Artifício e excesso: narrativa de viagem e a visão sobre as mulheres em Portugal e Brasil

Margareth de Almeida Gonçalves

Resumo


Este artigo analisa as imagens de mulheres brasileiras e portuguesas construídas nos relatos de viajantes ingleses que estiveram em Portugal e no Brasil, nos anos finais do século XVIII e nas primeiras décadas do século XIX. Procura-se explorar como um registro moral, que acentuava crescentemente padrões de comportamento burgueses e que orientou o olhar de viajantes sobre o mundo, interferiu nos comentários e imagens que projetaram do universo lusobrasileiro. A conexão entre o mundo europeu ‘civilizado’ e as regiões marginais ao processo de constituição de uma ordem burguesa capitalista realizada pelos viajantes envolveu, em geral, um duplo processo de enfrentamento e negociação entre valores e concepções de mundo de universos culturais distintos. Assim, os relatos dos viajantes mostram esse espaço de constante remanejamento de sentimentos e de percepções sobre si próprios e os nativos.


Palavras-chave


livros de viagem; gênero; privado-público; educação

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2005000300009

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Licença Creative Commons
A Revista Estudos Feministas está sob a licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Revista Estudos Feministas, ISSN 1806-9584, Florianópolis, Brasil.