A imagem-cristal no filme “Timecode”

Autores

  • João Paulo de Carvalho dos Reis e Cunha Universidade de Sorocaba
  • Maria Ogécia Drigo Universidade de Sorocaba - Uniso

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-9288.2020v16n2p317

Palavras-chave:

Cinema, Montagem, Imagem-cristal, Deleuze

Resumo

A fim de verificar se a imagem-cristal se manifesta no filme Timecode (2000), de Mike Figgis, apresentamos as especificidades dessa obra cinematográfica, principalmente em relação à sua montagem; tratamos de montagem espacial, na perspectiva de Manovich (2001); do conceito de imagem-cristal, conforme Deleuze (1990) e, por fim, fazemos uma análise panorâmica de diversas situações em que se estabelecem circuitos cristalinos no filme, detendo-nos em investigar pormenorizadamente três momentos em particular. Entre os resultados, destacamos que as imagens que apresentam um duplo virtual com o qual formam o cristal colocam o espectador como parte integrante dos circuitos cristalinos, pois o indivíduo contribui com suas experiências na combinação linear das múltiplas imagens. Desloca-se, assim, a formação dos cristais tradicionalmente inerentes aos elementos imagéticos e narrativos para a dinâmica da relação entre o filme e o espectador.

Referências

DELEUZE, Gilles. Cinema 1 – A imagem-movimento. São Paulo: Brasiliense, 1985.

DELEUZE, Gilles. Cinema 2 – A imagem-tempo. São Paulo: Brasiliense, 1990.

MANOVICH, Lev. The language of new media. Cambridge: MIT Press, 2001.

TIMECODE. Direção: Mike Figgis. Produção: Mike Figgis e Annie Stewart. Intérpretes: Stellan Skarsgård; Jeanne Tripplehorn;

Salma Hayek; Saffron Burrows; Holly Hunter; Richard Edson et al. Roteiro: Mike Figgis. Música: Mike Figgis e Anthony

Marinelli. EUA: Columbia TriStar Home Video, 2000. 1 DVD (97 min), estéreo, widescreen, color.

Downloads

Publicado

2020-12-22