Psicólogo na Assistência Social: O lugar do homem e diálogos epistemológicos feministas na prática profissional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2178-4582.2018.e56983

Palavras-chave:

Teorias feministas, Masculinidades, Política pública de assistência social

Resumo

Traduzir a experiência de  corpos cisnormativos masculinos, categorizados como homens, na participação de lugares reconhecidos como femininos, Política Pública de Assistência Social, e feministas, Teorias Feministas Pós-estruturalistas, é o objetivo que nos propomos alcançar. Partimos da compreensão de que a experiência, história encenada pela linguagem, produz o sujeito e não algo que o sujeito tenha como propriedade ou que seja anterior a ele. Assim, relatamos nossos percursos nas teorias feministas e a contribuição destas na construção de nossas práticas no Sistema Único de Assistência Social, por meio de três perguntas: Quem somos? De onde víemos? Para onde vamos? Com elas, concluímos que, justamente por sermos homens, precisamos denunciar os privilégios para construir pontes para mudanças e não abismos para a manutenção, rompendo com a generalização da categoria homem, explicitando que estamos em um lugar de homem generificado, produzido pelas normas de gênero, mas que buscamos a desestabilização deste lugar.

Biografia do Autor

David Tiago Cardoso, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC

Mestre em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), na área de Práticas Culturais e Processos de Subjetivação, estudante pesquisador no grupo de pesquisa MARGENS: modos de vida, família e relações de gênero. Possui graduação em Psicologia pela Universidade do Vale do Itajaí (2006). Atualmente é psicólogo no Sistema Único de Assistência Social da Prefeitura Municipal de Balneário Camboriú, SC.

Adriano Beiras, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC

Professor do Programa de Pós-graduação e do  Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Coordenador do Curso de Psicologia/UFSCDoutor Europeu em Psicologia Social (UAB - España), Becas MAEC-AECIDEstágios de Pós-doutorado (UFSC bolsa PDJ - CNPq, Universidad de Granada -UGr-España, University of Brighton-UK). Pesquisador (Margens-UFSC, Brasil, VIPAT-UAB, España)Editor Revista Nova Perspectiva Sistêmica (www.revistanps.com.br)

Referências

ANDRADE, Laura Freire de; ROMAGNOLI, Roberta Carvalho. O Psicólogo no CRAS: uma cartografia dos territórios subjetivos. Psicologia Ciência e Profissão, 30 (3), p. 604-619, 2010.

BEIRAS, Adriano. Experiencias internacionales y españolas de intervención con hombres para el cambio de las relaciones de género. In: FREIXANET MATEO, Maria (Ed.). Homes i gènere. Polítiques locals i la transformació de les masculinitats. Barcelona: ICPS, 2013. p.173-209.

BEIRAS, Adriano. Relatório Mapeamento de Serviços de atenção grupal a homens autores de violência contra mulheres no contexto brasileiro. Rio de Janeiro: Instituto Noos, 2014. Disponível em: http://noos.org.br/portal/wp-content/uploads/2015/04/Relatorio-Mapeamento-SHAV_site.pdf

BEIRAS, Adriano; NUERNBERG, Adriano H.; ADRIÃO, Karla G. Estudos de gênero na Psicologia Brasileira – perspectivas e atuações da terceira geração. Athenea Digital. 12 (3), p. 203-216, 2012. Disponível em: http://atheneadigital.net/article/view/Beiras

BEIRAS, Adriano; BENVENUTTI, Mateus P.; TONELI, Maria Juracy. Os feminismos como ferramentas teóticas e epistemológicas no trabalho com homens autores de violência contra mulheres: reflexões e debates no contexto brasileiro e espanhol. PUC-RS. No prelo.

BORGES, Lenise S. Feminismos, teoria queer e psicologia social crítica: (re)contando histórias... Psicologia & Sociedade, 26(2), p. 280-289, 2014.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Centro Gráfico do Senado Federal, 1988.

BRASIL. Presidência da República. Lei Orgânica da Assistência Social, n. 8.742, de 7 de setembro de 1993.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome. Política Nacional de Assistência Social PNAS/2004. Brasília: MDS, 2005.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome. Orientações Técnicas: Centro de Referência de Assistência Social – CRAS. 1. ed. – Brasília: MDS, 2009.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome. Orientações Técnicas: Centro de Referência Especializado de Assistência Social – CREAS. Brasília: Gráfica e Editora Brasil LTDA, 2011.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome. Orientações Técnicas sobre o Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família – PAIF – volume 2: Trabalho Social com Famílias. Brasília: MDS, 2012;

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome. Fundamentos ético-políticos e rumos teórico-metodológicos para fortalecer o Trabalho Social com Famílias na Política Nacional de Assistência Social. Brasilia: MDS, 2016.

