Trabalho, tempo livre e aposentadoria: categorias coexistentes dentro do processo de envelhecimento

Lorena Ibiapina Gurgel, Adriana de Alencar Gomes Pinheiro, Kalyana Cristina Fernandes Queiroz, Francisco Welligton Sousa Babosa Júnior, José Clerton Oliveira Martins

Resumo


Trabalho e aposentadoria são temas recorrentes no cenário das pesquisas no Brasil, notadamente devido à elevação da expectativa de vida, que possibilitou aos indivíduos um tempo logo após a aposentadoria que necessita ser visto, compreendido e explorado. Este artigo objetiva discutir sobre três categorias que envolvem o idoso no séc. XXI - Trabalho, Tempo Livre e Aposentadoria – mediante desenvolvimento de pesquisa de natureza bibliográfica em livros e artigos correlatos ao assunto. Obteve-se que o trabalho pode ser compreendido de forma positiva e negativa e que a maneira como o idoso vive reflete em uma aposentadoria com significados agradáveis ou desagradáveis - tempo livre que alguns até desejam, enquanto outros temem, pelo sentimento de inutilidade e abandono que suscita. Conclui-se que o estar aposentado no séc. XXI envolve uma gama de interpretações e o simbolismo individual desse tempo de forma peculiar, influenciado pela sua história de vida.

 


Palavras-chave


Aposentadoria; Tempo livre; Trabalho; Idoso

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, R. Adeus ao trabalho?: Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 4. ed.. Campinas: Cortez, 1997.

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. 6. ed. São Paulo: Boitempo, 2002.

AQUINO, C. A. B. de. O tempo como elemento central de análise da relação entre Ócio e Trabalho na Modernidade. In: Ócio para viver no século XXI. Fortaleza: As Musas. 2008. p. 125-143.

AQUINO, C.; MARTINS, J. Ócio, Lazer e Tempo Livre na Sociedade do Consumo e do Trabalho. Revista Mal Estar e Subjetividade, Fortaleza, v. 2, p. 479-500, 2007.

ARAÚJO FILHO, G. F. Empreendedorismo Criativo: a nova dimensão da empregabilidade. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2007.

BERIAIN, J. (1997). El Triunfo del Tiempo: Representações Culturais de Temporalidades Sociais. Revista Política y Sociedad, n. 25. 1997.p.101-118. Madrid.

BOSI, E. Memória e Sociedade: Lembranças de velhos. 3. ed. São Paulo: Cia das Letras, 1994.

BOULLÓN, Roberto; MOLINA, E. Sergio; WOOG, Manuel Rodriguez. Um Novo Tempo Livre: três enfoques teórico-práticos. Bauru, SP: EDUSC, 2004.

BRUNS, M. A. de T.; ABREU, A. S. O envelhecimento: encantos e desencantos da aposentadoria. Revista da ABOP, v. 1, n. 1, p. 5-33, 1997.

CALDAS, Célia Pereira. A produção social da velhice. Rio de Janeiro: UERJ/IMS, 1992. (Série Estudos em Saúde Coletiva, 29)

CÁRCEL, J A. R; BERIAIN, J. Aceleración y tiranía del presente: la metamorfosis en las estructuras temporales de la modernidad. Política y Sociedad, Vol. 46, p. 305-307, 2009.

CODO, W. Um diagnóstico do trabalho (em busca do prazer). In: TAMAYO, A. J.; ANDRADE, J. E. B.; CODO, W. (org). Trabalho, organizações e cultura São Paulo: Cooperativa de Autores Associados, 1996. p. 21-40.

CSIKSZENTMIHALYI, M. Fluir: a Psicologia da experiência óptima: medidas para melhorar a qualidade de vida. Tradução de Marta Amado. Local: Imago, 2002.

DANIEL, C., ; SOUZA, M. (2006). Modos de subjetivar e de configurar o sofrimento: depressão e modernidade. Psicologia em Revista, 12(20), 117-130.

DE MASI, Domenico. Criatividade e grupos criativos. Rio de Janeiro: Sextante, 2003.

DEBERT, Guita Grin. Envelhecimento e representações sobre a velhice. Ciência Hoje, SPBC, v. 8, n. 44, 2004.

ELIAS, N. Sobre o tempo. Rio de Janeiro. Jorge Zahar, 1998.

FRANÇA, L. H.,;VAUGHAN, G. (2008). Ganhos e perdas na aposentadoria: percepção dos executivos brasileiros e neozelandeses. Psicologia em Estudo, 13(2), 207-216.

FREITAS, M da S. (2011). O tempo livre dos idosos do Conselho de Oliveira do Bairro. Dissertação de Mestrado da faculdade de ciências do desporto e educação física da universidade de Coimbra, Portugal.

GEIS, P. P. Atividades criativas e recursos práticos. Porto Alegre: Artmed, 2003.

GONÇALVES, R. de C. A trajetória laboral de homens e mulheres no processo de desligamento das relações de trabalho pela aposentadoria. 2006. 129 f. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

HONÓRIO, E. Ócio, Trabalho e Saúde: uma relação de interdependência. In: CABEZA, Manuel Cuenca; MARTINS, J. Clerton (org.). Ócio para viver no século XXI. Fortaleza, CE: As musas, 2008. p. 145-158.

