TRABALHO FAMILIAR: UMA CATEGORIA ESQUECIDA DE ANÁLISE

Autores

  • Maria Ignez Paulilo Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0104-026X2004000100012

Palavras-chave:

movimentos sociais rurais, gênero, agricultura familiar, feminismo

Resumo

A influência do marxismo na Sociologia do trabalho e no feminismo foi e ainda é muito grande, o que trouxe uma ênfase nos estudos sobre o operariado. Com isso, o campesinato tornou-se um tema de difícil articulação dentro do marxismo e do feminismo. Havia uma crença generalizada de que liberação das mulheres passaria necessariamente por sua independência financeira, fruto da inserção individual no mercado de trabalho. Como ‘encaixar’ aí as mulheres em regime de trabalho familiar? Elas não foram bem ‘encaixadas’, havendo com freqüência um ‘viés urbano’ perpassando as análises do trabalho feminino no campo. O surgimento de vários movimentos de mulheres agricultoras no Brasil colocou em cheque a visão corrente de ‘vítimas’ que se tinha sobre elas, na medida em que estão se impondo como ‘atoras’. Neste momento, porém, os movimentos feministas estão mais voltados para questões de reconhecimento, de identidade, que de redistribuição de renda, propriedades e, o que nos interessa mais, terra. Nosso objetivo neste trabalho é desvelar os preconceitos imbricados na análise do campesinato e trazer de volta questões sobre a condição econômica desigual das mulheres envolvidas na agricultura familiar, cujo acesso à terra se faz quase unicamente pelo casamento. O direito de tomar decisões sobre a própria vida pode ser desvinculado da obtenção de um salário individual, mas não do acesso a uma renda própria.

Downloads

Publicado

2004-01-01

Edição

Seção

Dossiê