. Disponível em https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222019000100189. Acesso em 10/01/2020.

BAPTISTA, Jean; WICHERS, Camila; BOITA, Tony. “Mulheres Indígenas nas Missões: patrimônio silenciado”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 27, n. 3, 2019. Disponível em https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2019000300214. Acesso em 10/01/2020.

BELAUNDE, Luisa. “O estudo da sexualidade na etnologia”. Cadernos de Campo, São Paulo, v. 24, n. 24, 2015.

BENITES, Sandra. Nhe'e, reko porã rã: nhemboea oexakarẽ, fundamento da pessoa guarani, nosso bem-estar futuro (educação tradicional): o olhar distorcido da escola. 2015. Monografia (Licenciatura Intercultural Indígena) - Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

BENITES, Sandra. Viver na língua guarani nhandewa (mulher falando). 2018. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social) - Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

BOROA, Diego. “Décima cuarta carta anua en donde se relaciona todo lo acaecido en los años de 1635-1637”. In: Documentos para la Historia Argentina. Buenos Aires: Wentworth Press, 1929.

BRITO, Edson. A educação Karipuna do Amapá no contexto da educação escolar indígena diferenciada na aldeia do Espírito Santo. 2012. Doutorado (Programa de Pós-Graduação em Educação) - Faculdade de Educação da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

BUTLER, Judith. Bodies that matter: on the discursive limits of “sex”. New York: Routledge, 1993.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CANCELA, Cristina; SILVEIRA, Leonel; MACHADO, Almires. “Caminhos de uma pesquisa acerca da sexualidade em aldeias indígenas no Mato Grosso do Sul”. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 53, n. 1, p. 199-235, 2010.

CARBONE, Rocco; CUENCA, Joel. 108: Genocidio. Homopolítica en Paraguay. Buenos Aires: El 8 vo Loco e Tren en movimiento, 2018.

CARIAGA, Diógenes. “Gênero e sexualidades indígenas: alguns aspectos das transformações nas relações a partir dos Kaiowa no Mato Grosso do Sul”. Cadernos de Campo, São Paulo, n. 24, p. 441-464, 2015.

CARRASCO, Rafael. Inquisición y represión sexual en Valencia. Historia de los sodomitas (1565-1785). Barcelona: Laertes, 1985.

CHAMOCHO CANTUDO, Miguel Ángel. “El delito de sodomía femenina en la obra del Padre franciscano Sinistrati D’Ameno, ‘De Sodomía Tractatus’”. Revista de Estudios Histórico-Jurídicos, Valparaíso, n. 30, p. 387-424, 2008.

CHAMORRO, Graciela. Decir el cuerpo. Asunción: Tiempo de Historia, 2009.

CLASTERS, Pierre. Crônica dos índios Guayaki: o que sabem os Aché caçadores nômades do Paraguai. São Paulo: Editora 34, 1995.

CONNELL, Robert. “Globalization, Imperialism, and Masculinities”. In: KIMMEL, Michael S.; HEARN, Jeff; CONNELL, Robert (Orgs.). Handbook of Studies on Men and Masculinities. Thousand Oaks: Sage, 2005. p. 71-89.

CONNELL, Robert; MESSERSCHMIDT, James. “Masculinidade hegemônica: repensando o conceito”. Revista Estudos Feministas, v. 21, n. 1, 2013.

CUNHA, Manuela Carneiro da. “Imagens de índios do Brasil: o século XVI”. Estudos Avançados, São Paulo, v. 4, n. 10, p. 91-110, 1990.

CUNHA, Manuela Carneiro da. “Introdução a uma história indígena”. In: CUNHA, Manuela Carneiro da. História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. p. 9-24.

CURIEL, Ochy. La Nación Heterosexual. Análisis del discurso jurídico y régimen heterosexual desde la antropología de la dominación. Bogotá: Brecha lésbica y en la frontera, 2013.

D’EVREUX, Ivo. Viagem ao norte do Brasil feita nos annos de 1613-1614. São Luís: Typ. do Frias, 1874.

DONDIVAS, Tomas. “Reglamento general de Doctrinas enviado por el Provincial P. Tomás Donvidas, y aprobado por el General P. Tirso em 1689”. In: HERNÁNDEZ, Pablo. Organización social de las doctrinas guaraníes de la Compañia de Jesús. Barcelona, 1913. p. 593-599.

DRISKILL, Qwo-Li. “Cherokee Two-Spirit People Reimagining Nation”. In: DRISKILL, Qwo-Li; FINLEY, Brian Joseph Gilley; MORGENSEN, Scott Lauria. Queer indigenous studies: critical interventions in theory, politics, and Literature. Tucson: Arizona Press/University of Arizona, 2011. p. 97-111.

DURÁN, Nicolau. “Carta ânua do Padre Nicolau Durán em que dá conta do estado das reduções da Província do Paraguai de 1628”. In: CORTESÃO, Jaime (Org.). Manuscritos da Coleção De Angelis: Jesuítas e bandeirantes no Guairá. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, 1951. p. 203-258.

