Construções condicionais do português brasileiro escrito: uma perspectiva de gramática baseada no uso

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8420.2020v21n1p128

Palavras-chave:

Construções hipotáticas condicionais, Gramática, Uso linguístico

Resumo

Neste artigo, apresentamos os resultados de uma análise de construções hipotáticas condicionais em dados escritos do português brasileiro contemporâneo, retirados de cartas pessoais de adeus (ELY, 2019). Procedeu-se ao levantamento qualitativo de aspectos linguísticos formais (ordem, conector e forma verbal) e funcionais (modalidade e expressão temporal) das construções condicionais com base na perspectiva da Gramática de Construções Baseada no Uso, que visa ao pareamento simbólico das construções linguísticas. Os resultados apontaram para uma relação entre a construção condicional e a modalidade, sobretudo a epistêmica, vinculado à predominância da ordem sintática canônica, do uso conjuncional prototípico “se” e da temporalidade futura na forma verbal simples em razão do contexto comunicativo da amostra investigada.

Biografia do Autor

Leyla Ely, Universidade Federal da Fronteira Sul

Mestra em Estudos Linguísticos - Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos, Universidade Federal da Fronteira Sul, Campus Chapecó (SC).

Cláudia Andrea Rost Snichelotto, Universidade Federal da Fronteira Sul

Doutora em Linguística, professora dos cursos de Letras Português e Espanhol – Licenciatura e Mestrado em Estudos Linguísticos da Universidade Federal da Fronteira Sul, campus Chapecó, SC.

Referências

BACK, A. C. D. P. A multifuncionalidade da fora verbal –sse no domínio funcional Tempo-Aspecto-Modalidade: uma abordagem sincrônica. Tese (Doutorado em Linguística) - Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão. Florianópolis, SC. 2008.

BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. 37. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

BITTENCOURT, D. L. R. A. A construção condicional hipotética e a modalidade: uma inter-relação lógica. Cadernos do IL, Porto Alegre, nº 44, junho de 2012. p. 75-96. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/cadernosdoil/article/view/28128. Acesso em: 15 nov. 2019.

BITTENCOURT, D. L. R. A. O domínio funcional do futuro do subjuntivo: entre temporalidade e modalidade. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de pós-graduação em Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/130946. Acesso em: 08 out. 2019

BRAGA, Maria Luiza; PAIVA, Maria da Conceição. Orações de tempo, causa e condição ao longo dos séculos XVIII a XXI. In: CASTILHO, Ataliba T. de.S (Coord.). História do Português Brasileiro. São Paulo: Contexto, 2019. (História do português brasileiro; 5). p. 170-221.

BRANDÃO, S. M. Alternância verbal em construções condicionais. 2018, p. 146. Dissertação (Mestrado em Linguística) - Programa de Pós-Graduação em Linguística e Língua Portuguesa. Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, São Paulo 122 (SP), 2018. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/153165. Acesso em: 03 nov. 2019.

BYBEE, J. Language, usage and cognition. Cambridge University Press, New York, 2010.

BYBEE, J. Language Change. Cambridge: Cambridge University Press, 2015.

COAN, M. As categorias tempo, aspecto, modalidade e referência na significação dos pretéritos mais-que-perfeito e perfeito: correlações entre função(ões)-forma(s) em tempo real e aparente. Tese (Doutorado em Linguística) - Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão. Florianópolis, SC. 2003.

COAN, M.; BACK, A. C. P. Identidades aspecto-temporais do pretérito imperfeito do subjuntivo. Cadernos de estudos lingüísticos. Campinas, 2014, p. 259-272. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8641478/8995. acesso em: 04 abril 2020

CORÔA, M. L. M. S. O tempo nos verbos do português: uma introdução à sua interpretação semântica. São Paulo: Parábola Editorial, 2005.

CROFT, W. Radical construction grammar: syntactic theory in typological perspective. Oxford: Oxford University Press, 2001.

DANCYGIER, B. Conditionals and prediction. Time, knowledge and causation in conditional constructions. Cambridge: Cambridge University Press, Cambridge Studies in Linguistics, v. 87, 1998. 214p.

