A participação das comunidades tradicionais de terreiro no campo da saúde: as pesquisas em psicologia social

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2178-4582.2019.e42714

Palavras-chave:

Direitos humanos, Saúde, Religião, População negra

Resumo

Esse artigo apresenta uma revisão bibliográfica sobre a saúde da população negra e a participação da religiosidade afro-brasileira, no campo da Psicologia Social. Ele integra uma pesquisa de cunho mais amplo que pretende colaborar com as propostas da Política Nacional para a Saúde da População Negra, que reconhece as comunidades tradicionais de terreiro como sendo promotoras da saúde. Considera-se aqui o papel da Psicologia Social, em sua vertente crítica, para com o combate ao racismo no Brasil, e para com as propostas de transformação social. A busca pela produção limitou-se às Revistas de Psicologia (em interface com o social), indexadas na Rede Scielo e na LILACS - Biblioteca Virtual em Saúde (Bireme). Foram encontrados apenas dois artigos, o que aponta para uma fragilidade das pesquisas neste campo, o que solicita à Psicologia Social uma reflexão sobre tal resultado, uma vez que restringe sua participação nos movimentos e lutas pela equidade étnico-raciais no Brasil.

Biografia do Autor

Sônia Regina Correa Lages, Universidade Federal de Minas Gerais

Professora de graduação e pós-graduação no Departamento de Psicologia UFMG

Ariane Macthelly da Silva, Universidade Federal de Minas Gerais

Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade Federal de Minas Gerais

Matheus Fernando Félix Ribeiro, Universidade Federal de Minas Gerais

Psicólogo, Especialista em Ciência da Religião pela PUC- SP. Mestre em Psicologia pela USP. Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil

Referências

ALVES, Miriam Cristiane.; SEMINOTTI, N. Atenção à saúde em uma comunidade tradicional de terreiro. Revista de Saúde Pública, São Paulo, 2009, v. 43, supl. 1,p. 85-91. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034- 89102009000800013&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 27 out. 2015.

BRASIL. Declaração de Durban e Plano de Ação – III Conferência Mundial de Combate ao Racismo, Discriminação Racial, Xenofobia e Intolerância Correlata. Ministério da Cultura. São Paulo: Fundação Palmares, 2005.

BRASIL. Política Nacional de Saúde Integral da População negra. Brasília: Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Ministério da Saúde, 2007.

COSTA ROSA, Abílio. Práticas de cura místico-religiosas, psicoterapia e subjetividade contemporânea. Psicologia USP, São Paulo, 2008, v. 19,n. 4,p. 561-590. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103- 65642008000400012&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 20 ago. 2014.

ENS, Romilda Teodora; ROMANOWSKI, Joana Paulim. As pesquisas denominadas do tipo “estado da arte” em educação. (Vol. 6) Curitiba: Diálogo Educacional, 2006, 19, p. 37-50.

FERRETTI, M. Cura e pajelança em terreiros do Maranhão (Brasil). I Quaderni del CREAM, Milano, v. 8, p. 67-91, 2008.

GOMES, Márcia C. Pinto Aderne. Projeto: Ylê ayié yaya ilera (Saúde plena na casa desta existência): equidade e integralidade em saúde para a comunidade religiosa afro-brasileira. Interface, 2010, 34, vol. 14. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414- 32832010000300015&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 20 ago. 2014.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA – IPEA. Desigualdade racial no Brasil, um olhar sobre a saúde. Disponível em http://www.ipea.gov.br/desafios/index.php?option=com_content&view=article&id=2688:catid=28 &Itemid=23. Acesso em: 20 out. 2016.

LAGES, S. R. C. Os terreiros de Umbanda e a promoção da saúde da população negra. In: PEREIRA, E. A.; DAIBERT JÚNIOR, R. (Org.). Depois, o Atlântico - modos e pensar, crer e narrar na diáspora africana. 1ed.Juiz de Fora: UFJF, 2010, v. 1, p. 185-200.

