O poema como um diagrama aberto: a poesia gráfico-digital de André Vallias

Maíra Borges Wiese

Resumo


O poeta André Vallias configura-se como um dos nomes pioneiros da poesia digital. Em 1991, foi curador, juntamente com Friedrich Block, da “Primeira Mostra Internacional de Poesia Digital”, a P0es1s, e publicou poemas multimídias e hipermídias em sites e antologias nacionais e internacionais. Em um artigo intitulado “Nous n’avons pas compris Descartes”, Vallias define uma concepção de poema que guiará a sua primeira série de poemas digitais – poemas gráficos, poemas-diagramas –, e retomada nas suas produções multimídia e hipermídia subsequentes. Trata-se da visão do poema como um “diagrama aberto”, um poema que se constrói a partir de uma interrelação de códigos, liberto da predominância do signo verbal, dotados de intermidialidade. Este artigo propõe uma interpretação de três poemas desta primeira série, desenvolvidos através do software de desenho AutoCAD e posteriormente remediados para a interface da Web. As interpretações visam, em primeiro lugar, iluminar alguns dos possíveis sentidos desenvolvidos pelos poemas; e, em segundo, apontar a relação que os poemas estabelecem, por suas características, com aspectos da poética digital como um todo.


Palavras-chave


André Vallias; Poema-diagrama; Poesia digital; Intermidialidade

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1807-9288.2013v9n1p150



Direitos autorais 2013 Maíra Borges Wiese

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Texto DigitalUniversidade Federal de Santa CatarinaFlorianópolisSanta Catarina, Brasil. ISSNe 1807-9288

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.