ELY, L. As construções condicionais em cartas pessoais do português brasileiro: uma análise baseada no uso. 2019. Dissertação (Mestrado em Linguística). Programa de Pós-graduação em Linguística, Universidade Federal da Fronteira Sul – Chapecó (SC).2019. Disponível em: https://rd.uffs.edu.br/bitstream/prefix/3249/1/ELY.pdf. Acesso em: 01 març. 2020.

FERNANDES, M. P. K. S. A formação das microconstruções ‘uma vez que’, ‘já que’ e ‘assim que’: uma abordagem cognitivo-funcional. Tese (Doutorado em Linguística). Programa de Pós-Graduação em Linguística. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2019. Disponível em: http://www.ppglinguistica.letras.ufrj.br/images/Linguistica/3-Doutorado/teses/2019/tese-biblioteca%20-%20pronto.pdf. Acesso em: 07 out. 2019.

FERRARI, L. V. Construções gramaticais e a gramática das construções condicionais. Scripta, Belo Horizonte, v. 5, n. 9, p. 143-150, 2º sem. 2001. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/11732. Acesso em: 10 nov. 2019.

FREITAG, R. M. K. A expressão do passado iminencial em português: formas e contextos de uso. Anais do VII Congresso Internacional da Abralin, Curitiba - Paraná, 2011. Disponível em: https://www.sigaa.ufs.br/sigaa/verProducao?idProducao=52732&key=a3f283c99424340529. Acesso em: 01 dez. 2019

FREITAG, R. M. K.; ARAUJO, A. S. Passado condicional no português: formas e contextos de uso. Caligrama, Belo Horizonte, v.16, n.2, p.199-228. 2011. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/caligrama/article/view/1624/1827. Acesso em: 04 abril 2020

FREITAG, R. M. K.; ARAUJO, A. S; BARRETO, E. A. Emergência e regularização de usos em categorias verbais do português: gradações de modalidade nos valores condicional, iminencial e habitual no domínio do passado imperfectivo. Revista do Gelne, Natal/RN, vol. 15, número especial: 103-126. 2013.

FREITAG, R. M. K. et. al. As categorias verbais tempo, aspecto, modalidade e referência: pressupostos teóricos para uma análise semântico-discursiva. Estudos Lingüísticos, XXXV, p. 1463-1472, 2006. [1463 / 1472]

FURTADO DA CUNHA, M. A. Funcionalismo. In: MARTELOTTA, M. E (org,). Manual de linguística. 2. ed. 2012, p. 157-176.

FURTADO DA CUNHA, M. A; BISPO, E. B.; SILVA, J. R. Linguística funcional centrada no uso: conceitos básicos e categorias analíticas. In: CEZARIO, M. M.; FURTADO DA CUNHA, M. A. (Orgs.). Linguística centrada no uso: uma homenagem a Mário Martelotta. Rio de Janeiro: Mauad X: FAPERJ, 2013.

GIVÓN, T. Functionalism and grammar. Amsterdam/Philadelphia. Publishing Company, 1995.

GIVÓN, T. Bio-linguistics: The Santa Barbara Lectures. Amsterdam/Philadelphia: Jonh Benjamins Publishing Company, 2002.

GRACIA, D. M; SOUSA, G. C. Construcionalização e mudança construcional de locuções conjuntivas em português: o caso de ‘na hora que’. Revista Linguística, Rio de Janeiro, Vol.14, n1, p.232-250. 2018

GRYNER, H. A variação de tempo-modo e conexão nas orações condicionais do português. 1990. p. 550. Tese (Doutorado em Linguística). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro,1990. Disponível em: https://pantheon.ufrj.br/bitstream/11422/6121/1/613532.pdf. Acesso em: 10 nov. 2019.

HIRATA-VALE, F. B. M. A expressão da condicionalidade no português escrito do brasil: contínuo semântico-pragmático. 2005. p.149. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras, Campus de Araraquara, 2005. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/190768. Acesso em: 27 out. 2019.