LAGES, Sônia Regina Corrêa. Saúde da população negra: A religiosidade afro-brasileira e a saúde pública. Psicologia Argumento, 2012, n. 69. Disponível em: http://www2.pucpr.br/reol/index.php/PA?dd1=5986&dd99=view. Acesso em: 20 ago. 2014.

MAIO, Marcos Chor; MONTEIRO, Simone. Tempos de racialização: o caso da 'saúde da população negra' no Brasil. Hist. cienc. saude-Manguinhos, Rio de Janeiro , v. 12, n. 2, p. 419-446, Aug. 2005 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104- 59702005000200010&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 13 maio 2019.

MANDARINO, Ana Cristina Souza; GOMBERG, Estélio.(org.) Leituras afro-brasileiras: territórios, religiosidades e saúde. Salvador: Editora UFS; EDUFBA, 2009. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ufba/194/1/Leituras%20afro-brasileiras.pdf. Acesso em: 20 set. 2014.

MELLO, Márcio Luíz; OLIVEIRA, Simone Santos. Saúde, Religião e Cultura: um diálogo a partir das práticas afro-brasileiras. São Paulo: Revista Sociedade, 2013, v. 22, 4. p. 1024-1035. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v22n4/06.pdf. Acesso em: 05 out. 2014.

MELLO, Márcio Luíz. Práticas terapêuticas populares e religiosidade afro-brasileira em terreiros no Rio de Janeiro: um diálogo possível entre saúde e antropologia. Tese (Doutorado em Ciências na área de Saúde Pública). Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, 2013. Disponível em: http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/. Acesso em: 20 ago. 2014.

MOTA, Clarice Santos; TRAD, Leny Alves Bonfim. A gente vive pra cuidar da população: estratégias de cuidado e sentidos para a saúde, doença e cura em terreiros de candomblé. (v.20). São Paulo: Saúde e Sociedade, 2011, v. 20. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104- 12902011000200006&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 20 ago. 2014.

PAIXÃO, Marcelo e outros. Relatório Anual das desigualdades raciais no Brasil. 2009-2010. Disponível em: http://www.palmares.gov.br/wp- content/uploads/2011/09/desigualdades_raciais_2009-2010.pdf. Acesso em: 14 set. 2015.

RIOS, Luiz Felipe et al. Axé, práticas corporais e Aids nas religiões africanistas do Recife. Ciência e saúde coletiva, 2013, v. 18, n. 2. Disponível em: http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413- 81232013002000021&lng=en&nrm=is. Acesso em: 20 set. 2014.

SERRA, Ordep; PECHINE, Maria C. Santos; PECHINE, Serjio. Candomblé e políticas públicas de saúde em Salvador. Mediações - Revista de Ciências Sociais, 2010, v. 15, n. 1. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/mediacoes/issue/view/534http://www.uel.br/revistas/uel/in dex.php/mediacoes/article/view/6547/5953. Acesso em: 20 ago. 2014.

SILVA, Cristiane Gonçalves et al. Religiosidade, juventude e sexualidade: entre a autonomia e a rigidez. Psicologia em Estudo, 2008, v. 13, n. 4. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413- 73722008000400006&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 20 set. 2014.

SILVA, José Marmo. Religiões e saúde: a experiência da Rede Nacional de Religiões Afro- Brasileiras e Saúde. Saúde e Sociedade, 2007, v. 16, n. 2. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104- 12902007000200017&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 20 ago. 2014.

SOUZA, Martha Helena Teixeira et al. Itinerários terapêuticos de travestis da região central do Rio Grande do Sul, Brasil. Ciência e saúde coletiva, 2014, v. 19, n. 7. Disponível em: http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413- 81232014000702277&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 20 set. 2014.

Downloads

Publicado

2019-08-06

Edição

Seção

Artigos