Características das experiências de parto e pós-parto de estudantes de Psicologia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2178-4582.2019.e57140

Palavras-chave:

Parto normal, Cesárea, Parturiente, Período pós-parto

Resumo

O período da gestação e o momento do parto suscitam sentimentos diversos, a depender das características da vivência de cada mulher, podendo ser um fator facilitador ou dificultador da maternidade. Esta pesquisa buscou investigar as características gerais das experiências de parto e pós-parto de acadêmicas de Psicologia. Trata-se de um estudo quantitativo.
Foi aplicado um questionário em 28 acadêmicas de uma instituição de ensino superior. Na análise foram geradas medidas descritivas. Os resultados mostraram que 46,4% tiveram parto normal (PN), 42,9%, parto cesárea (PC) e 10,7% tiveram os dois. Das que realizaram PN, 68,8% passaram por indução, 93,8%, por episiotomia e 75,0% amamentaram na primeira hora de vida da criança. Dentre as que fizeram PC, houve uma taxa menor de amamentação (46,7%) nesse período. Sugere-se que levantar questões relacionadas à experiência de parto pode permitir a elaboração de estratégias efetivas de empoderamento para gestantes na tomada de decisão sobre seu parto.

Biografia do Autor

Rosina Forteski Glidden, Centro Universitário Leonardo da Vinci, Guaramirim/SC e Universidade Federal do Paraná, Curitiba/PR, Brasil

Psicóloga, Mestra e Doutoranda em Educação pela Universidade Federal do Paraná, Curitiba/PR, Brasil e professora  do Centro Universitário Leonardo da Vinci, Guaramirim/SC, Brasil

Claudia Daiana Borges, Centro Universitário Leonardo da Vinci, Guaramirim/SC, Sociedade Educacional de Santa Catarina (UniSociesc), Jaraguá do Sul/ SC e Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis/SC, Brasil.

Psicóloga. Mestra e Doutoranda em Psicologia pela UFSC. Professora do.Centro Universitário Leonardo da Vinci, Guaramirim/SC, Sociedade Educacional de Santa Catarina -UniSociesc, Jaraguá do Sul/ SC, e Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis/SC, Brasil.

Crisley Fabiane Zastrow, Centro Universitário Leonardo da Vinci/Uniasselvi, Guaramirim/SC, Brasil.

Psicóloga pelo Centro Universitário Leonardo da Vinci/Uniasselvi, Guaramirim/SC, Brasil.

Hugo Guelere Rodrigues, Centro Universitário Leonardo da Vinci/Uniasselvi, Guaramirim/SC, Brasil.

Psicólogo pelo Centro Universitário Leonardo da Vinci/Uniasselvi, Guaramirim/SC, Brasil.

Paula Cristiane Bernstein, Centro Universitário Leonardo da Vinci/Uniasselvi, Guaramirim/SC, Brasil.

Psicóloga pela Univinci - Centro Universitário Leonardo da Vinci/Uniasselvi, Guaramirim/SC, Brasil.

Raquel Rosa Grigolo, Centro Universitário Leonardo da Vinci/Uniasselvi, Guaramirim/SC, Brasil.

Psicóloga pela Univinci - Centro Universitário Leonardo da Vinci/Uniasselvi, Guaramirim/SC, Brasil.

Referências

ANDRADE, B. P.; AGGIO, C. DE M. Violência obstétrica: a dor que cala. Anais do III Simpósio Gênero e Políticas Públicas. Universidade Estadual de Londrina, 27 a 29 de maio de 2014.

BARBOSA, G. P. et al. Parto Cesáreo: quem o deseja. Em quais circunstâncias. Cadernos de Saúde Pública, v.19, n.9, p.1611-1620, 2003.

BARBOSA, J. F.; TOÉ, T. F. D.; SIMÕES, P. W. Incidência de cesariana entre usuárias e usuárias de um plano de saúde privado de um plano de saúde privado. Medicina, v.48, n.4, p.336-341, 2015.

BARBOSA, L. C.; FABBRO, M. R. C.; MACHADO, G. P. R. Violência obstétrica: revisão integrativa de pesquisas qualitativas. Avances em Enfermagem, v.35, n.2, p.190-207, 2017.

BIO, E. B.; BITTAR, R. E.; ZUGAIB, M. Influência da mobilidade materna na duração da fase ativa do trabalho de parto. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, v.28, n.11, p.671-679, 2006.

BRASIL. Lei n 11.108, de 7 de abril de 2005. Altera a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para garantir às parturientes o direito à presença de acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS. Diário Oficial da União. Brasília, 2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Cadernos Humaniza SUS. Humanização do parto e do nascimento. v. 4. Brasília, 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada à mulher. Brasília, 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher – PNDS 2006: dimensões do processo reprodutivo e da saúde da criança. Brasília, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n° 306 de 28 de março de 2016. Aprova as Diretrizes de Atenção à Gestante: a operação cesariana. Brasília, 2016.

