Administração do terceiro setor: desafios enfrentados na gestão de ONG LGBT

Autores

  • Samira Loreto Edilberto Pompeu Programa de pós-graduação em Administração de empresas, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ https://orcid.org/0000-0003-1305-043X
  • Ricardo Henry Dias Rohm Friedrich-Alexander-Universität Erlangen-Nürnberg e Programa de Estudos e Pesquisas em Desenvolvimento Humano e Formação de Lideranças da Universidade Federal do Rio de Janeiro https://orcid.org/0000-0003-4676-0016

DOI:

https://doi.org/10.5007/2178-4582.2018.e39381

Palavras-chave:

Terceiro setor, ONG, LGBT, Homofobia

Resumo

As organizações não-governamentais se destacam pela atuação na solução de problemas sociais que não têm sido bem resolvidos nem pelo Estado tampouco pelo mercado. Tendo em vista que um de tais problemas sociais é a homofobia, refletida em falta de segurança pública, carência de políticas para saúde, educação, demanda por direitos para a população LGBT, a presente pesquisa foi delimitada para o caso de duas ONG LGBT situadas no Rio de Janeiro. O estudo objetivou identificar as principais dificuldades encontradas na gestão dessas ONG, mais especificamente, analisar de que forma a homofobia presente na sociedade poderia interferir nos projetos e ações de tais organizações mediante o método do estudo de caso. Foram identificados problemas ligados, principalmente, à dificuldade de captação de recursos financeiros, mas também à qualificação do pessoal, sobrecarga de tarefas e obstáculos para promoção de eventos de combate à homofobia limitando a potência de atuação dessas ONG.

Biografia do Autor

Samira Loreto Edilberto Pompeu, Programa de pós-graduação em Administração de empresas, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

 

Ricardo Henry Dias Rohm, Friedrich-Alexander-Universität Erlangen-Nürnberg e Programa de Estudos e Pesquisas em Desenvolvimento Humano e Formação de Lideranças da Universidade Federal do Rio de Janeiro

 

Referências

ANDRADE, M. A. M.; GOSLING, M.; XAVIER, W. A. Por trás do discurso socialmente responsável da siderurgia mineira. Revista Produção. São Paulo, v. 20, n.3, p.418-428, 2010.

ASSUMPÇÃO, J. J.; CAMPOS, M. S. Avaliação de projetos sociais em ONGs da Grande Florianópolis: um estudo sobre modelos relacionados ao foco de atuação. Revista de Administração Pública, v. 45, n.1, p.209-242, 2011.

BORRILLO, D. Homofobia. Espanha: Bellaterra, 2001, 144p.

CALEGARE, M. G. A. e SILVA Jr., N. A “construção” do terceiro setor no Brasil: da questão social à organizacional. Revista psicologia política, v.9, n.17, p. 129-148, 2009.

CARVALHO, O.; MEDEIROS, J. Racionalidades subjacentes às ações de responsabilidade social corporativa. Organizações & Sociedade, v. 20, n. 64, p. 17-36, 2013.

CHANLAT, J. F. Por uma antropologia da condição humana nas organizações. In: CHANLAT, J. F. (Org.). O indivíduo nas organizações: dimensões esquecidas. São Paulo: Atlas, 1996. V. 1, p. 21-45.

FLEURY, M. T. L. Gerenciando a Diversidade Cultural: Experiência de Empresas Brasileiras. Revista de Administração de Empresas, v. 40, n. 3, p. 18-25, 2000.

FISCHER, R. M.; FALCONER, A. P. Desafios da parceria governo terceiro setor. Revista de Administração USP, v. 33, n. 1, p. 12-19, 1998.

GAI. Doações – ajude a manter as atividades do grupo arco-íris de cidadania LGBT. Disponível em: http://grupoarcoiris-rj.blogspot.com.br/p/contribua.html. Acesso em: 31/05/2015a.

GAI. Grupo arco-íris depois de 22 anos de atuação fechará as portas. Disponível em: http://www.arco-iris.org.br/destaques/grupo-arco-iris-depois-de-22-anos-de-atuacao-fechara-as-portas-4/ Acesso em: 14/06/2015b.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social.5. ed. São Paulo: Atlas, 1999, 206p.

GOLDENBEG, M. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. 4ª ed. Rio de Janeiro: Record, 2000, 107p.

GGB. Grupo Gay da Bahia. Disponível em: http://www.ggb.org.br. Acesso em: 01/05/2014.

GGB. Grupo Gay da Bahia. Assassinato de homossexuais (LGBT) no Brasil: relatório 2014/2015. Disponível em: https://homofobiamata.files.wordpress.com/2015/01/relatc3b3rio-2014.pdf Acesso em: 08 de março de 2015.

JÚNIOR, I. B. O.; MAIO, E. R. Kit gay: ‘dá pra continuar discutindo esse assunto? Revista latino-americana de geografia e gênero, v. 5, n. 1, p. 208-227, 2014.

MARTONE, L. M. C.; GIL, A. C. Desafios à gestão de ONGs: OSCIPS do grande ABC. In: Anais… III SEGET, Rio de Janeiro, 2006.

MELLO, L.; AVELAR, R. B.; BRITO, W. Políticas públicas de segurança para a população LGBT no Brasil. Revista de estudos feministas, n. 22, v. 1, 297-320, 2014.

MONTAÑO, C. Terceiro Setor e questão social: crítica ao padrão emergente de intervenção social. São Paulo: Cortez, 2003, 288p.

MOREIRA, J. Fala do Presidente. Grupo Arco-Íris: cidadania LGBT. Disponível em: <http://www.arco-iris.org.br/o-grupo/>. Acesso em: 21/11/2014.

MOTT, L. Por que os homossexuais são os mais odiados dentre todas as minorias? Palestra preparada para o Seminário Gênero & Cidadania: Tolerância e Distribuição da Justiça. Núcleo de Estudos de Gênero - Pagu, Unicamp, 2000.

ROCHE, C. Avaliação de impacto dos trabalhos de ONGs: aprendendo a valorizar as mudanças. 2 ed. São Paulo: Cortez; ABONG, Oxford, Inglaterra, 2002.

ROHM, R. H. D. A matriz sócio-política brasileira e as organizações não-governamentais: cartografias do devir. 110p. Dissertação (Mestrado em Administração Pública), EBAP/ FGV, 1996.

SIQUEIRA, M; ZAULI-FELLOWS, A. Diversidade e identidade gay nas organizações. GESTÃO. Org., v. 4, n.3, 2006.

SILVA, C. E. G. Gestão, legislação e fontes de recursos no terceiro setor brasileiro: uma perspectiva histórica. Revista de Administração Pública, v. 44, p. 1301-1325, 2010.

SOARES, G. M. P. Responsabilidade social corporativa: por uma boa causa? Revista de Administração de Empresas, v. 3, n. 2, 2004.

TEIXEIRA, R. F. Discutindo o terceiro setor sob o enfoque de concepções tradicionais e inovadores de administração. Caderno de pesquisas em administração, v. 11, n. 1, p. 1-15, 2004.

VERGARA, S. C.; FERREIRA, V. C. P. A representação social de ONGs Segundo formadores de opinião do município do Rio de Janeiro. Revista de Administração Pública, v. 39, n. 5, p. 1137-1159, 2005.

Downloads

Publicado

2018-12-31

Edição

Seção

Artigos