LEITE, R. C. B. O. O idoso dependente em domicílio. 1995. Xxx p. Tese (Doutorado em Enfermagem) - Escola de Enfermagem, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 1995.

LEÓN, L. M. Pensando na qualidade de vida ao aposentar. In: GUIMARÃES, L. A. M.; GRUBITS, S. (org.). Saúde Mental e Trabalho. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2000. p. 95-105.

MARTINS, José Clerton de Oliveira. O tempo de trabalho na experiência do profeta da chuva. In: MARTINS, K. P. H. Profetas da chuva. Fortaleza, Ce: Tempo Dimagem, 2006. p. 156-160.

MARTINS, José Clerton de Oliveira. Educação para o ócio no trabalho: potencializando sujeitos para a vida. In: AUTOR, (org.). Ócio para viver no século XXI. Fortaleza: As Musas, 2008. p. 219- 248.

MARX, K. O capital. vol. 3. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1974.

MARX, K. Grundrisse: manuscritos econômicos de 1857-1858: esboços da crítica da economia política. Tradução de Mário Duayer e Nélio Schneider. Rio de Janeiro: Boitempo. 2011.

MARX, K. O processo de trabalho e o processo de produzir mais valia. In: MARX, K. O Capital: Crítica da Economia Política. Tradução por Regis Barbosa e Flávio R. Kothe. Os Economistas. Capítulo V. São Paulo: Abril Cultural, 1983. (Volume II).

MOURÃO, L.; ANDRADE, J. E. B. Significado do trabalho, caminhos percorridos e sinalização de tendências. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS

PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO (ANPAD), 25., 2001, Salvador/BA. Anais...Salvador/BA: ANPAD, 2001. p. 306.

MUNNÉ, F. Psicosociologia del tiempo libre: Um enfoque crítico. México, DF, 1980. Trilhas.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. (1984). The use of epidemiology in the study of the elderly Geneva : OMS. ( Technical Reports Series, 706).

PATARRA, Neide. Transição demográfica, novas evidências, velhos desafios. Revista Brasileira de Estudos Populacionais, Campinas, v. 11, n. 1, p. 27-37, 1994.

PERES, M. A. C. Velhice, trabalho e cidadania: as políticas da terceira idade e a resistência dos trabalhadores idosos à exclusão social. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

RAMOS, L. R.; VERAS, R. P.; KALACHE, A. (1987). Envelhecimento populacional: uma realidade brasileira. Rev. Saúde públ., São Paulo, v. 21, p. 211-224.

RIOS, A. M. G.; PONTES, M. I. M. Envelhecimento da mulher: modelos na natureza. In: CORTE, B.; MERCADANTE, E. F.; ARCURI, I. G. (org.). Envelhecimento e velhice: um guia para a vida. São Paulo: Vetor, 2006. (Gerontologia, v. 2)

SALIS, Viktor D. Ócio criador, trabalho e saúde. São Paulo: Claridade, 2004.

SANTOS, M. F. S. Velhice, uma nova questão social. São Paulo: SESC, 1982.

SANTOS, M. F. S. Identidade e Aposentadoria. São Paulo: EPU, 1990.

SENNETT, R. O artífice. Tradução de Clóvis Marques. Rio de Janeiro: Record, 2009.

SILVA, J. C. (2003). Velhos ou idosos. A terceira idade, São Paulo, v. 14, n. 26, p. 94-111. jan.

SOARES, D. H. P.; SESTREN, G. Projeto profissional: o redimensionamento da carreira em tempos de privatização. Psicologia & Sociedade, v. 19, p. 66-74, 2007.

SOARES, D. H. P.; COSTA, A.; ROSA, A. M.; OLIVEIRA, M. L. Aposenta-ação: programa de preparação para a aposentadoria. Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento, v. 13, p. 123-134, 2007.

SOUSA, Jenny Gil; BAPTISTA, Maria Manuel. Ócio e tempo livre na idade adulta avançada: as práticas de animação sociocultural como estratégias de resiliência. In. M. M. Baptista, & J. C. Martins (orgs.). O Ócio nas culturas contemporâneas: teorias e novas perspectivas em investigação. Coimbra: Grácio editor, 2013. p. 219- 232.

VERAS, R. P. et al. Crescimento da população idosa no Brasil: transformações e conseqüências na sociedade. Rev. Saúde públ., São Paulo, v. 21, p. 225-233, 1987.

WHITROW, G. J. O que é tempo? Uma visão clássica sobre a natureza do tempo. G.J. Whitrow com introdução de J. T. Fraser e M. P. Soulsby: tradução Maria Ignez Duque estrada. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

ZANELLI, J.C.; SILVA, N. Programa de Preparação para a Aposentadoria. Florianópolis: Insular, 1996.




DOI: https://doi.org/10.5007/2178-4582.2018.e40310

Direitos autorais 2018 Lorena Ibiapina Gurgel, Kalyana Cristina Fernandes Queiroz, Adriana Alencar Gomes Pinheiro, Francisco Welligton Sousa Babosa Júnior, José Clerton Oliveira Martins

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

R. Ci. Hum. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, ISSNe 2178-4582

Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

 

.