A coxa de Júpiter Reflexões sobre os novos modos de procriação

Françoise Héritier

Resumo


Fala-se muito de novos modos de procriação, frutos do progresso da ciência e da
tecnologia, que tornariam necessário inventar modos de filiação; o legislador é intimado a intervir.
Uma leitura antropológica permite duvidar da novidade do problema: para algumas, senão para
todas as situações de fato atuais, correspondem instituições presentes em diversas sociedades.
É sempre afirmada, com relação ao biológico, a primazia da convenção jurídica que funda o
social, e a filiação não é jamais um simples derivado da procriação. Em resumo, se é possível
sofisticar as formas de família, não se pode inventar novos modos de filiação.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.1590/%25x

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Licença Creative Commons
A Revista Estudos Feministas está sob a licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Revista Estudos Feministas, ISSN 1806-9584, Florianópolis, Brasil.