UNICEF, infância, educação e práticas de proteção de direitos no Brasil

Flávia Cristina Silveira Lemos, Nathália Dourado Frazão Costa, Rafaele Habib Aquime, Mariane Bittencourt Batista Couto, Leandro Passarinho dos Reis Júnior

Resumo


Esse artigo traz uma análise de práticas do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) sobre a educação infantil e a produção do objeto infância, no Brasil, a partir da Constituição de 1988. Resulta de pesquisa de mestrado na área de educação e psicologia escolar, com contribuições históricas e documentais. Aponta rupturas e descreve práticas na política da educação infantil brasileira escolar, a partir da Lei das Diretrizes e Bases da Educação, de 1996. Busca articular as relações entre as propostas do UNICEF, a LDB-1996 e o Estatuto da Criança e do Adolescente de 1990, no panorama do cuidado e da educação de crianças pequenas e os efeitos dessas relações estabelecidas no governo dos corpos para a produção da infância escolar.


Palavras-chave


Educação Infantil; Governo das condutas; Políticas Públicas; UNICEF; Brasil

Texto completo:

PDFA

Referências


Brasil. Presidência da República. Constituição 1988: Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Brasília, DF. Disponível em: .

Brasil. Lei nº 8.069. Estatuto da Criança e do Adolescente. 1990

Brasil. Lei nº 9424. Dispõe sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério. 1996

Brasil. Lei nº 9.394: Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB). 1996

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Subsídios para credenciamento e funcionamento de instituições de educação infantil. Brasília, DF: MEC,1998. v.1-2.

Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CEB n. 01, de 13 de abril de 1999: Institui as diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, p. 18, seção 1. 13 abr. 1999.

Brasil. Lei nº 11.114. Altera os arts. 6o, 30, 32 e 87 da lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, com o objetivo de tornar obrigatório o início do ensino fundamental aos seis anos de idade. 2005.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Política Nacional de Educação Infantil: pelo direito das crianças de zero a seis anos à educação. Brasília, DF: MEC,2006.

Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parâmetros Nacionais de Qualidade para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEB, 2006b.

Brasil. Emenda Constitucional Nº 53 . Dá nova redação aos arts. 7º, 23, 30, 206, 208, 211 e 212 da Constituição Federal e ao art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. 2006c.

Brasil. Lei nº 11.494. Regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação - FUNDEB. 2007.

Brasil. Emenda Constitucional Nº 59. (...) dá nova redação aos incisos I e VII do art. 208 da Constituição Federal, de forma a prever a obrigatoriedade do ensino de quatro a dezessete anos e ampliar a abrangência dos programas suplementares para todas as etapas da educação básica. 2009.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil /Secretaria de Educação Básica. – Brasília: MEC, SEB, 2010.

Azevedo, F. A educação entre dois mundos: problemas, perspectivas e orientações. São Paulo: Melhoramentos, 1958.

Campos, M. M. ; Rosemberg, F.; Ferreira, I.M Creches e pré-escolas no Brasil. 2ª ed. – São Paulo: Cortez, 1995.

Gadelha, S. Biopolítica, governamentalidade e educação: introdução e conexões, a partir de Michel Foucault. – Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.

Kramer, S. A política do pré-escolar no Brasil - A arte do disfarce. São Paulo: Cortez, 1995.

Kramer, S. As crianças de 0 a 6 anos nas políticas educacionais no Brasil: educação infantil e/é fundamental. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v27n96/a09v2796.pdf Acessado em 16/03/2012.

Kuhlman Junior, M. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. – Porto Alegre: Mediação, 1998.

Rosemberg, F. Organizações Multilaterais, Estado e Políticas de Educação Infantil. Revista Cadernos de Pesquisa (115), (p. 25-63), 2002.

Rosemberg, F. Panorama da educação infantil brasileira contemporânea. In: Simpósio Educação Infantil: construindo o presente. Anais. – Brasília: UNESCO Brasil, 2003.

Santomé, J.T. A educação em tempos de neoliberalismo. – Porto Alegre: Artmed, 2003.

Scheinvar, E. & Kesia. Educação infantil: direito, controle e práticas libertárias. In: Mnemosine Vol.8, nº2, (p. 203-224), 2012.

Silva et al. Contradições e Ambiguidades do Currículo e das Políticas Educacionais Contemporâneas - Entrevista com Michael Apple. 2012. Disponível em: Acessado em 09/12/ 2012.

Unicef, Situação Mundial da Infância 2012 - Crianças em um Mundo Urbano. 2012. Disponível em: Acessado em 20/08/2012.

Unicef, Situação Mundial da Infância 2008 – Sobrevivência infantil. 2008. Disponível em: Acessado em 20/08/2012.

Veríssimo, J. A Educação Nacional. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1985.




DOI: http://dx.doi.org/10.5007/2178-4582.2017v51n2p388

Direitos autorais 2017 Flávia Cristina Silveira Lemos, Nathália Dourado Frazão Costa, Rafaele Habib Aquime, Mariane Bittencourt Batista Couto, Leandro Passarinho dos Reis Júnior

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

R. Ci. Hum. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, ISSNe 2178-4582

Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

 

.