VIVÊNCIAS COTIDIANAS DE PARTEIRAS E ‘EXPERIENTES’ DO TOCANTINS

Benedita Celeste de Moraes Pinto

Resumo


Através dos relatos orais, mediante as lembranças do passado de descendentes de antigos quilombolas, o presente artigo analisa as práticas cotidianas de parteiras, curandeiras e suas descendentes na região do Tocantins, no Pará – norte da Amazônia. Ao lado da assistência ao parto, essas mulheres desempenharam uma série de atividades relacionadas aos processos de curas e manipulação de plantas medicinais, bem como trabalhos para sobrevivência, muitos deles nem sempre considerados em outras regiões e culturas como sendo atividades compatíveis com o sexo feminino. Este artigo contribui, assim, para repensar a importância do estudo das práticas cotidianas para o conhecimento dos diferentes papéis exercidos por mulheres e homens, e também para repensar como se dá a relação entre gêneros, inclusive as formas de dominação em determinada sociedade.


Palavras-chave


parteiras; assistência ao parto; curas; oralidade e gênero na Amazônia

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2002000200013

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Licença Creative Commons
A Revista Estudos Feministas está sob a licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Revista Estudos Feministas, ISSN 1806-9584, Florianópolis, Brasil.