Pescadoras: subordinação de gênero e empoderamento

Maria Cristina Maneschy, Deis Siqueira, Maria Luzia Miranda Álvares

Resumo


Cresce o número de estudos abordando o setor pesqueiro sob uma perspectiva degênero, indicando que esse é fundamental para se entender como mulheres e homens participamda pesca e vivenciam os riscos ligados às recentes mudanças do setor. Contudo, políticassetoriais ainda têm dificuldade em incorporar a dimensão de gênero. Este texto evidencia doisargumentos principais. Primeiro, o silêncio sobre a questão feminina articula-se à situação devulnerabilidade, característica de grande parte das comunidades pesqueiras, em países no“norte” e no “sul”. Segundo, movimentos de mulheres pescadoras têm contribuído para questionaro status quo e inscrevê-las em políticas de empoderamento, sobretudo no que toca a espaçose direitos sociais. Ao mesmo tempo, esses movimentos buscam recuperar a capacidade quesistemas locais comunitários de gestão de recursos naturais têm demonstrado de adaptação àcomplexidade socioambiental e de respeito ao protagonismo feminino. O processo deempoderamento não é linear, mas complexo e marcado por contradições.


Palavras-chave


Pescadoras; Gênero; Trabalho; Reconhecimento; Empoderamento

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2012000300007

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Licença Creative Commons
A Revista Estudos Feministas está sob a licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Revista Estudos Feministas, ISSN 1806-9584, Florianópolis, Brasil.