A DEFINIÇÃO DO ACOMPANHANTE NO PARTO: UMA QUESTÃO IDEOLÓGICA?

Autores

  • Sonia Nussenzweig Hotimsky Universidade de São Paulo
  • Augusta Thereza de Alvarenga Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0104-026X2002000200015

Palavras-chave:

acompanhantes no parto, família, relações de gênero

Resumo

Discursos médicos, jurídicos e sanitaristas reconhecem a importância que tem a presença do acompanhante no parto. Porém, a definição dessa personagem varia nos diversos discursos em pauta. Descrevemos padrões de acompanhamento na cena do parto em um serviço de saúde ‘alternativo’ com uma proposta de parto ambulatorial realizado fora do hospital, assistido por obstetrizes, discutindo sua relação com as diferentes formas de sociabilidade, inclusive de relações de gênero, existentes entre as mulheres e os homens de distintas origens sociais que freqüentavam esse serviço. Por fim, discutimos os limites impostos, sobretudo pela legislação estadual de São Paulo e pelo Estatuto da Criança e do Adolescente, ao leque de ‘opções’ de acompanhante(s) elegidas pelas parturientes e aos membros de suas redes de relações.

Downloads

Publicado

2002-01-01

Edição

Seção

Dossiê