Neoliberalismo e flexibilização conseqüências e alternativas para os trabalhadores e seus sindicatos

Oswaldo Miqueluzzi

Resumo


Este artigo estuda o neoliberalismo e a flexibilização geradas a partir do término do perfodo fordista-keynesiano, que segundo HARVEY, iniciou-se com o fim da II Guerra Mundial e arrasta-se até 1973. Também analisa o momento atual, a partir da primeira experiência concreta neoliberalista da América Latina, no Chile, de Pinochet, quando este de maneira dura adotou um programa de: desregulação; desemprego rnassivo; repressão sindical; redistribuição de rendas em favor dos ricos e abastados e a privatização dos bens públicos. Também utiliza-se da fundamentação teórica para confirmar suas colocações, tanto quando se refere ao neoliberalismo como quando descreve os efeitos da flexibilização econômica à classe -trabalhista. Uma dessas conseqüências é o precário vinculo empregaticio, principalmente, quando nesta situação investe-se na terceirização. Ainda fizz à luz as sérias conseqüências para os sindicatos de trabalhadores, com o declínio cada vez maior de seu poder diante da flexibilização e da crise vivida, em decorrência da reestruturação da economia, frente à globalização...

Palavras-chave


Neoliberalismo; Flexibilização; Trabalho; Trabalhadores; Sindicatos.

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/%25x

Direitos autorais 1997 Oswaldo Miqueluzzi

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

R. Ci. Hum. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, ISSNe 2178-4582

Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

 

.