Perspectivas de leituras para poéticas digitais

Flaviano Maciel Vieira

Resumo


Novas formas de fazer poesia surgem em meio aos suportes computacionais. Esse novo fazer poético apresenta uma inovadora forma de escrita para os olhos, consequentemente categorias poéticas próprias do suporte computacional começam a se configurar nos sistemas criados nestes meios. Isso exige dos leitores novos olhares e interpretações, numa adequada forma de ver-ler-ouvir-traduzir a poesia. A proposta desse artigo é apresentar uma possível metodologia de abordagem de poéticas digitais, independente da tecnologia e programas disponíveis no momento histórico de suas composições. A base teórica que auxiliará na explicitação da abordagem será a semiótica triádica de Charles Sanders Peirce. A importância da semiótica peirciana está em dispor de um modelo teórico que abrange o estudo dos signos verbais e não-verbais. Para Décio Pignatari (2004), a semiótica peirceana destina-se a desempenhar um papel de relevo, tanto na crítica literária quanto na teoria. Espera-se, neste sentido, contribuir com o percurso conceitual-teórico geral já existente sobre poesia em meios computacionais, algo que vem sendo tão bem desenvolvido por autores como Julio Plaza, Antônio Risério, Philadelpho Menezes, José Augusto Mourão, Pedro Barbosa, Jorge Luiz Antonio, Alckmar Luiz dos Santos, Pedro Reis e Rui Torres, só para citar alguns importantes pesquisadores.


Palavras-chave


Poesia digital; Semiótica; Metodologia de abordagem

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1807-9288.2013v9n1p115



Direitos autorais 2013 Flaviano Maciel Vieira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Texto DigitalUniversidade Federal de Santa CatarinaFlorianópolisSanta Catarina, Brasil. ISSNe 1807-9288

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.