BOCCOLINI, C. S. et al. A amamentação na primeira hora de vida e mortalidade neonatal. Jornal de Pediatria, v.89, n.2, p.131-136, 2013.

BORGES, B. B.; SERRANO, F.; PEREIRA, F. Episiotomia: uso generalizado versus selectivo. Revista Acta Médica Portuguesa, v.16, p.447-454, 2003.

CÂMARA, R. et al. Cesariana a pedido materno. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, v.43, n.4, p.301-310, 2016.

CASTRO, J. C.; CLAPIS, M. J. Parto humanizado na percepção das enfermeiras obstétricas envolvidas com a assistência ao parto. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v.13, n.6, p.960-967, 2005.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Resolução CFM n° 2.144/2016 Brasília, 2016. Disponível em: http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/CFM/2016/2144_2016.pdf Acesso em: 03/03/2018.

COSTA, L. M. et al. Episiotomia no parto normal: incidência e complicações. Revista Cultural e Científica da UNIFACEX, v.13, n.1, p.173-187, 2015.

DIAS, M. A. B. et al. Trajetória das mulheres na definição pelo parto cesáreo: estudo de caso em duas unidades do sistema de saúde suplementar do estado do Rio de Janeiro. Ciência & Saúde Coletiva, v.13, n.5, p.1521-1534, 2008.

DODOU, H. D. et al. A contribuição do acompanhante para a humanização do parto e nascimento: percepções de puérperas. Escola Anna Nery, v.18, n.2, p.262-269, 2014.

DOMINGUES, R. M. S. M. et al. Processo de decisão pelo tipo de parto no Brasil: da preferência inicial das mulheres à via de parto final. Caderno de Saúde Pública, v.30, n.1, p.101-116, 2014.

DOMINGUES, R. M. S. M.; SANTOS, E. M dos; LEAL, M. do CARMO. Aspectos da satisfação das mulheres com a assistência ao parto: contribuição para um debate. Cadernos de Saúde Pública, v.20, n.1, p.52-62, 2003.

EUFRÁSIO, L. S. Prevalência e fatores associados ao parto cesárea no contexto regional brasileiro em mulheres em idade reprodutiva. 2017. 90f. Tese (Doutorado em Fisioterapia) – Programa de Pós-Graduação em Fisioterapia. Centro de Ciências da Saúde. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Rio Grande do Norte. 2017.

FERREIRA JUNIOR, A. R. et al. Discurso de mulheres na experiência do parto cesáreo e normal. Revista Saúde.com, v.13, n.2, p.855-862, 2017.

FIGUEIREDO, N. S. V. et al. Fatores culturais determinantes da escolha da via de parto por gestantes. Revista Hospital Universitário de Juiz de Fora, v.36, n.4, p.296-306, 2010.

FREITAS, J. F.; MEINBERG, S. Analgesia de parto, bloqueios lecorregionais e analgesia sistêmica. Revista Médica de Minas Gerais, v.19, n.3, p.7-14, 2009.

FRUTUOSO, L. D.; BRUGGEMANN, O. M. Conhecimento sobre a Lei 11.108/2005 e a experiência dos acompanhantes junto à mulher no centro obstétrico. Texto e Contexto: Enfermagem, v.22, n.4, p.909-917, 2013.

FONSECA, L. M. M.; SCOCHI, C. G. S. Cuidados com o bebê prematuro: orientações para a família. Ribeirão Preto: FIERP, 2009.

HADDAD, S. E. M.; CECATTI, J. G. Estratégias dirigidas aos profissionais para a redução das cesáreas desnecessárias no Brasil. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, v.33, n.5, p.252-262, 2011.

LAGOMARSINO, et al. A cultura mediando preferências pelo tipo de parto: entrelaçamento de fios pessoais, familiares e sociais. Revista Mineira de Enfermagem, v.17, n.3, p.688-694, 2013.

MALDONADO, M. T. Psicologia da gravidez. 1. ed. digital. Rio de Janeiro: Jaguatirica Digital, 2013.

MARTINS, M. F. S. V. O programa de assistência pré-natal nos Cuidados de Saúde Primários em Portugal: uma reflexão. Revista Brasileira de Enfermagem, v.67, n.6, p. 1108-1012, 2014.

MEDEIROS, R. M. K. et al. Aspectos relacionados à preferência da gestante pela via de parto. Revista Eletrônica Gestão & Saúde, v.8, n.1, p.603-621, 2017.

MELO, J. K. F.; DAVIM, R. M. B.; SILVA, R. R. A. S. Vantagens e desvantagens do parto normal e cesariano: opinião de puérperas. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental, v.7, n.4, p.3197-3205, 2015.

