As aplicações da autoconfrontação no exame do trabalho docente

Deivis Perez, Carla Messias

Resumo


Este artigo discute o uso do dispositivo autoconfrontação em investigações sobre o trabalho docente realizadas por pesquisadores da Linguística Aplicada, em particular, pelos estudiosos do grupo de pesquisa Análise de Linguagem, Trabalho Educacional e suas Relações (ALTER) que desenvolveram as suas atividades entre 2003 e 2013, sob a liderança da professora doutora Anna Rachel Machado da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo/PUC-SP. O artigo apresenta a autoconfrontação, suas origens, referências teóricas, fases e movimentos que devem ser seguidos na sua aplicação. Em seguida, buscou-se examinar o uso da autoconfrontação em teses de doutorado e dissertações de mestrado produzidas no contexto do ALTER. Ao final, são apresentadas as limitações na utilização do dispositivo verificadas nas pesquisas do grupo e, também, o seu significativo legado para a Linguística Aplicada e para as Ciências do Trabalho.


Palavras-chave


Metodologia de Pesquisa; Linguística Aplicada; Psicologia do Trabalho; Clínica da Atividade; Trabalho Docente

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRÉ, M. E. D. Estudo de caso em pesquisa e avaliação educacional. Brasília: Liber, 2005. 70 p.

(Doutorado em Letras) - Curso de Pós-Graduação em Letras e Linguística, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria. BORTOLINI, A. S. B. O. agir docente representado na fala de uma professora do sistema de ensino militar. 2014. 205 f.

(Mestrado em Estudos da Linguagem) – Curso de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Londrina, Londrina. BORGHI, C. I. B. A configuração do trabalho real do professor de íngua inglesa em seu próprio dizer. 2006. 137 f.

BRASILEIRO, A. M. M. A. autoconfrontação simples aplicada à formação de docentes em situação de trabalho. SCRIPTA, Belo Horizonte, v. 15, n. 28, p. 205-224, jan./jun. 2011.

(Mestrado em Letras) – Curso de Pós-Graduação em Letras, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte. BRASILEIRO, A. M. M. A. emoção na sala de aula: impactos na interação professor/aluno/objeto de ensino. 2012. 277 f.

(Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem) - Curso de Pós-Graduação em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo. BUZZO, M. G. Os professores diante de um novo trabalho com leitura: modos de fazer semelhantes ou diferentes?. 2008. 197 f.

CAMPOS, V. B.; BORGES, M. F.; ARAÚJO, J. B. Programa de acompanhamento e avaliação da capes: qualidade acadêmica ou controle do estado. Revista Educação e Políticas em Debate. Uberlândia, v. 3, n.1, p. 193-210, jul. 2014.

CLOT, Y. A função psicológica do trabalho. Petrópolis: Vozes, 2006. 221 p.

_____. Trabalho e poder de agir. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2010. 339 p.

_____. O ofício como operador da saúde. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho. vol. 16, n. especial 1, p.1-11, jul. 2013.

CLOT, Y.; FERNÁNDEZ, G. Instrumentos de investigación: entrevistas en auto-confrontación: un método en clínica de la actidad. Laboreal, Porto, vol. 3, n. 1, p. 15-19, jul. 2007.

(Mestrado em Linguística Aplicada) - Curso de Pós-Graduação em Linguística Aplicada, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo. DREY, R. F. Eu nunca me vi, assim, de fora: representações sobre o agir docente através da autoconfrontação. 2008. 168 f.

FAÏTA, D. La conduite du TGV: exercices de styles. Champs visuels, Marseille, n.6, v.2, p. 75-86, jun. 1997.

(Mestrado em Linguística Aplicada) - Curso de Pós-Graduação em Linguística Aplicada, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza. FARIAS, A. L. G. Atividade docente de estagiários de francês: prescrições, gênero e estilo. 2011. 263 f.