FACCHINI, Regina; SÍVORI, Horacio. “Conservadorismo, direitos, moralidades e violência”. Cadernos Pagu, Campinas, n. 50, 2017.

FAUSTO, Carlos. “Se Deus fosse jaguar”. Mana, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, 2005.

FERGUSON, Roderick. Queer of Critical Color. Oxford Research Encyclopedia, Literature. Oxford: Oxford University Press, 2018.

FERGUSON, Roderick. Aberrations in Black. Towards a Queer of Color Critique. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2003.

FERNANDES, Rafael. Decolonizando sexualidades. 2015. Doutorado (Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Estudos Comparados sobre as Américas do Centro de Pesquisa e Pós-Graduação sobre as Américas) - Universidade de Brasília, Distrito Federal, DF, Brasil.

FINLEY, Chris. “Decolonizing the Queer Native Body (and Recovering the Native Bull Dyke). Bringing ‘Sexy Back’ and Out of Native Studies' closet”. In: DRISKILL, Qwo-Li; FINLEY, Brian Joseph Gilley; MORGENSEN, Scott Lauria. Queer indigenous studies: critical interventions in theory, politics, and Literature. Tucson: Arizona Press/University of Arizona, 2011. p. 97-111.

FLECK, Eliane. “De mancebas auxiliares do demônio a devotas congregantes”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 14, n. 3, p. 617-634, 2006.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1999.

FRANZEN, Beatriz; FLECK, Eliane; MARTINS, Maria Cristina Bohn (Orgs.). Carta ânua da Província Jesuítica do Paraguai 1659-1662. São Leopoldo: Oikos, 2008.

GARCIA, Elisa. “Las categorías de la conquista: las mujeres nativas en el vocabulario del siglo XVI (São Vicente, Brasil)”. Nuevo Mundo Mundos Nuevos, 2019.

GOMES, Veronica. Com temerária ousadia e pouco temor de Deus e da Justiça: clérigos sodomitas na Inquisição de Lisboa (1610-1699). 2019. Doutorado (Programa de Pós-Graduação em História) - Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

GRUZINSKI, Serge. “Las cenizas del deseo”. In: ORTEGA, Sergio (Org.). De la santidad a la perversión. México: Grijalbo, 1986.

JESUS, Suzana. Pessoas na medida: processos de circulação de saberes sobre o Nhande Reko Guarani na região das Missões. 2015. Doutorado (Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social) - Centro de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

KRAHÔ, Creuza Prumkwyj. Wato ne hômpu ne kãmpa. Convivo, vejo e ouço a vida Mehi (Mãkrarè). 2017. Dissertação (Programa de Mestrado em Desenvolvimento Sustentável junto a Povos e Terras Tradicionais) - Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

LÉVI-STRAUSS, Claude. História de Lince. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

McCALLUM, Cecilia. “Nota sobre as categorias ‘gênero’ e ‘sexualidade’ e os povos indígenas”. Cadernos Pagu, Campinas, n. 41, p. 53-61, 2013.

MELIÀ, Bartomeu. El guaraní conquistado y reducido. Asunción: Biblioteca Paraguaya de Antropologia, 1988.

MELIÀ, Bartomeu. La lengua Guarani en el Paraguay colonial. Asunción: CEPAG, 2003.

MOLINA, Fernanda. “Entre pecado y delito”. Revista Allpanchis Phuturinqa, Cuzco, n. 71, 2008.

MOLINA, Fernanda. “Más allá de la sodomía”. Revista Sudamerica, n. 1, 2012.

MORA RODRÍGUEZ, Luís. “Dominación y corporalidad”. Tabula Rasa, n. 12, p. 13-29, 2010.

MOTT, Luiz. “Ethno-histoire de l’homossexualité en Amérique Latine”. In: CROUZET, François (Org.). Pour l’histoire du Brésil. Paris: L’Harmattan, 2000. p. 285-303.

MUNDURUKU, Daniel. Mundurukando. São Paulo: Ed. do Autor, 2010.

NEBRIJA, Elio. Vocabulario Español-Latino de 1495. Disponível em http://www.cervantesvirtual.com/obra-visor/vocabulario-espanollatino--0/html/003fb036-82b2-11df-acc7-002185ce6064_215.html. Acesso em 21/06/2018.

NIMUENDAJU, Curt. As lendas de criação e destruição do mundo como fundamentos da religião dos apapocúva-guarani. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1987.

NUSDOSFER, Bernardo. “Doctrina del Pueblo de Jesus”. In: Manuscritos da Coleção De Angelis. Rio de Janeiro, Biblioteca Nacional, 1722.

OJEDA, Simón. “Carta ânua das reduções do Paraná e Uruguai de 1661”. 1661. In: VIANNA, Helio (Org.). Manuscritos da Coleção De Angelis . Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, 1970. p. 176-207.

PALOMERA SERREINAT, Lluís. Un ritual bilingüe en las reducciones del Paraguay. Cochabamba: Universidad Católica Boliviana, 2002.

PINHEIRO, Sophia. A imagem como arma: trajetória da cineasta indígena Patrícia Ferreira Pará Yxapy. 2017. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO, Brasil.