BUTLER, Judith. Fundamentos Contingentes: O feminismo e a questão do “pós-modernismo”. Cadernos Pagu, 11, p. 11-42. 1998. Disponível em: http://www.ieg.ufsc.br/admin/downloads/artigos/Pagu/1998%2811%29/Butler.pdf

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

CHAGOYA, Melissa Fernández. Tendencias discursivas en el activismo de varones profeministas en México: algunas provocaciones a propósito del “cambio” en los hombres. Conexões Psi, v.2, n. 1, p.31-56, 2014. Disponível em http://apl.unisuam.edu.br/revistas/index.php/conexoespsi/article/view/324

CONNELL, Robert; MESSERSCHMIDT, James. Masculinidade hegemônica: repensando o conceito. Revista Estudos Feministas, 21(1), p. 241-282, 2013.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas - CREPOP. Referências Técnicas para atuação do/a psicólogo/a no CRAS/SUAS. Brasília: CFP, 2007.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas – CREPOP. Referência Técnica para Atuação de Psicólogas(os) em Programas de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto. Brasília: CFP, 2012.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Referências Técnicas sobre a Prática de Psicólogas (os) no Centro de Referência Especializado da Assistência Social – CREAS. Brasília: CFP, 2013.

FLOOD, Michael. Involving men in efforts to end violence against women. Men and Masculinities, 14 (3), p. 358-377, 2011.

GERGEN, Kenneth J.; GERGEN, Mary. Construcionismo social: um convite ao diálogo. Rio de Janeiro: Instituto Noos, 2010.

HARDING, Sandra. ¿Existe un método feminista?. 1998. Disponível em: http://investiga.uned.ac.cr/cicde/images/documentos/metodo.pdf

HARAWAY, Donna. Saberes Localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, 5, 7-41. 1995. Disponível em: http://www.ieg.ufsc.br/admin/downloads/artigos/31102009-083336haraway.pdf

LAGO, Mara Coelho de S.; RAMOS, Maria Eduarda; BRAGAGNOLO, Regina Ingrid. Enfrentamento da violência doméstica e familiar na legislação brasileira: Lei Maria da Penha. In: TONELI, Maria Juracy F. et al. (Orgs.). Atendimento a homens autores de violência contra as mulheres: experiências latino americanas. Florianópolis: UFSC/CHF/NUPPE, 2010. p. 28-48.

MOSCHETA, Murilo dos Santos. A pós-modernidade e o contexto para a emergência do discurso construcionista social. In: GUANAES-LORENZI, Carla. et. al. (Orgs.). Construcionismo social: discurso, prática e produção de conhecimento. Rio de Janeiro: Instituto Noos, 2014.

MORENO, Sara Yaneth Fernández. Varones y masculinidades en clave feminista: trascendiendo invisibilidades, ausencias y omisiones. Sexualidad, Salud y Sociedad (Rio de Janeiro), 22, p. 249-277, 2016. Disponível em: https://dx.doi.org/10.1590/1984-6487.sess.2016.22.11.a

NOGUEIRA, Maria Conceição. Contribuições do Construcionismo Social a uma nova Psicologia do Gênero. Cadernos de Pesquisa, 112, p. 137-153, 2001.

NOGUEIRA, Maria Conceição. A Teoria da Interseccionalidade nos estudos de género e sexualidades: condições de produção de "novas possibilidades" no projeto de uma psicologia feminista crítica. In: BRIZOLA, Ana Lídia C.; ZANELLA, Andrea V.; GESSER, Marivete. (orgs.) Práticas sociais, políticas públicas e direitos humanos. Florianópolis: Editora ABRAPSO, 2013. p. 227-248.

NÚÑEZ NORIEGA, Guillermo. Los “hombres” en los estudios de género de los “hombres”: un reto desde los estudios queer. In: RAMÍREZ RODRÍGUEZ, Juan; URIBE VÁZQUEZ, Griselda (Coords.), Masculinidades, el juego de género de los hombres en el que participan las mujeres. México: Plaza y Valdés, 2008. p. 43-57.

PRECIADO, Beatriz. Multidões queer: notas para uma política dos “anormais”. Estudos Feministas, 19(1), p. 11-20, 2011.

ROMAGNOLI, Roberta Carvalho. Relações macropolíticas e micropolíticas no cotidiano do CRAS. Psicologia & Sociedade, 28 (1), p. 151-161, 2016.

SANTOS, Luane Neves. As psicólogas no SUAS: mobilizando recursos para uma atuação com compromisso social. Revista Psicologia, Diversidade e Saúde, 4(1), p. 40-49, 2015.

SCOTT, Joan W. A invisibilidade da experiência. Projeto História, nº 16, fev., p. 297 325, 1998.

XIMENES, Verônica Morais; PAULA, Luana Rêgo Colares de; BARROS, João Paulo Pereira. Psicologia Comunitária e Política de Assistência Social: diálogos sobre atuações em comunidades. Psicologia Ciência e Profissão, 29 (4), p. 686-699, 2009.

YAZBEK, Maria Carmelita. et al. O Sistema Único de Assistência Social em São Paulo e Minas Gerais: desafios e perspectivas de uma realidade em movimento. In: COUTO, Berenice Rojas; YAZBEK, Maria Carmelita; SILVA, Maria Ozanira da Silva e; RAICHELIS, Raquel. (Orgs.). O Sistema Único de Assistência Social no Brasil: uma realidade em movimento. 4ªed.São Paulo: Cortez Editora, 2014. p. 138-204.

Downloads

Publicado

2018-12-31

Edição

Seção

Dossiê