O jogo do patriarcado em Um limite entre nós

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2021v29n372447

Palavras-chave:

August Wilson, beisebol, Literatura Afro-Americana, patriarcado, Um limite entre nós

Resumo

O texto dramático pode admitir reflexões políticas variadas, acrescidas de intensidade, posto que o texto se materializa em performances. Neste artigo, trazemos uma crítica ao patriarcado fundamentada no feminismo negro, nos estudos de gênero e na interseccionalidade. A peça de teatro analisada é Um limite entre nós (em inglês, Fences), originalmente publicada em 1985, um texto pungente da literatura norte-americana criado pelo dramaturgo August Wilson (1945-2005). Na obra, o protagonista Troy encontra-se amarrado ao sistema racista americano, comportando-se conforme as regras rígidas do beisebol. No jogo, a esposa Rose tem pouquíssimas chances de vitória. Essa vida reduzida de Rose, apontada brilhantemente por Wilson, torna possível concebermos uma crítica à instituição da família e da sociedade capitalista ocidental sustentada no patriarcado.

Biografia do Autor

Débora Spacini Nakanishi, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”

Débora Spacini Nakanishi (debora.nakanishi@gmail.com) é doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Unesp, campus de São José do Rio Preto (IBILCE), onde desenvolve pesquisa na área de Literatura, com foco nas adaptações cinematográficas, com o projeto intitulado “Adaptação intercultural: as Juliet(a)s de Alice Munro e Pedro Almodóvar”. Possui mestrado pela mesma instituição, com dissertação intitulada 12 anos de escravidão: livro e filme.

Cláudia Maria Ceneviva Nigro, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”

Cláudia Maria Ceneviva Nigro (cmc.nigro@unesp.br) possui mestrado e doutorado em Letras Estudos Literários (1994, 1999), ambos pela UNESP - Campus de São José do Rio Preto e Pós-Doutorado (2003) pelo IEL/UNICAMP. É Livre Docente em Crítica Literária - professora adjunta - efetiva da UNESP. Atua principalmente nos seguintes temas: identidade, exclusão, gênero, religião, tradução e cultura. É líder do Grupo de Pesquisa Gênero e Raça, cadastrado no CNPq.

Referências

ANDREWS, William; FOSTER, Frances; HARRIS, Trudier. The Concise Oxford Companion to African American Literature. New York: Oxford University Press, 2001.

BARZUN, Jacques. God’s Country and Mine. Boston: Little Brown and Company, 1954.

COLLINS, Patricia Hill. Pensamento feminista negro. São Paulo: Boitempo editorial, 2019.

CRENSHAW, Kimberlé. On Intersectionality: Essential Writings. New York: The New Press, 2017.

CRENSHAW, Kimberlé. “Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativo ao gênero”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 171-188, 2002. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/ref/v10n1/11636.pdf. Acesso em 24/09/2019.

DAVIS, Angela. Uma autobiografia. São Paulo: Boitempo editorial, 2019.

FRASER, Nancy. “O feminismo, o capitalismo e a astúcia da história”. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de (Org.). Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do tempo, 2019. p. 25-48.

hooks, bell. Ain’t I a Woman: Black Women and Feminism. New York: Routledge, 2015.

MENSON-FURR, Ladrica. Modern Theatre Guides: August Wilson’s Fences. Nova York: Continuum International Publishing Group, 2008.

NITTLE, Nadra. A Biography of August Wilson: The Playwright Behind 'Fences'. 2019. Disponível em https://www.thoughtco.com/august-wilson-biography-4121226. Acesso em 20/08/2019.

RIBEIRO, Djamila. Quem tem medo do feminismo negro? São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

WILSON, August. Um limite entre nós. Tradução de Leonardo Abramowics. São Paulo: Única, 2016. E-book.

WITTIG, Monique. “Não se nasce mulher”. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de (Org.). Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do tempo, 2019. p. 83-94.

Downloads

Publicado

2021-12-10

Edição

Seção

Artigos