As partieras-chefes da Maternidade Port-Royal de Paris no século XIX: obstetras antes do tempo?

Scarlet Beauvalet-Boutouyrie

Resumo


A Maternidade de Port-Royal, fundada em Paris em 1795, era um estabelecimentomodelo que, além do atendimento às parturientes, possuía um curso para formação de parteiras, sendo uma das poucas escolas a fornecer formação clínica às alunas. O artigo analisa os primeiros cem anos da Maternidade, destacando a atuação das parteiras-chefes como diretoras de ensino e do atendimento às parturientes. Ressalta a situação excepcional das parteiras-chefes, que conseguiram manter a ascendência sobre os parteiros apesar das críticas e da luta pelo poder por eles desencadeada, e da crescente importância que esses profissionais vinham adquirindo no panorama obstétrico e hospitalar do século XIX. Aponta para a necessidade de pesquisa em outras escolas de parteiras francesas e européias para poder avaliar o grau de originalidade dessa experiência


Palavras-chave


Maternidade Port-Royal; parteiras-chefes; curso de parteiras; disputa entre parteiras e médicos

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2002000200010

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Licença Creative Commons
A Revista Estudos Feministas está sob a licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Revista Estudos Feministas, ISSN 1806-9584, Florianópolis, Brasil.