HOPPER, P; TRAUGOTT, E. C. Grammaticalization. 2. ed. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

MARQUES, P. M; PINTO, D. C. M. Gramática como rede: relações entre construções. Revista LinguíStica / Revista do Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Volume Especial, dez de 2016, p. 128-138. ISSN 2238-975X 1. Disponível em: http://www.letras.ufrj.br/poslinguistica/revistalinguistica. Acesso em: 10 març. 2020.

NEVES, M. H. M. Gramática do português falado. 2. ed. São Paulo: Humanistas/FFLCH/USP; Campinas: Editora da Unicamp, 1999.

NEVES, M. H. M. Gramática de usos do português. 2. ed. São Paulo. Editora: UNESP, 2011.

OLIVEIRA, T. P. As conjunções e orações condicionais no português do Brasil. 2008. p. 155. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística e Língua Portuguesa, Faculdade de Ciência e Letras, Unesp/Araraquara, São Paulo (SP), 2008. Disponível em: http://wwws.fclar.unesp.br/agenda-pos/linguistica_lingua_portuguesa/1377. Acesso em: 21 nov. 2019.

OLIVEIRA, T. P. A relevância do modelo em camadas para o estudo de estratégias comunicativas atualizadas pelas condicionais. In: PEZATTI, Erotilde G. (Org.). Pesquisas em gramática funcional: descrição do português. São Paulo: Ed. UNESP, 2009. p. 373-383.

OLIVEIRA, T. P. Conjunções adverbiais no português. Rev. Est. Ling., Belo Horizonte, v. 22, n. 1, p. 45-66, jan./jun. 2014. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/relin/article/view/5754. Acesso em: 01 nov. 2019.

OLIVEIRA, T. P.; HIRATA-VALE, F. A condicionalidade com zona conceitual. DELTA [online]. 2017, vol.33, n.1, pp.291-313. ISSN 0102-4450. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-44502017000100291. Acesso em: 14 nov. 2019.

ROCHA LIMA. Gramática normativa da língua portuguesa / Rocha Lima. 49 ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2011 [1972].

ROSÁRIO, I. C.; OLIVEIRA, M. Funcionalismo e Abordagem Construcional da Gramática. Alfa, São Paulo, v.60, n.2, p.233-259, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/alfa/v60n2/1981-5794-alfa-60-2-0233.pdf. Acesso em: 10 nov. 2019.

ROSÁRIO, I. C.; BARROS, L. M. M. Construções proverbiais justapostas: parataxe ou hipotaxe?. Entrepalavras, Fortaleza, v. 8, n. 2, p. 361-380, maio/ ago. 2018.

ROST SNICHELOTTO, C. A. Variação e Mudança no Português do Oeste de Santa Catarina, 2012. Plano de Trabalho Chamada Pública FAPESC n. 04/2012 Universal.

SILVA, T. S. A formação de conectores concessivos e concessivo-condicionais instanciados pelo esquema [Xque] em português: uma análise construcional de mudança. Dissertação. Mestrado do Programa de Pós-graduação em Estudos Linguísticos. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. 2019. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/odisseia/article/view/18065. Acesso em: 19 nov. 2019.

SOUSA, G. C. Quando tempo é condição. In: PEZATTI, Erotilde G. (Org.). Pesquisas em gramática funcional: descrição do português. São Paulo: Ed. UNESP, 2009. p. 357-372.

SWEETSER, E. From etymology to pragmatics: metaphorical and cultural aspects of semantic structure. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

TAVARES. M. A. Sociofuncionalismo: um duplo olhar sobre a variação e a mudança linguística. Interdisciplinar. Edição Especial ABRALIN/SE, Itabaiana/SE, Ano VIII, v.17, jan./jun. 2013. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/interdisciplinar/article/download/1312/1162. Acesso em: 09 nov. 2019.

TRAUGOTT, E.; TROUSDALE, G. Constructionalization and Constructional Changes. Great Clarendon Street, Oxford, ox2 6dp, United Kingdom, 2013.

Downloads

Publicado

2020-07-28