Distância transacional: um espaço possível de aprendizagem

Cristina Klipp de Oliveira, Marina Cabeda Egger Moellwald, Michele Antunes Corrêa, Nágila Cristina Hinckel, Viviane Bastos

Resumo


Neste artigo trabalhamos com a Teoria da Distância Transacional (MOORE, 1972), a fim de entender como se dá a relação de ensinoaprendizagem na Educação a distância (EaD). Analisamos os temas: autonomia, motivação e interações dialógicas. Autonomia é a qualidade que torna o aluno apto a construir uma visão crítica no/do processo educativo, pois em EaD é importante saber lidar com os fatores tempo e ausência física do professor. A motivação pode ser incitada pelo professor e equipe pedagógica, via criação de materiais didáticos e estratégias de comunicação diferenciadas. As formas de interação neste processo podem ser entre aluno, professor e conteúdo. No modelo de EaD analisado, constatamos que o Ambiente Virtual constitui uma via de diálogo e interação entre sujeitos e conteúdos, possibilitada por uma distância transacional equilibrada, contribuindo para uma aprendizagem significativa.


Palavras-chave


Educação; Teoria da Distância Transacional; Ensinoaprendizagem.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5007/1807-9288.2010v6n1p36



Direitos autorais 2010 Cristina Klipp de Oliveira, Marina Cabeda Egger Moellwald, Michele Antunes Corrêa, Nágila Cristina Hinckel, Viviane Bastos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Texto DigitalUniversidade Federal de Santa CatarinaFlorianópolisSanta Catarina, Brasil. ISSNe 1807-9288

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.