Implicações éticas e metodológicas de uma cartografia no Sistema Socioeducativo: surpresas, angústias e caminhos possíveis

Jimena de Garay Hernández, Patricia Castro de Oliveira e Silva, Anna Paula Uziel, Simone Ouvinha Peres

Resumo


Este texto relata e põe em análise os caminhos percorridos em uma pesquisa cartográfica desenvolvida a partir de questões de gênero e sexualidade em unidades de internação do Sistema Socioeducativo do Rio de Janeiro. Em meio a surpresas, angústias e desafios, discutimos aspectos éticos e metodológicos do nosso percurso como pesquisadoras, a partir da cartografia como uma perspectiva ético-político-estética-metodológica que tem como objetivo, mote ou pretexto acompanhar processos. Cartografar é abrir-se ao encontro, perseguir redes de forças, mergulhar em intensidades. Isso possibilita parcerias e permite que as tensões e potências do encontro das pesquisadoras no campo se constituam também como seus analisadores.


Palavras-chave


Sistema Socioeducativo; Gênero; Sexualidade; Cartografia

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, Lílian; KASTRUP, Virgínia. Cartografar é acompanhar processos. In: PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; ESCÓSSIA, Liliana. (Orgs.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 52-75.

BECKER, Howard. Segredos e truques da pesquisa. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra. Quando a vida é passível de luto? Civilização brasileira: Rio de janeiro. 2015, 287f.

COIMBRA, Cecília. Práticas da psicologia social como(o) movimentos de resistência e criação In: BONAMIGO, I.; TONDIN, C.; BRUXEL, K. (Org.). As práticas da psicologia social como movimentos e resistência e criação. Porto Alegre: Abrapso Sul, 2008, p.11-18.

COIMBRA, Cecília; NASCIMENTO, Maria. Implicar. In: FONSECA Tania; NASCIMENTO Maria; MARASCHIN, Cleci (Orgs.) Pesquisar na diferença: um abecedário. Porto Alegre: Sulina, 2012, p. 129-131.

COUTINHO, Eduardo. O Cinema documentário e a escuta sensível da alteridade. Projeto História. v. 15, p. 165-191, 1997.

D’ANGELO, Luisa. Entre “sujeita-mulher” e “mulher de bandido”: produções de feminilidades em contexto de privação de liberdade. 2017. 154f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social). Instituto de Psicologia, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.

D'ANGELO, Luisa; DE GARAY HERNÁNDEZ, Jimena. Sexualidade, um direito (secundário)? Atravessamentos entre sexualidade, socioeducação e punição. Revista Plural v. 24, n. 1, p. 78-104, 2017.

DE GARAY Jimena. O Adolescente dobrado: cartografia feminista de uma unidade masculina do Sistema Socioeducativo do Rio de Janeiro. 2018. 442 f. Tese (Doutorado em Psicologia Social). Programa de Pós-graduação em Psicologia Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2018.

DINIZ, Debora e CORREA, Marilena. Declaração de Helsinki: relativismo e vulnerabilidade. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 17(3):679-688, mai-jun, 2001. Disponível em:http://www.scielo.br/pdf/csp/v17n3/4650.pdf Acesso em 12 de fevereiro de 2018.

FOUCAULT, Michel. O que é um autor? Lisboa: Vega/Passagens, 1992.

HERCULANO, José Antonio, GONÇALVES, Marcelo. Educador social: segurança e socioeducador, a conciliação. Serv. Soc. Rev., Londrina, v.14, n.1, p. 74-101, JUL./DEZ. 2011. Disponível em:http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/ssrevista/article/view/10674 Acesso em 23 de abril de 2018.

HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu,. v.5, 1995, 7-41, Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1773. Acesso em 22 de abril de 2018.

KASTRUP, Virgínia, PASSOS, Eduardo. Cartografar é traçar um plano comum. Fractal, Rev. Psicol, v.25, n.2, p.263-280, Maio/Ago 2013.

LAZZAROTTO; Gislei. CARVALHO Julia. Afetar. In: FONSECA, Tania; NASCIMENTO, Maria; MARASCHIN, Cleci. (Orgs.). Pesquisar na diferença: um abecedário. Porto Alegre: Sulina, 2012. p.23-25.

MERHY, Emerson. Prefácio: O conhecer militantes do sujeito implicado: o desafio de reconhece-lo como saber válido. In: FRANCO, Tulio B. et al. (orgs.) Acolher Chapecó – uma experiência de mudança do modelo assistencial, com base no processo de trabalho. São Paulo: Hucitec, 2004.

NEIVA-SILVA, Lucas; LISBOA, Carolina; KOLLER, Silvia. (2005). Bioética na pesquisa com crianças e adolescentes em situação de risco: dilemas sobre o consentimento e a confidencialidade. DST Jornal Brasileiro de Doenças Sexualmente Transmissíveis, v. 17, n.3, p. 201-206. Disponível em: https://s3.amazonaws.com/academia.edu.documents/33958801/Bioetica_na_pesquisa_com_criancas_e_adolescentes.pdf?AWSAccessKeyId=AKIAIWOWYYGZ2Y53UL3A&Expires=1526847450&Signature=2vPxam0vMXUzZBW20SCJ730kQtM%3D&response-content-disposition=inline%3B%20filename%3DBioetica_nas_pesquisas_com_criancas_e_ad.pdf Acesso em 5 de fevereiro de 2018.

Novo DEGASE. Secretaria de Estado de Educação. Governo do Rio de Janeiro. Disponível em: http://www.degase.rj.gov.br/quem_somos.asp. Acesso em: 08 de maio de 2017.

PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virginia. Sobre a validação da pesquisa cartográfica: acesso à experiência, consistência e produção de efeitos. Fractal, Rev. Psicol, v.25, n.2, p.391-413, Maio/Ago 2013.

PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virginia e ESCÓSSIA, Liliana. Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Editora Sulina, 2009.

RINALDI, Alessandra. A sexualização do crime no Brasil: um estudo sobre criminalidade feminina no contexto de relações amorosas [1890-1940]. 1ª ed. Rio de Janeiro: Mauad X/ Faperj, 2015. 222 p.

ROLNIK, Suely. Geopolítica da cafetinagem. 2006. Disponível em: http://www.pucsp. br/nucleodesubjetividade. Acesso em 16 de abril de 2018.

SADE, Christian; FERRAZ, Gustavo; ROCHA, Jerusa. O ethos da confiança na pesquisa cartográfica: experiência compartilhada e aumento da potência de agir. Fractal, Rev. Psicol., v. 25, n. 2, p. 281-298, Maio/Ago 2013.




DOI: https://doi.org/10.5007/2178-4582.2018.e57163

Direitos autorais 2018 Jimena de Garay Hernández, Patricia Castro de Oliveira e Silva, Anna Paula Uziel, Simone Ouvinha Peres

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

R. Ci. Hum. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, ISSNe 2178-4582

Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

 

.