Análise dos repertórios comportamentais de crianças em função do gênero e da faixa etária

Sheyla Christine Santos Fernandes, Jessica Prazeres Ballesteros Moura, Mirella Rodrigues Nobre, Tatiany Alves de Melo

Resumo


Crianças passam por construções sociais desde o nascimento que interferem de forma global no desenvolvimento. É comum seu agrupamento em categorias pré-estabelecidas socialmente, sendo uma delas o sexo, o que pode reforçar preconceitos e estereótipos de gênero. A presente pesquisa objetivou analisar os repertórios de comportamento em função do gênero e da faixa etária. Participaram do estudo 40 crianças, de 5 a 10 anos (média=7,68; DP=1,53), submetidas a uma manipulação experimental e subsequente inquérito sobre favoritismo grupal. Os resultados demonstraram que meninos acima de 7 anos não apresentaram favoritismo endogrupal, e os demais apresentaram aumento dos níveis de favoritismo endogrupal na ausência da norma social aplicada. As meninas, independente da idade e da condição favoreceram o próprio grupo ou apresentaram distribuições igualitárias. A internalização das normas sociais e a capacidade de geri-las em função de um contexto é uma possível responsável pela manifestação do favoritismo endogrupal. 


Palavras-chave


Crianças; Normas sociais; Favoritismo grupal; Gênero

Texto completo:

PDFA

Referências


ABOUD, F.E. Children and prejudice. Oxford: Brasil Blackwell. 1988.

ABOUD, F.; MENDELSON, M. Determinants of friendship selection and quality: Developmental perspectives. In: W. BUKOWSKI; A. NEWCOMB; W. HARTUP (eds.), The company they keep: Friendship in childhood and adolescence. Cambridge, University Press, p. 87-112, 1996.

BANDEIRA, C. M. 2009. 69 f. Tese (Mestrado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul. 2009.

CARVALHO, A.M.A; PEDROSA, M.I. Cultura no grupo de brinquedo. Estudos de Psicologia. Natal, 7(1), 181-188, 2002.

CRISTOVAM, M. A. S. et al. Atos de bullying entre adolescentes em colégio público de Cascavel. Adolescência & Saúde, Rio de Janeiro, v. 7, n. 4, p. 46-54, out/dez 2010.

DURKIN, K. Developmental social psychology: From infancy to old age. Blackwell, p. 776, 1995.

FRANÇA, D. X.; MONTEIRO, M. B. A expressão das formas indirectas de racismo na infância. Análise Psicológica, 4, p. 705-720, 2004.

LEME, M. I. S. Resolução de conflitos interpessoais: interações entre cognição e afetividade na cultura. Psicologia Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v.17, n. 3, p. 367-380, 2004.

LISBOA, C.; BRAGA, L. L.; EBERT, G. O fenômeno bullying ou vitimização entre pares na atualidade: definições, formas de manifestação e possibilidades de intervenção. Contextos Clínicos, São Leopoldo , v. 2, n. 1, jun. 2009 .

MALTA, D. C. et al. Bullying em escolares brasileiros: análise da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE 2012). Revista BRAS EPIDEMIOL SUPPL Pense. p. 92-105, 2012.

NERY, L. B.. Estereótipos de gênero: o efeito da exposição à mídia filme sobre brincadeiras de crianças. 2012.

NESDALE, D. Social identity and ethnic prejudice in children. Psychology and society, p. 92-110, 1999.

PAPALIA, D. E.; OLDS, S.W.; FELDMAN, R. D., Desenvolvimento humano, Porto Alegre, 8ª edição, 2006.

SANTOS, P. J. & SOUZA, E.Q. Práticas sexistas na educação infantil: uma questão de gênero. Enciclopédia biosfera, Centro Científico Conhecer, Goiânia, v.6, n.11. 2010.

SEGREDO, N.C. Agresión entre pares (Bullying) en un centro educativo de Montevideo: estudio de las frecuencias de los estudiantes de mayor riesgo. Revista Medica Del Uruguay. Montevideo, v.22, p.143-151,2006.

SENA, S. S.; SOUZA, L. K. Amizade, infância e TDAH. Contextos Clínicos, São Leopoldo, v. 3, n. 1, jun. 2010.

SISTO, F. F. Aceitação–rejeição para estudar a agressividade nas escolas. Psicologia e Estudos, v. 10, n. 1, p. 117-125, 2005.

SISTO, F.F.; OLIVEIRA, A.F. Traços de personalidade e agressividade: um estudo de evidência de validade. PSIC - Revista de Psicologia Vetor Editora, São Paulo, v. 8, n.1, p. 89-99, Jan./Jun 2007.

SOUZA, F.; RODRIGUES, M. M. P. A segregação sexual na interação de crianças de 8 e 9 anos. Psicologia Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 15, n. 3, p. 489-496, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.5007/2178-4582.2017v51n2p405

Direitos autorais 2017 Sheyla Christine Santos Fernandes, Jessica Prazeres Ballesteros Moura, Mirella Rodrigues Nobre, Tatiany Alves de Melo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

R. Ci. Hum. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, ISSNe 2178-4582

Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

 

.