E-POETRY: a marca do hiper-contemporâneo

Flavio Pereira Senra, Rafael Delgado Gomes Ottati

Resumo


A fragmentação dos paradigmas e dos conceitos nas últimas décadas acarretou uma perceptível mudança epistêmico-subjetiva no indivíduo. Tal mudança igualmente alcançou o reino das Artes, de forma que um grupo de artistas, pessoas atreladas ao seu contemporâneo a ponto de problematizá-lo e de expô-lo, criaram obras inseridas no rótulo e-poetry, um novo gênero de poesia característico do século 21, visando reorganizar o fazer poético e as relações inter- e intrassubjetivas. Este artigo visa analisar um desses artistas, Jason Nelson, demonstrando como ela percebe e questiona o momento atual, envolto em uma ampla difusão técnica, científica e visual. Para tal, serão levantadas reflexões de Giorgio Agamben e de Jean-François Lyotard no que tange a definir o papel da Ciência na vida hodierna, assim como o aspecto visual da mesma.


Palavras-chave


Hiper-Contemporâneo; Poesia eletrônica; Pós-modernidade

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1807-9288.2013v9n2p210



Direitos autorais 2013 Flavio Pereira Senra, Rafael Delgado Gomes Ottati

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Texto DigitalUniversidade Federal de Santa CatarinaFlorianópolisSanta Catarina, Brasil. ISSNe 1807-9288

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.