(Mestrado em Estudos da Linguagem) - Curso de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Londrina, Londrina. FERNANDEZ, C. M. Manual do professor de coleção de livros didáticos de língua inglesa: autonomia ou subsunção do trabalho docente?. 2009. 213 f.

(Doutorado em Estudos da Linguagem) - Curso de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Londrina, Londrina. FOGAÇA, F. C. Reuniões pedagógicas e autoconfrontações: possíveis espaços de desenvolvimento profissional na escola pública. 2010. 226 f.

HORTA, J. S. B. Avaliação da pós-graduação: com a palavra os coordenadores de programas. Perspectiva, Florianópolis, v. 24, n. 1, p. 19-47, jun. 2006.

(Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem) - Curso de Pós-Graduação em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo. LOUSADA, E. G. Entre o trabalho prescrito e o realizado: um espaço para a emergência do trabalho real do professor. 2006. 333 f.

MACHADO, A. R. O ensino como trabalho: uma abordagem discursiva. Londrina: Eduel, 2004. 325 p.

_____. O agir nos discursos: das concepções teóricas às concepções dos trabalhadores. Campinas: Mercado de Letras, 2008. 208 p.

_____. Linguagem e Educação: O ensino e a aprendizagem de gêneros textuais. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2009. 184 p.

_____. Ensino de gêneros textuais para o desenvolvimento do professor e de seu trabalho. In: SERRANI, S. Letramento, discurso e trabalho docente. Vinhedo: Horizonte, 2010. p. 148-156. 238 p.

_____ . As pesquisas do grupo ALTER-LAEL para a análise do trabalho educacional. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, São Paulo, v. 16, n. 1, p. 35-46, jun. 2013.

ODDONE, I. Ambiente de trabalho: a luta dos trabalhadores pela saúde. São Paulo: Hucitec, 1981. 133 p.

PAIVA, V. L. M. O. Políticas de credenciamento e recredenciamento de professores em programas de pós-graduação em Linguística e em Linguística Aplicada: publish or perish. In: NICOLAIDES, C.; SILVA, K. A.;TÍLIO, R.; HILSDORF, C. (Orgs.) política e políticas linguísticas. Campinas: Pontes Editores, 2013. p. 263-284.

XXX, ANO.

XXX; XXX, ANO a.

XXX; XXX, ANO b.

(Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem) - Curso de Pós-Graduação em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo. RODRIGUES, D. L. D. A autoconfrontação simples e a instrução ao sósia: entre diferenças e semelhanças. 2010. 165 f.

(Doutorado em Linguística) - Curso de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa. RODRIGUES, M. A. N. As (re)configurações sobre o trabalho docente em relatórios de estágio. 2011. 167f.

ROMANOWSKI, J. P.; ENS, R. T. As pesquisas denominadas tipo "estado da arte" em educação. Diálogo Educacional, Curitiba, v. 6, n. 19, p. 37-50, dez. 2006.

(Doutorado em Estudos da Linguagem) - Curso de Pós-Graduação Estudos da Linguagem Faculdade de Letras, Universidade Estadual de Londrina, Londrina. STUTZ, L. Sequências didáticas, socialização de diários e autoconfrontação: instrumentos para a formação inicial de professores de inglês. 2012. 458 f.

TARDIF, M.; LESSARD, C. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005. 317 p.

VIEIRA, M.; FAÏTA, D. Quando os outros olham outros de si mesmo: reflexões metodológicas sobre a autoconfrontação cruzada. Polifonia, Cuiabá, v7, n.1, p. 27-65, 2003.

VIGOTSKI, L. S. O significado histórico da crise da psicologia: uma investigação metodológica. In: VIGOTSKI, L. S. Teoria e método em Psicologia. São Paulo: Martins Fontes, 1927/1996. 524 p.

_____. Psicologia pedagógica. São Paulo: Martins Fontes, 1926/2004. 558 p.




DOI: https://doi.org/10.5007/2178-4582.2016v50n2p492

Direitos autorais 2017 Deivis Perez, Carla Messias

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

R. Ci. Hum. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, ISSNe 2178-4582

Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

 

.