Considerações acerca do vocábulo "foda" em usos contemporâneos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8420.2020v21n1p241

Palavras-chave:

Funcionalismo, Palavrões, Linguística

Resumo

As palavras consideradas ‘palavrões’ ocupam, ainda hoje, um valor de tabu linguístico, ou seja, são, de alguma forma, proibidas nos usos linguísticos. O enquadramento dessas palavras como tabus deve-se ao fato de que, tradicionalmente, seu valor semântico é pejorativo, indicando ofensas gerais, órgãos sexuais ou o próprio ato sexual. A partir dessa premissa, este trabalho tem por objetivo apresentar os resultados preliminares de um estudo desenvolvido sobre os palavrões na contemporaneidade, mais especificamente as investigações sobre o vocábulo foda, com o intuito de investigar se, apesar de surgir com denominação relacionada à relação sexual, essa palavra ainda mantém sua acepção de tabu ou tem assumido novos valores semânticos e novas funcionalidades linguísticas na atualidade. Para investigação desse elemento, foram selecionados comentários on-line, escritos, feitos em canais do YouTube cuja temática aborda jogos on-line comumente jogados por adolescentes. Para análise do corpus desta pesquisa, são utilizados os preceitos teóricos do Funcionalismo, uma corrente de estudos linguísticos que investiga os elementos linguísticos a partir de seus usos em contextos reais de comunicação, buscando compreendê-los e descrevê-los. Neste trabalho, utilizaremos, especificamente, os preceitos propostos pela perspectiva multissistêmica da língua, proposta por Castilho (2006, 2007, 2010).

Biografia do Autor

Rosangela Jovino Alves, Instituto Federal do Paraná - Campus Paranavaí

Rosangela Jovino Alves é graduada em Letras Português/ Inglês pela Universidade Estadual de Maringá, Graduada em Letras Libras pela Insituição Eficaz, Mestre em Estudos Linguísticos pela Universidade Estadual de Maringá e Doutora em Estudos Linguísticos também pela Universidade Estadual de Maringá. Desde 2015, é docente no Instituto Federal do Paraná, ministrando aulas e desenvolvendo pesquisas sob a abordagem funcionalista.

Mateus Fornazieri Gonçalves Ferreira, Instituto Federal do Paraná - Campus Paranavaí

Formando de Curso Técnico em Eletromecânica Integrado ao Ensino Médio.

Pedro Henrique Silva Antônio, Instituto Federal do Paraná - Campus Paranavaí

Formando de Curso Técnico em Eletromecânica Integrado ao Ensino Médio.

Referências

AUGRAS, M. O que é tabu. São Paulo: Brasiliense, 1989.

BECHARA, E. Minidicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

BRINTON, L.; Traugott, E. Lexicalization and language change. Cambridge: Cambridge University Press, 2005.

CASTILHO, A. T. de. Proposta funcionalista de mudança linguística. Lexicalização, semanticização, discursivização e gramaticalização das preposições do eixo transversal no Português Brasileiro. In: LOBO, T.; RIBEIRO, I.; CARNEIRO, Z.; ALMEIDA, N. (Orgs.) Para a história do português brasileiro: novos dados, novas análises. Salvador: EDUFBA, 2006, p. 223-296.

CASTILHO, A. T. de. Análise multissistêmica das preposições do eixo transversal no português brasileiro: espaço /anterior/~/posterior. In: RAMOS, J; ALCKMIM, M. (Orgs.). Para a história do português brasileiro, vol. V: Estudos sobre mudança linguística e história social. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais, 2007. p. 53-132.

CASTILHO, A. T. de. Nova Gramática do Português Brasileiro. São Paulo: Contexto, 2010.

CASTILHO, A. T. de. Mudança Linguística Multissistêmica, p. 505-518, 2010a. Disponível em: http://www.filologia.org.br/ileel/artigos/artigo_510.pdf. Acesso em 25 de Abril de 2019.

CASTILHO, A, T. de; FERNANDES, F. O. Analisando multissistemicamente o verbo ficar na história do português paulista. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 2, n. 41, 2012. p. 602-615.

FREUD, S. Totem e tabu: algumas concordâncias entre a vida psíquica dos homens primitivos e a dos neuróticos. In: FREUD, S. Totem e Tabu - Contribuição à história do movimento psicanalítico e outros textos (1912-1913). Tradução de Paulo Cézar de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

FURTADO DA CUNHA, A. Funcionalismo. In: MARTELOTTA, M. E. (Org.) Manual de Linguística, 2. edição, São Paulo: Contexto, 2012.

GONÇALVES, S. C. L.; LIMA-HERNANDES, M. C.; CASSEB-GALVÃO, V. Introdução à gramaticalização. São Paulo: Parábola, 2007.

GUÉRIOS, M. Tabus Linguísticos. Curitiba: Editora “Organização Simões”, 1956.

HOPPER, P.; TRAUGOTT, E. Grammaticalization. Cambridge: Cambridge University Press, 1993.

LOPES, G. A. A semanticização do elemento em: dados do português paulista dos séculos XVIII e XIX segundo a abordagem multissistêmica e a linguística cognitiva. Dissertação apresentada ao Departamento de Letras Clássicas Vernáculas da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2017.

NEVES, M. H. de M. Gramática de usos do português. São Paulo: UNESP, 2000.

NEVES, M. H. de M. A Gramática Funcional. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

NICHOLS, J. Functional theories of grammar. Annual Review of Anthropology, n. 43, 1984. p. 97-117.

QUIRK, R. et al. A Comprehensive Grammar of the English Language. London: Longmam, 1985.

RODRIGUES, J. C. Tabu do corpo. 2. ed. Rio de Janeiro: Achiamé, 1975.

ROCHA, L. H. P.; DAMASCENO, G. L. N. Análise multissistêmica das construções apositivas em artigos de opinião. (Con)textos Linguísticos, v. 09, 2015. p. 124-148.

SOUTO MAIOR, M. Dicionário do palavrão. 1ª ed. São Paulo: Leitura, 2010.

SOUZA, R. Q. G.; MANHÃES, E. K.; CARMO, G. T. do. Uma análise multissistêmica do verbo ‘ver’ em produções orais e escritas do norte e noroeste fluminense. Linkscienceplace, v. 5, 2018. p. 114-129.

Downloads

Publicado

2020-07-28