O Cosmonauta

Alckmar Luiz dos Santos

Resumo


O cosmonauta foi pensado para ser uma recriação em ambiente digital de um episódio parcialmente verídico, parcialmente inventado, isto é, a experiência por que teria passado Ed Aldrin, o segundo homem a pisar na Lua. Impõe-se aqui uma digressão: nestas épocas de hiper-realismo exacerbado, obsessivo e doentio, em que tudo quer nos levar a um voyeurismo empobrecedor, a uma tirania do “baseado em fatos reais”, o propósito evidente d’O cosmonauta foi pôr toda a ênfase na arte e não numa suposta apresentação direta da realidade. O que se quis, desde o início, foi apresentar o leitor da obra a si mesmo, não explicitar ou desnudar a vida de um protagonista existente. O cosmonauta é arte, algo muito mais profundo do que essa suposta vida real medíocre e diretamente exibida nas redes sociais.

O Cosmonauta está disponível em: <http://nupill.ufsc.br/nproducao/>.



Palavras-chave


Criação Digital; Literatura; O Cosmonauta

Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.5007/1807-9288.2016v13n1p222



Direitos autorais 2017 Alckmar Luiz dos Santos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Texto DigitalUniversidade Federal de Santa CatarinaFlorianópolisSanta Catarina, Brasil. ISSNe 1807-9288

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.