O Digital nas Humanidades: Uma Entrevista com Franco Moretti por Melissa Dinsman

Autores

  • Wander Nunes Frota Universidade Federal do Piauí
  • Saulo Cunha de Serpa Brandão Universidade Federal do Piauí

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-9288.2016v12n1p119

Palavras-chave:

Crítica Literária, Literatura Digital, Franco Moretti

Resumo

Pelo menos na última década, o termo “humanidades digitais” [doravante, “HD”] tem capturado a imaginação e a ira dos estudiosos em muitas universidades estadunidenses. Os defensores do campo, que funde a Hermenêutica com a Ciência da Computação, o têm como um meio extremamente necessário para agitar e expandir os métodos tradicionais de interpretação literária; para os críticos mais francos, é uma nova moda que simboliza a contagem dos feijões neoliberais a destruir o ensino superior estadunidense. Em algum lugar no meio desses dois extremos, há um corpo vasto e variado do trabalho que utiliza e examina criticamente ferramentas digitais na busca dos estudos humanísticos. Esse campo das HD é imenso e cada vez mais indefinível mesmo por aqueles que o praticam. Na verdade, a expressão “Humanidades Digitais” parece espantosamente inapropriada para uma área de estudo que inclui, por um lado, a pesquisa computacional, as plataformas de leitura e de escrita digital, a pedagogia digital, as publicações de acesso aberto, os textos aumentados e os bancos de dados literários, e, por outro, a arqueologia da mídia e as teorias das redes, os jogos (“games”) e as plataformas (“wares”), tanto duras (“hard”, ou seja, os equipamentos) como moles (“soft”, ou seja, os programas). Como Franco Moretti me disse no início de nossa conversa: “a expressão ‘humanidades digitais’ nada significa”.

Biografia do Autor

Wander Nunes Frota, Universidade Federal do Piauí

Professor Associado II, ensina Língua Inglesa e tem interesse em Literatura Brasileira dos séculos XIX e XX. Atua no Curso de Letras Estrangeiras da Universidade Federal do Piauí.

Saulo Cunha de Serpa Brandão, Universidade Federal do Piauí

Professor Associado IV de Literatura no Curso de Letras Estrangeiras e de Teoria da Literatura no Mestrado em Letras da Universidade Federal do Piauí.

Referências

DINSMAN, Melissa. Modernism at the Microphone: Radio, Propaganda, and Literary Aesthetics During World War II. Nova York: Bloomsbury Academic, 2015.

JOCKERS, Matthew J. Macroanalysis: Digital Methods and Literary History. Urbana; Chicago; Springfield: University of Illinois Press, 2013.

MORETTI, Franco. A Literatura vista de longe. Tradução: Anselmo Pessoa Neto. Porto Alegre: Arquipélago, 2008.

______. Atlas do romance europeu 1800-1900. Tradução: Sandra Guardini Vasconcelos. São Paulo: Boitempo, 2003.

______. Graphs, Maps, Trees: Abstract Models for a Literary History. Londres: Verso, 2007.

______. Modern Epic: The World System from Goethe to García Márquez. Londres; Nova York: Verso, 1996.

______. O burguês: entre a História e a Literatura. Tradução: Alexandre Morales. São Paulo: Três Estrelas, 2014.

______. Signs Taken for Wonders: On the Sociology of Literary Forms. Londres; Nova York: Verso, 2005. (Radical Thinkers, 7).

______ (Org.). O romance, 1: a cultura do romance. Tradução: Denise Bottmann. São Paulo: Cosac Naify, 2009.

Downloads

Publicado

2016-09-05

Edição

Seção

Entrevistas