Fabiano e a bolandeira como máquina de criar subjetividades

João Batista Santiago Sobrinho

Resumo


Este estudo tem como objetivo perscrutar no imaginário de Fabiano, personagem e protagonista do livro Vidas Secas, de Graciliano Ramos, a imagem da “bolandeira”, a qual, dentro dos significados que lhe corresponde, é conhecida como uma “máquina de beneficiar”. Esse romance é marcado por intensa emoção social e narra, justamente, a travessia trágica de uma família no deserto da “caatinga” e que, lançados no mundo, transita para lugar nenhum, presa ao circulo vicioso da miséria social que a coisifica e aprisiona.


Palavras-chave


Vidas secas; Dispositivo; Trágico

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1807-9288.2014v10n1p163



Direitos autorais 2014 João Batista Santiago Sobrinho

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Texto DigitalUniversidade Federal de Santa CatarinaFlorianópolisSanta Catarina, Brasil. ISSNe 1807-9288

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.