Agricultura familiar: desequilíbrio ambiental e riscos sociais no município de São Ludgero(SC)

Maurício Alves

Resumo


O modelo de modernização tecnológica difundido na agricultura vem produzindo muitos agravantes sócioambientais no espaço rural brasileiro. O estudo proposto foi direcionado para a investigação das transformações que se processaram no espaço agrário de São Ludgero, analisando a relação: produção agropecuária x saúde dos produtores rurais x conservação dos recursos naturais. Neste município a estrutura-agrária caracteriza-se por pequenas unidades fundiárias, onde são desenvolvidas atividades especializadas para suprimento do mercado. Constatou-se, que a produção familiar também incorporou os pacotes tecnológicos e à semelhança do que ocorreu em outras áreas, os apicultores não receberam do Estado a orientação e o acompanhamento técnico adequado. Odescaso neste processo vem deixando em seu lastro desequilíbrios ambientais, tais como: desaparecimento de espécies vegetais eanimais.proliferação depragas, degradação dos solos e poluição dos rios. Além disso, foram evidenciados problemas relativos à saúde da população. A permanecer o desinteresse político em buscar alternativas ao modelo agrícola vigente, a tendência será a continuidade e o agravamento dos problemas sócio-ambientais do espaço turalbrasileiro.

Palavras-chave


Agricultura familiar; Meio ambiente; Degradação ambiental

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/%25x

Direitos autorais 2002 Maurício Alves

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

R. Ci. Hum. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, ISSNe 2178-4582

Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

 

.