Construções binominais quantificadoras em português e russo: o caso de um monte de SN e Kucha SNgen

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8420.2020v21n1p75

Palavras-chave:

Constuções binominais quantitativas, Gramática de construções baseada no uso, Monte, Kutcha, Análise colostrucional

Resumo

Este trabalho consiste em um estudo contrastivo das construções binominais quantificadoras um monte de SN, do português brasileiro, e kutcha SNgen, do russo, em uma perspectiva construcionista baseada no uso. Para identificar especificidades semânticas em ambas as construções, foi realizada uma investigação empírica baseada em análises colostrucionais. Os resultados indicam que apesar de algumas similaridades entre português e russo em termos de operações cognitivas envolvidas na conceptualização das construções binominais quantitativas um monte de SN e kucha SNgen, há especificidades relativas a cada construção em cada língua no que se refere à compatibilidade dos lexemas que nelas ocorrem.

Biografia do Autor

Karen Sampaio Braga Alonso, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professora do Departamento de Linguística e Filologia e do Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Diego Leite de Oliveira, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professor do Departamento de Letras Orientais e Eslavas e do Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Nuciene Caroline Amphilóphio Fumaux, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal do Rio de Janeiro

Gabrielle de Figueira do Nascimento, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Thiago Moreira da Silva, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Graduando em Letras pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Referências

ALONSO, K. S. B. Construções binominais quantitativas e construção de modificação de grau: uma abordagem baseada no uso. 2010. Tese (Doutorado em Linguística) – PPG em Linguística, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.

BARDDAL, J. Productivity: evidence from case and argument structure in Icelandic. Amsterdam: John Benjamins, 2008.

BREMS, L. The establishment of quantifier constructions for size nouns: a diachronic study of heap(s) and lot(s). Journal of Historical Pragmatics, v. 13, p. 202– 231, 2012.

BRODBECK, R. C. M. S. Um monte de problemas gera uma chuva de respostas: um estudo de caso de desencontro na quantificação nominal em português. 2010. Tese (Doutorado em Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Juiz de Fora, 2010.

BYBEE, J. Language, usage and cognition. New York: Cambridge University Press, 2010.

DIESSEL, H. Usage-based construction grammar. In: DABROWSKA, Ewa; DIVJAK, Dagmar (eds.). Handbook of Cognitive Linguistics. Berlin: Mouton de Gruyter, 2015. p. 295-321.

DIESSEL, H. The grammar network: how language structure is shaped by language use. Cambridge: University Press, 2019.

FRANCIS, E. J., MICHAELIS, L. A. (Org.) Mismatch: form-function incongruity and the architecture of grammar. Stanford, CA: CSLI Publications, 2003.

FUMAUX, N. C. A. Construcionalização de ‘um monte de SN’: uma abordagem centrada no uso. 2018. Dissertação (Mestrado em Linguística) – PPG em Linguística, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2018.

GILQUIN, G. Contrastive collostructional analysis: causative constructions in English and French. Zeitschrift für Anglistik und Amerikanistik, v. 63, n. 3, p. 253-272, 2015.

GOLDBERG, A. E. A construction grammar approach to argument structure. Chicago/London: The University of Chicago Press, 1995.

GOLDBERG, A. E. Constructions at work: the nature of generalization in language. Oxford: Oxford University Press, 2006.

GOLDBER, A. E. Explain me this: creativity, competition and the partial production of constructions: Princeton: Princeton University Press, 2019.

GRIES, S. T. Coll.analysis 3.5.: a script for R to compute perform collostructional analyses, 2014.

GRIES, S.; STEFANOWITSCH, A. Extending collostructional analysis: a corpus-based perspective on ‘alternations’. International Journal of Corpus Linguistics, v. 9, n. 1, p. 97-129, 2004.

LEVONTINA, I. B. Slovarnyie stati kucha, gora, gruda, vorokh i kipa. In: Novyi obiasnitelnyi slovar sinonimov russkogo iazyka. Moskva i Viena: Iazyki slavianskoi kultury, Vienskii slavistitcheskii almanakh, 2004.

LEVSHINA, N. How to do Linguistics with R. Amsterdam: John Benjamins. 2015.

RAKHILINA, E. Lingvistika konstruktsii. Moskva: Abukovnik, 2009.

SANTOS, C. Gramática e cognição: um estudo de construções binominais. 2014. Dissertação (Mestrado em Linguística) – PPG em Linguística, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2014.

STEFANOWITSCH, A.; GRIES, S. Collostructions: On the interaction between verbs and constructions. International Journal of Corpus Linguistics, v. 8 n. 2, p. 209-243, 2003.

TALMY, L. Toward a Cognitive Semantics. Volume I: Concept structuring systems. Cambridge, Massachusetts, London: The MIT Press, 2000.

TALMY, L. Grammatical construal: the relation of grammar to cognition. In: GEERAERTS, D. (Org.). Cognitive linguistics: basic readings. Berlim/Nova York: Mouton de Gruyter, 2006.

TAVARES, T. As construções binominais de quantificação indefinida: uma análise construcionista. In: Litteris, n. 4, set. 2014.

TRAUGOTT, E. C. Grammaticalization, constructions and the incremental development of language: suggestions from the development of degree modifiers in English. In: ECKARDT, R.; JÄGER, G.; VEENSTRA, T. (eds.). Variation, selection, development: probing the evolutionary model of language change. Berlin: Mouton de Gruyter, 2008. p. 219–250.

TRAUGOTT, E. C., TROUSDALE, G. G. Constructionalization and constructional change. Oxford University Press: Oxford, 2013.

VERVECKKEN, K. D. Binominal quantifiers in Spanish: conceptually-driven analogy in diachrony and synchrony. De Gruyter, 2015.

Publicado

2020-07-28