Migrações poéticas e derivações visuais: concretismo, experimentalismo e artes plásticas em Portugal

Eduardo Paz Barroso

Resumo


Este texto sinaliza um conjunto de questões no âmbito a poesia portuguesa da segunda metade do século XX, sua relação com a poesia visual e as artes plásticas. Nesta perspectiva produz-se uma análise crítica de alguns autores privilegiando o cruzamento de poéticas visuais, expressões plásticas da linguagem e dinâmicas textuais que exploram a plenitude da palavra, as suas manifestações gráficas e suas ressonâncias. O panorama da poesia portuguesa dos anos 60, a sistematização dos principais entendimentos críticos que dela são feitos, e o espaço ocupado pelos autores comprometidos com a corrente visual, constituem outro enfoque deste ensaio. Negatividade, fragmentação e errância do sentido, surgem a este propósito como características literárias que favorecem um encontro entre diferentes sensibilidades estéticas. De resto é de salientar o facto de vários dos autores aqui comentados terem de um modo ou de outro explorado os enredos e as vertigens da poesia visual. Procurou-se também destacar o paralelismo entre obras características da poesia visual e a transposição da pintura em poemas de outros relevantes escritores, e indagar o papel da perspectiva ecfrásica nesta discussão. A influência do concretismo brasileiro em Portugal, a sua recepção e repercussão constitui outra das preocupações do ensaio.


Palavras-chave


Crítica; Visualidade; Pintura; Vanguarda; Poesia experimental portuguesa

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1807-9288.2012v8n2p273



Direitos autorais 2012 Eduardo Paz Barroso

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Texto DigitalUniversidade Federal de Santa CatarinaFlorianópolisSanta Catarina, Brasil. ISSNe 1807-9288

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.