Lésbicas negras em movimento

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2021v29n382642

Palavras-chave:

feminismo negro, lésbicas negras, racismo, raiva, sexismo

Resumo

Neste artigo, exploramos a militância de lésbicas negras brasileiras que tiveram suas trajetórias de vida marcadas pela raiva e pela indignação diante dos poderes estabelecidos, em um momento histórico no qual os movimentos sociais começaram a estar alicerçados na luta das mulheres negras feministas lésbicas, agregadoras das múltiplas segregações às quais estiveram historicamente submetidas. Esperamos que este artigo sirva de fonte de reflexão para ações políticas e acadêmicas para quem quer se ancorar nos estudos de gênero e saberes feministas, propostos sobretudo pelo feminismo negro como também pelos estudos lésbicos feministas.

Biografia do Autor

Nadia Cristina Nogueira, Rede SESI/SP de Filosofia e Sociologia

Nadia Nogueira (nadia.nogueira@sesisp.org.br) possui doutorado pela Unicamp (2005). É autora do livro Invenções de Si em Histórias de Amor: Lota & Bishop (2008), bem como dos artigos “Escrita de Si, escrita autobiográfica em Elizabeth Bishop” (em A escritura do feminino: Aproximações, 2011) e “Códigos de Sociabilidade Lésbica no Rio de Janeiro nos anos 1960 (em Retratos do Brasil Homossexual. Fronteiras, Subjetividades e Desejos, 2010). É professora da Rede SESI-SP de Filosofia e Sociologia (Indaiatuba-SP).

Referências

CARDOSO, Claudia Pons. “Apresentação”. In: hooks, bell. Teoria Feminista. Da Margem ao Centro. São Paulo: Perspectiva, 2019, p. 9-11.

CARNEIRO, Sueli. “Negros de pele clara”. Portal Geledés [online], São Paulo, 2004. Disponível em https://www.geledes.org.br/negros-de-pele-clara-por-sueli-carneiro/. Acesso em 20/02/2021.

CILENTO, Bruna Pimentel; GARCIA, Cássia; FREITAS, Maria Helena de Almeida. “MO.LE.CA. sai do armário: experiência de uma militância lésbico-feminista nos anos 2000”. Revista Brasileira de Estudos da Homocultura, v. 3, n. 10, 2020. Disponível em https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/rebeh/article/view/11589. Acesso em 12/03/2021.

ELAS+: doar para transformar. “Ângela Borba”. Institucional. ELAS+: doar para transformar, s.d. Disponível em http://elasfundo.org/institucional-angela-borba.asp.

EVARISTO, Conceição; ITAÚ CULTURAL. “Ocupação Conceição Evaristo”. Itaú Cultural [online], São Paulo, 2017. Disponível em https://www.itaucultural.org.br/ocupacao/conceicao-evaristo/. Acesso em 20/02/2021.

GONZALEZ, Lélia. “Racismo e sexismo na cultura brasileira”. In: KEMPER, Anna Katrin (Coord.). Psicanálise e política. Rio de Janeiro: Clínica Social de Psicanálise, 1981. p. 155-180.

hooks, bell. O feminismo é para todo mundo. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2019a.

hooks, bell. Teoria Feminista. Da Margem ao Centro. São Paulo: Perspectiva, 2019b.

hooks, bell. E eu não sou uma mulher? Mulheres Negras e Feminismo. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2020.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

LORDE, Audre. Irmã Outsider: Ensaios e Conferências. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019.

MACHADO, Roberto. “Por uma genealogia do poder”. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 12 ed. Rio de Janeiro: Graal, 1997. p. VII-XXIII.

NOGUEIRA, Nadia. Invenções de Si em Histórias de Amor: Lota & Bishop. Rio de Janeiro: Apicuri, 2008.

PEDRO, Joana Maria. “Militância feminista e academia: sobrevivência e trabalho voluntário”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 16, n. 1, p. 85-92, abr. 2008.

PERES, Milena Cristina Carneiro; SOARES, Suane Felippe; DIAS, Maria Clara. DOSSIÊ sobre Lesbocídios no Brasil, de 2014 até 2017. Rio de Janeiro: Livros Ilimitados Editora, 2018.

RATTS, Alex; RIOS, Flavia. Lélia Gonzalez: Retratos do Brasil Negro. São Paulo: Selo Negro, 2010.

RIBEIRO, Stephanie. “Quem somos: Mulheres Negras no Plural, Nossa Existência é Pedagógica”. In: BUARQUE DE HOLLANDA, Heloisa. Explosão Feminista. Arte, Cultura, Política e Universidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018. p. 261-286.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento; Justificando, 2017. (Coleção Feminismos Plurais)

SCHUMAHER, Schuma; BRAZIL, Érico Vital. Dicionário Mulheres do Brasil. De 1500 até a atualidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

SILVA, Cidinha da. “Feminismo Negro. De onde viemos: Aproximações de uma Memória”. In: BUARQUE DE HOLLANDA, Heloisa. Explosão Feminista. Arte, Cultura, Política e Universidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018. p. 252-260.

Downloads

Publicado

2021-12-10

Edição

Seção

Dossiê Feminismos e Lesbianidades em Movimento: a visibilidade como lugar