Sobre "fim da arte", "percepção digital" e vagalumes

Alexandre Siqueira de Freitas

Resumo


Teorias sobre o fim da arte, reflexões sobre as metamorfoses da percepção e uma figura poético-literária articulam-se com o objetivo de propor alguns olhares sobre arte e percepção na contemporaneidade. Mortes e permanências, apocalipses e sobrevivências constroem a dialética deste trabalho. Dividido em três partes, como sugere seu título, toma-se como denominador comum teórico o pensamento de Walter Benjamin, expresso em seu conhecido texto sobre a reprodutibilidade técnica. Os vagalumes surgem, entre incertezas e desconfortos, como metáfora – trazida por Pier Pasolini e retomada por Georges Didi-Huberman – de uma certa força vital/sexual criadora, para uns persistente e transformadora, para outros peremptoriamente extintas. Entre posturas extremas, toda uma gama de constatações, expectativas e prognósticos sobre arte e percepção.


Palavras-chave


Fim Da Arte; Era Digital; Percepção; Vagalumes

Texto completo:

PDF/A

Referências


BASBAUM, Sergio Roclaw. O primado da percepção e suas consequências no ambiente midiático. São Paulo: Intermeios, 2016.

BENJAMIN, Walter. “A obra de arte na era da reprodutibilidade técnica”. Tradução de Daniel Pucciarelli. In: DUARTE, Rodrigo. O Belo autônomo: textos clássicos de estética. 3a edição. Belo Horizonte: Autêntica, 2015, p. 279-314.

DANTO, Arthur. O descredenciamento filosófico da arte. Tradução de Rodrigo Duarte. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Sobrevivência dos vagalumes. Tradução de Vera Casa Nova e Márcia Arbex. Belo Horizonte: editora UFMG, 2011.

DUARTE, Rodrigo. “O tema do Fim da Arte na Arte Contemporânea”. In: PESSOA, Fernando (org). “Arte no Pensamento”. Seminários Internacionais Museu Vale do Rio Doce, 2006, p. 377-414.

ECO, Umberto. A definição da arte. Tradução de Eliana Aguiar. São Paulo: Record, 2016.

GOMBRICH, E. H. A História da Arte. Tradução de Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: LTC, 1993.

HEGEL. Georg Wilhelm Friedrich. Cursos de Estética IV. Tradução de Oliver Tolle e Marco Aurélio Werle. São Paulo: EDUSP, 2014.

MAMMÌ, Lorenzo. O que resta. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

NUNES, Benedito. “A morte da arte em Hegel”. In: DUARTE, Rodrigo (org.). Anais Morte da arte, Colóquio Nacional do Laboratório de Estética da FAFICH/UFMG. Belo Horizonte, 1993, p. 9-33.

PASOLINI, Pier Paolo. “O Vazio de Poder na Itália ou O Artigo dos Vagalumes”. Tradução de Davi Pessoa Carneiro. Revista Literária em Tradução. no 4, Vol. 1, 2012, p. 111-117. Disponível em: Acesso em: 08/05/2018.

SANTOS, Laymert Garcia. “Modernidade, pós-modernidade e metamorfose da percepção”. In: GUINSBURG, J.. BARBOSA, Ana Mae (orgs.). O Pós-modernismo. São Paulo: Perspectiva, 2005, p. 71-84.

VATTIMO, Gianni. A sociedade transparente. Tradução de Hossein Shooja e Isabel Santos. Lisboa: Relógio d’Água, 1992.

VIRILIO, Paul. Machine de vision. Paris: Galilée, 1988.




DOI: https://doi.org/10.5007/1807-9288.2018v14n1p40



Direitos autorais 2018 Alexandre Siqueira de Freitas

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Texto DigitalUniversidade Federal de Santa CatarinaFlorianópolisSanta Catarina, Brasil. ISSNe 1807-9288

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.