POMPA, Cristina. Religião como tradução: missionários, Tupi e Tapuia no Brasil colonial. São Paulo: Editora da Universidade do Sagrado Coração, 2003.

POTIGUARA, Eliane. Metade cara, metade máscara. São Paulo: Global, 2004.

PRINS, Baukje; MEIJER, Irene. “Como os corpos se tornam matéria: entrevista com Judith Butler”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 1, 2002.

RAMOS, Antônio. Tribunal de gênero. São Leopoldo: Oikos, 2016.

RESENDE, Maria; JANUARIO, Mayara; TURCHETTI, Natália. “De jure sacro - a Inquisição nas Villas d’El Rei”. Varia Historia, Belo Horizonte, v. 27, n. 45, p. 339-359, 2011.

ROMERO, Pedro. “Cartas ânuas das reduções do Paraná e Uruguai de 1634”. In: VIANNA, Helio (Org.). Manuscritos da Coleção De Angelis. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, 1970. p. 80-144.

ROSCOE, Will. Living the Spirit: A Gay American Indian Anthology. Nova York: St. Martin’s Press, 1988.

ROSCOE, Will. The Zuni Man-Woman. Albuquerque: University of New Mexico Press, 1991.

RUIZ DE MONTOYA, Antonio. Conquista Espiritual. Madrid: Imprenta del Reyno, 1639a.

RUIZ DE MONTOYA, Antonio. Tesoro de la lengua Guarani. 1639b. Disponível em https://archive.org/details/tesorodelalengua00ruiz/page/n231. Acesso em 02/03/2016.

RUIZ DE MONTOYA, Antonio. Conquista Espiritual. Porto Alegre: Martins Livreiro, 1985.

RUIZ DE MONTOYA, Antonio. Vocabulario y Tesoro de la lengua Guarani, ó mas bien tupi. Viena/Paris: Faesy y Frick/Maisonneuve, 1876b.

RUIZ DE MONTOYA, Antonio. Catecismo de la lengua Guarani. Madrid: Leipzig, 1876a.

SAMPAIO TUKANO, Daiara Hori Figueroa. Ukushe kiti niishe. Direito à memória e à verdade na perspectiva da educação cerimonial de quatro mestres indígenas. 2018. Mestrado (Direitos Humanos e Cidadania) - Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

SANTOS, Maria Cristina dos; BAPTISTA, Jean. “Reduções jesuíticas e povoados de índios: controvérsias sobre a população indígena (séc. XVII-XVIII)”. Revista História UNISINOS, São Leopoldo, v. 4, n. 2, 2007.

SEGATO, Rita. “Gênero e colonialidade: em busca de chaves de leitura e de um vocabulário estratégico descolonial”. E-Cadernos Ces, n. 18, p. 105-131, 2012.

SOMOSGAY. La comunidad de Somosgay festejó 8 años de trabajo hacia la “Tierra Sin Mal”, 2017. Disponível em http://somosgay.org/. Acesso em 10/10/2018.

STRATHERN, Marilyn. O gênero da Dádiva: problemas com as mulheres e problemas com a sociedade na Melanésia. Campinas: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 2006.

TODOROV, Tzvetan. A conquista da América. São Paulo: Martins Fontes, 1983.

TURNER, Terence. “Ethno-ethnohistory: myth and history in Native South American Representations of Contact with Western Society”. In: HILL, Jonathan (Org.). Rethinking History and Myth: Indigenous South American Perspectives on the Past. Urbana: University of Ilinois Press, 1988. p. 235-281.

VAINFAS, Ronaldo. “Inquisição como fábrica de hereges”. In: VAINFAS, Ronaldo; FEITLER, Bruno; LIMA, Lana (Orgs.). A Inquisição em Xeque. Rio de Janeiro: Editora da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, 2006.

VAINFAS, Ronaldo. Trópico dos pecados. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

VITAR, Beatriz. “Jesuitas, mujeres y poder: el caso de las misiones de las fronteras del Chaco (siglo XVIII)”. Cuadernos de Etnohistoria, Buenos Aires, n. 12, 2004.

VITAR, Beatriz. “La subversión del orden jesuítico: las ancianas indígenas y su resistencia a la acción misionera en el Chaco”. Revista de Ciências Humanas e Sociais, Santa Maria, v. 1, n. 1, p. 58- 72, 2015.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. “O mármore e a murta: sobre a inconstância da alma selvagem”. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 35, 1992.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. “Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio”. Mana, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, 1998.

WESLING, Meg. “Why Queer Diaspora?”. Feminist Review, 2008. Disponível em https://link.springer.com/article/10.1057/fr.2008.35#citeas. Acesso em 03/03/2019.

WILDE, Guillermo. Religión y poder en las misiones de Guaraníes. Buenos Aires: SB, 2009.

WITTIG, Monique. “The Straight Mind”. In: FERGUSON, Russel et al. (Orgs.). Out There: marginalization and contemporary cultures. Cambridge: MIT Press, 1990. p. 51-57.

Downloads

Publicado

2021-12-10

Edição

Seção

Artigos