Leitura homeostásica dos homeóstatos de José-Alberto Marques

Autores

  • Bruno Ministro Centro de Literatura Portuguesa da Universidade de Coimbra, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-9288.2016v12n1p45

Palavras-chave:

Homeóstatos, José-Alberto Marques, Poesia Experimental Portuguesa

Resumo

Este curto texto é uma tentativa de esboçar uma linha de leitura para as múltiplas potenciais interpretações de Homeóstatos, de José-Alberto Marques. O texto parte da premissa de que é a leitura dinâmica que dá movimento a um texto construído numa dinâmica material que extrapola os protocolos de escrita e leitura convencionados.

Biografia do Autor

Bruno Ministro, Centro de Literatura Portuguesa da Universidade de Coimbra, Portugal

Natural do Bombarral (1988-). É licenciado em Línguas Modernas pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (2011) e mestre em Edição de Texto pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa com a dissertação Um buraco na boca: edição crítica do romance experimental de António Aragão (2014). Actualmente, é aluno de doutoramento do Programa FCT Estudos Avançados em Materialidades da Literatura no Centro de Literatura Portuguesa e Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. O seu projecto de doutoramento centra-se no estudo da electrografia.

Downloads

Publicado

2016-09-05

Edição

Seção

Artigos