O trabalho na contemporaneidade e suas implicações na subjetividade dos trabalhadores

Adriana Spilki, Maria da Graça Corrêa Jacques, Miriam Scopel, Silvana de Oliveira

Resumo


O objetivo desse ensaio2 teórico é o de examinar as transformações em curso no mundo do trabalho e suas implicações na subjetividade dos trabalhadores. A partir de três recortes ilustrativos, analisa-se as implicações daí derivadas que se expressam nos modos de viver e de adoecer dos trabalhadores. O primeiro recorte ilustrativo versa sobre a influência do modelo de acumulação flexível no processo de saúde/doença em trabalhadores com diagnóstico de Lesões por Esforços Repetitivos/Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho. Um segundo recorte ilustrativo analisa a implantação do modo de gestão da Qualidade Total, preconizado pelo modelo de acumulação flexível em um órgão público do poder judiciário. Por último, examina-se a trajetória das mutações da função de telefonista/teleoperador, considerando-se os “call-centers” como ícones representativos das transformações do trabalho na contemporaneidade. Esses recortes são examinados priorizando as implicações e expressões no processo de saúde/doença mental e seus vínculos como trabalho com base em fundamentos da psicologia social.

 


Palavras-chave


Trabalho; processo saúde/doença; Trabalho e subjetividade

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2178-4582.2009v43n1p165

Direitos autorais 2009 Adriana Spilki, Maria da Graça Corrêa Jacques, Miriam Scopel, Silvana de Oliveira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

R. Ci. Hum. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, ISSNe 2178-4582

Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

 

.