Lugares imaginários em rede - narrativas de memória em ambientes programáveis

Carlos Henrique Rezende Falci

Resumo


A memória precisa de um lugar fixo para se estabelecer? A memória precisa de arquivos para existir? E que tipo de arquivos? Embora se possa dizer que a memória talvez nunca tenha se definido a partir de um lugar fixo, penso que o próprio estabelecimento do conceito enquanto tal é marcado pela ideia de um lugar, de um registro em que a memória possa ser encontrada. Mesmo quando ela é associada ao imaginário, ou ao que é instável, há uma tensão associada à busca de um local da/para a memória. O propósito desse artigo é verificar como essa organização que cria a memória, e um lugar no passado ao qual ela se refere, quando associada aos metadados e aos ambientes programáveis, tensiona a relação entre memória e imaginário, trazendo à tona o que se propõe denominar como lugares imaginários. Analisamos dois projetos, Sorting Daemons e Blackpool-Manchester, numa tentativa de elucidar como estas obras, cada uma à sua maneira, constrói tais lugares imaginários.


Palavras-chave


Memória; Metadados; Lugares imaginários; Ambientes programáveis; Arquivos

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1807-9288.2013v9n1p213



Direitos autorais 2013 Carlos Henrique Rezende Falci

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Texto DigitalUniversidade Federal de Santa CatarinaFlorianópolisSanta Catarina, Brasil. ISSNe 1807-9288

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.