Questões de gênero na obra Cem anos de solidão, de Garcia Márquez

Michelle Domit Gugik

Resumo


Artigo que elabora considerações sobre as questões de gênero, ao analisar a obra Cem anos de solidão, de Gabriel Garcia Márquez, enfatizando a conexão entre os elementos afetivos inerentes a suas personagens e a cultura latino-americana, entrelaçando a realidade e a fantasia, além de pontuar aspectos psicológicos individuais e coletivos, especialmente no que se refere à construção dos papéis sociais ao longo da história. Faz-se um apanhado geral sobre o enredo, detendo-se nas relações desenvolvidas pelas gerações descritas na obra, de modo a estabelecer-se uma linha condutora, que passa pelos mistérios, rituais, tabus sexuais e os enlaces psicológicos. Com brevidade, verifica-se, ainda, a alegoria da história latino-americana nas entrelinhas da obra, a partir da influência política desempenhada pelas personagens na comunidade. No decorrer de tais deliberações, a relação dialética entre indivíduo e coletividade evidencia-se, à luz da psicologia social e da sociologia, destacando-se a cristalização cultural das valorações morais na sociedade latino-americana.

Palavras-chave


Questões de gênero; Cultura latino-americana; Literatura

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/%25x

Direitos autorais 2005 Michelle Domit Gugik

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

R. Ci. Hum. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, ISSNe 2178-4582

Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

 

.