MELO, G. F. Análise da autonomia da gestante na escolha do tipo de parto. 2016. 119f. Dissertação (Mestrado em Ensino na Saúde) - Universidade Federal de Goiás, Goiás, 2016.

MIRANDA, D. B. et al. Parto normal e cesárea: representações e mulheres que vivenciaram as duas experiências. Revista Eletrônica de Enfermagem, v.10, n.2, p. 337-346, 2008.

OMS. Organização Mundial de Saúde. Declaração da OMS sobre taxas de cesáreas. Genebra: WHO, 2014. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/161442/3/WHO_RHR_15.02_por.pdf Acesso em: 27/02/2018.

OMS. Organização Mundial de Saúde. Recommendations on antenatal care for a positive pregnancy experience. 1. Genebra: WHO, 2016. Disponível em: http://www.who.int/reproductivehealth/publications/maternal_perinatal_health/anc-positive-pregnancy-experience/en/ Acesso em: 21/04/2018.

PATAH, L. E. M.; MALIK, A. M. Modelos de assistência ao parto e taxa de cesárea em diferentes países. Revista de Saúde Pública, v.45, n.1, p.185-94, 2011.

PEREIRA, A. L. F.; BENTO, A. D. Autonomia no parto normal na perspectiva das mulheres atendidas na casa de parto. Revista RENE, v.12, n.3, p.471-477, 2011.

PEREIRA, G. V.; PINTO, F. A. Episiotomia: uma revisão de literatura. Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde, v.15, n.3, p.183-196, 2011.

PEREIRA, C. R. V. R. et al. Avaliação de fatores que interferem na amamentação na primeira hora de vida. Revista Brasileira de Epidemiologia, v.16, n.2, p.525-534, 2013.

PIMENTEL, T. A. Fatores que influenciam na eEscolha da via de parto cirúrgica: uma revisão Bibliográfica. 2015. 23 f. Monografia (Graduação em Enfermagem) - Faculdade de Ciências da Educação e Saúde - FACES. Brasília, 2015.

PIRES et al. A influência da assistência profissional em saúde na escolha do tipo de parto: um olhar sócio antropológico na saúde suplementar brasileira. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, v.10, n.2, p.191-197, 2010.

PREVIATTI, J. F.; SOUZA, K. V. Episiotomia: em foco a visão das mulheres. Revista Brasileira de Enfermagem, v.60, n. 2, p.197-201, 2007.

RISCADO, L. C.; JANNOTTI C. B.; BARBOSA, R. H. S. A decisão pela via de parto no Brasil: temas e tendências na produção de saúde pública. Texto e Contexto Enfermagem, v.25, n.1, p.1-10. 2016.

SANTA CATARINA. Lei nº 16.869 de 15 janeiro de 2016. Presença de Doulas durante todo o período de trabalho de parto, parto e pós-parto imediato. Diário Oficial de Santa Catarina. Florianópolis, 2016.

SANTOS, R. A. A. dos; MELO, M. C. P. de; LEAL, R. J. M. Experiência do tipo de parto: relato de puérperas através da análise de discurso. Revista Ciências Médicas e Biológicas, v.14, n.1, p.74-81, 2015.

SESCATO, A. C.; SOUZA, S. R. R. K.; WALL, M. L. Os cuidados não farmacológicos para alívio da dor no trabalho de parto: orientações da equipe de enfermagem. Revista Cogitare Enfermagem, v.13, n.4, p.585-590, 2008.

SOUZA, K. R. F.; DIAS, M. D. História oral: a experiência das doulas no cuidado à mulher. Revista Acta Paulista de Enfermagem, v.23, n.4, p.493-499, 2010.

SOUZA, A. S. R.; AMORIM, M. M. R.; NETO, C. N. Métodos farmacológicos de indução do trabalho de parto: qual o melhor. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, v.38, n.5, p.278-287, 2010.

SILVA, S. P. C.; PRATES, R. C. G.; CAMPELO, B. Q. A. Parto normal ou cesariana? Fatores que influenciam na escolha da gestante. Revista de Enfermagem (UFSM), v. 4 n. 1, p. 1-9, 2014.

TELES, L. M. R. et al. Parto com acompanhante e sem acompanhante: a opinião das puérperas. Revista Cogitare Enfermagem, v. 15, n.4, p. 688-694, 2010.

UNICEF. Fundo das Nações Unidas para a infância. Quem espera sempre alcança. Brasil, 2017.

VENDRÚSCOLO, C. T.; KRUEL, C. S. Livre escolha da parturiente pela acompanhante e seus entraves: desafios para a humanização da assistência ao parto. Revista Barbarói, n. 49, p. 52-70, 2017.

WEIDLE, W. G. et al. Escolha da via de parto pela mulher: autonomia ou indução? Caderno Saúde Coletiva, v.22, n.1, p. 46-53, 2014.

Downloads

Publicado

2020-07-08

Edição

Seção

Artigos