Homens autores de violência contra mulheres: políticas públicas, desafios e intervenções possíveis na América Latina e Portugal

Maria Juracy F. Toneli, Adriano Beiras, Juliana Ried

Resumo


A partir de pesquisas desenvolvidas no contexto da América Latina e Portugal que mapearam programas de atendimento a homens autores de violência contra mulheres, este artigo busca problematizar como homens autores de violência têm sido visibilizados pelas políticas públicas. São iniciativas de entidades não governamentais, em sua grande maioria, que desenvolvem programas para o atendimento ao homem, embora tenha crescido no Brasil intervenções governamentais depois da criação da Lei Maria da Penha. Em Portugal, dos quatro programas visitados, três deles estão vinculados a universidades e outro a um hospital.  Ao esboçar alguns dos enfrentamentos para atender a demanda masculina, o êxito dos programas precisa ser salientado, ao propor atendimentos educativos reflexivos e/ou terapêuticos. Através da elaboração e fortalecimento de políticas públicas e de intervenções que deem visibilidade aos homens autores de violência amplia-se a possibilidade de promover mudanças neste cenário.


Palavras-chave


violência de gênero; programas de atendimento a homens; políticas públicas

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, M. F. Violência e abuso sexual na família, Psicologia em Estudo Maringá: vol.7, n. 2, jul/dez, 2002.

BEIRAS, A. La (de)construcción de subjetividades em um grupo terapêutico para hombres autores de violência em sus relaciones afectivas. 352p. Tese (Doutorado em Psicologia Social) - Departamento de Psicologia Social, Universitat Autónoma de Barcelona. Barcelona, 2012.

BEIRAS, A.; MORAES, M.; ALENCAR-RODRIGUES, R., CANTERA, L. M. Políticas e leis sobre violência de gênero - reflexões críticas. Psicol. Soc., Belo Horizonte, v. 24, n. 1, p. 36-45, Apr. 2012. Disponível em: Acesso em 28 de maio 2016.

BEIRAS, A.; CANTERA, L. M. Feminismo pós-estruturalista e masculinidades: contribuições para a intervenção com homens autores de violência contra mulheres. In: BLAY, E. A. (Org.). Feminismos e masculinidades. Novos caminhos para enfrentar a violência contra a mulher. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014. p. 29-44.

BRASIL. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política nacional de atenção integral à saúde da mulher: princípios e diretrizes. Brasília: Ministério da Saúde, 2004. Disponível em Acesso em 21 de abril 2016.

BRASIL. Presidência da República. Lei 9.099/95. Brasília, 1995. Disponível em Acesso em 21 de abril 2016.

BRASIL. Presidência da República. Lei 13.104/2015. Brasília, 2005. Disponível em Acesso em 19 de abril 2016.

BRASIL. Presidência da República. Lei 11.340/2006. Brasília, 2006. Disponível em Acesso em 21 de abril 2016.

BRASIL. Congresso Nacional. Projeto de Lei nº 4559, de 2004. Brasília, 2004. Disponível em

Acesso em 21 de abril 2016.

BRASIL. Senado Federal. Projeto de Lei do Senado nº 9, de 2016 - Comissão Direitos Humanos e Legislação Participativa. Brasília, 2016. Disponível em Acesso em 21 de abril 2016.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Política Nacional de Enfrentamento à Violência contra Mulheres. Brasília: SNEVM/SPM, 2011. Disponível em Acesso em 21 de abril 2016.

CHAUÍ, M. Participando do debate sobre mulher e violência. In: Perspectivas Antropológicas da Mulher. Rio de Janeiro, RJ: Zahar, 1985. p. 25-62.

DANTAS-BERGER, S. M.; GIFFIN, K. A violência nas relações de conjugalidade: invisibilidade e banalização da violência sexual? Caderno de Saúde Pública, v.21, n. 2, 2005. p. 417- 425.

GREIG, A. Political connections: men, gender and violence, INSTRAW-Working Paper Series on Men’s Roles and Responsibilities in Ending Gender Based Violence (Working Paper, 1). 2001. Disponível em Acesso em 21 de abril 2016.

HEISE, L.; ELLSBERG, M.; GOTTEMOELLER, M. Ending Violence Against Women, Population Reports, v.27, n. 4, 1999. p. 18. Disponível em Acesso em 21 de abril 2016.

LIMA, R. H. G. Violência doméstica: os desafios para o Setor Saúde, In: F. Franco, P. M. C. M. Ribeiro, S. Gryner, (orgs.) A violência começa quando a palavra perde o valor. Rio de Janeiro, RJ: Núcleo de Atenção à Violência (NAV), 2004. p. 29-38.

LIMA D, Buchele F.; CLÍMACO D. Homens, Gênero e Violência Contra a Mulher. Saúde Soc. São Paulo, v.17, n. 2, 2008. p. 69-81.

LIMA, D. C.; BUCHELE, F. Revisão crítica sobre o atendimento a homens autores de violência doméstica e familiar contra as mulheres. Physis, Rio de Janeiro , v. 21, n. 2, p. 721-743, 2011. Disponível em . Acesso em 21 de Abril 2016.

MANITA, C. A Intervenção em Agressores no Contexto da Violência Doméstica em Portugal. Lisboa: SerSilito – Maia, 2005.

ORGANIZAÇÃO PANAMERICANA DE SAÚDE (OPAS). Violencia contra las Mujeres. Hoja Informativa del Programa Mujer, Salud y Desarollo. 2004. Disponível em Acesso em 21 de abril 2016.

PORTUGAL. Diário da República, 1.ª série — N.º 243 — 17 de Dezembro de 2010. Resolução do Conselho de Ministros n.º 100/2010 - IV Plano Nacional Contra Violência Doméstica. 2010. Acesso em Acesso em 21 de abril 2016.

PORTUGAL. Diário da República, 1.ª série — N.º 253 — 31 de dezembro de 2013. Resolução do Conselho de Ministros n.º 102/2013 - V Plano Nacional de Prevenção e Combate à Violência Doméstica e de Género. 2013. Disponível em Acesso em 21 de abril 2015.

RIBEIRO, P. M. C. M. Lidando com violência doméstica. In: FRANCO, F.; RIBEIRO, PAULA M.; GRYNER, S. (orgs.) A violência começa quando a palavra perde o valor. Rio de Janeiro: Núcleo de Atenção à Violência (NAV), 2004. p.11-16.

SAFFIOTI, H. Gênero, Patriarcado e Violência. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2004.

TONELI, M. J. F.; LAGO, M. C. S.; BEIRAS, A.; CLÍMACO, D.A. (Org.). Atendimento a homens autores de violência contra mulheres: experiências latino americanas. Florianópolis: UFSC/CFH/NUPPE, 2010. 248p.




DOI: https://doi.org/10.5007/2178-4582.2017v51n1p174

Direitos autorais 2017 Maria Juracy F. Toneli, Adriano Beiras, Juliana Ried

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

R. Ci. Hum. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, ISSNe 2178-4582

Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

 

.