A ordem VSO com verbos transitivos em dados jornalísticos diacrônicos do português europeu e do português brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8420.2021.e75298

Resumo

Este estudo possui dois objetivos: i) apresentar dados quantitativos/comparativos históricos da ordem VSO com verbos transitivos em sentenças finitas no português europeu (PE) e no português brasileiro (PB); e ii) descrever e identificar as possibilidades de interpretação do sujeito nessa ordem em cada uma dessas gramáticas. O corpus construído para esse estudo é composto por jornais portugueses e brasileiros que circularam em Évora/Portugal e Ouro Preto/MG/Brasil, respectivamente, no século 19 e no final da primeira metade do século 20. Quantitativamente, o trabalho demonstrou que a ordem VSO com verbos transitivos é um contexto restrito tanto em PE quanto em PB, no entanto, em PB, a frequência de ocorrência foi ainda menor quando comparado ao PE. Verificou-se que, tanto em PE, quanto em PB, nos períodos estudados, foi possível encontrar indícios de realização da ordem VSO por critérios de leituras de juízo tético, na sua maioria atrelados à noção de evidencialidade, e indícios de realização da ordem VSO por dupla focalização (foco informacional e foco contrastivo). Entretanto, no PB, nos dados do final da primeira metade do século 20, mesmo período em que houve uma maior diminuição da ordem VSO, observou-se também a diminuição dos contextos com indícios de leitura tética, apontando como preferencial os contextos com indícios de dupla focalização do sujeito.

Biografia do Autor

Aline Peixoto Gravina, Universidade Federal da Fronteira Sul

Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos /UFFS/ChapecóRealizou estágio pós-doutoral com a professora Ana Maria Martins na Universidade de Lisboa, Protugal (2016). Doutora (2014) e Mestre (2008) em Lingüística pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Graduada em Letras (Licenciatura em Língua Portuguesa e Bacharelado em Linguística) pela Universidade Federal de Ouro Preto (2005).Atualmente é Professora da Universidade Federal da Fronteira Sul no campus de Chapecó em Santa Catarina.Tem experiência na área de Lingüística, com ênfase em Lingüística Histórica, Sintaxe, Fonologia e Prosódia, atuando principalmente nos seguintes temas: português séculos 19 e 20, estudo diacrônico, gramática gerativa e prosódia.

Referências

AIKHENVALD, A. Y. Evidentiality. Oxford: Oxford University Press, 2004.

BELLETI, Adriana. Inversion as focalization. In. HULK, Aafke & POLLOCK Jean-Yves. Subject Inversion in Romance and the Theory of Universal Grammar. New York: Oxford University Press, 2001. p. 60-90.

BERLINCK, R. A. A construção V SN no português do Brasil - um estudo diacrônico sobre o fenômeno da ordem. In.: TARALLO, F. L. (org.). Fotografias sociolinguísticas. Campinas: Pontes, 1989. p. 95-112.

CAVALCANTE, Sílvia Regina. Mudança na posição do sujeito em cartas pessoais brasileiras: a ordem VS e o estatuto informacional do sujeito. Diadorim, Rio de Janeiro, vol. 20 – Especial, p. 101-121, 2018.

CHOMSKY, N. Lectures on Government and Binding. Dordrecht: Foris.1981

DUARTE, M.E.L. “Do pronome nulo ao pleno: a trajetória do sujeito no Português do Brasil”. In: M.Kato & Roberts (eds) Português Brasileiro: uma viagem diacrônica. Campinas/SP, editora da Unicamp, 1993.p.107-128.

DUARTE, M.E.L. A Perda do Princípio “Evite Pronome” no Português Brasileiro. Tese de Doutorado – Instituto de Estudos da Linguagem – Universidade Estadual de Campinas, 1995, 141p.

COELHO, I.L.; MARTINS, M.A. Padrões de inversão do sujeito na escrita brasileira do século 19: evidências empíricas para a hipótese de competição de gramáticas. Alfa: Revista de Linguística, 2012, v. 1, p. 11-28.

GALVES, C.; C. NAMIUTI e M.C. PAIXÃO DE SOUSA. Novas perspectivas para antigas questões: revisitando a periodização da língua portuguesa. In: A. Endruschat; R. Kemmler; B. Schäfer-Prie. (org.). Grammatische Strukturen des europäischen Portugiesisch: Synchrone und diachrone Untersuchungen zu Tempora, Pronomina, Präpositionen und mehr. Tübingen: Calepinus Verlag, 2006.

HOLMBERG. Null subject parameters. In. BIBERAUER, T., HOLMBERG, A., ROBERTS, I. & SHEEHAN, M.(orgs.) Parametric variation: null subjects in minimalist theory. Cambridge: CUP, 2010. p. 88-124.

KATO, M.A.; DUARTE, M.E.L.; CYRINO, S.M.L.; BERLINCK, R.A. Português brasileiro no fim do século XIX e na virada do milênio. In: SUZANA CARDOSO; JACYRA MOTA; ROSA VIRGÍNIA M. e SILVA. (org.). Quinhentos anos de história lingüística do Brasil. Salvador: Empresa Gráfica da Bahia, 2006, v. único, p. 413-438.

KATO, M.A.; TARALLO, F. The loss of VS syntax in Brazilian Portuguese. In: B. Schliebe, I. Koch e K. Jungbluth. (org.). Dialogue between Schools: sociolinguistics, conversational analysis and generative theory in Brazil. Münster: Nodus Publications, 2003, p.121-129.

KISS, K. Identificational focus and information focus. Language, v. 74, p. 245-273, 1998.

KATO, M.; RAPOSO, E. European And Brazilian Portuguese Word Order: Questions, Focus And Topic Constructions. In: C. Parodi; C. Quicoli; M. Saltarelli & M. L. Zubizarreta (eds.). Aspects of Romance Linguistics. Selected Papers from the LSRL XXVI. Washington: Georgetown University Press, 1996, p. 267-278.

KROCH, A. Reflexes of in grammar patterns of language change. Language Variation and Change, p. 199-244, 1989.

KROCH, A. Syntactic Change. Em Baltin, Mark and Collins, Chris (eds.). The Handbook of Contemporary Syntactic Theory. Blackwell, 2001

KURODA, S.-Y. The categorical and the thetic judgments, Foundations of Language 9, 153–185. 1972

KURODA, S.-Y. Japanese Syntax and Semantics, Dordrecht, Kluwer. 1992

KURODA, S.-Y. Focusing on the matter of topic: a study on wa and ga in Japanese, Journal of East Asian Linguistics 14, 1–58. 2005

LARSON, Richard (1988), On the Double Object Construction, Linguistic Inquiry 19, 335–391.

MARTINS, Ana Maria and João Costa. Ordem dos constituintes frásicos: sujeitos invertidos, objetos antepostos. In: A. M. Martins and E. Carrilho, eds. Manual de Linguística Portuguesa. Berlin/Boston: De Gruyter. 371-400. 2016

MIOTO, C. Focalização e quantificação. Revista Letras, Curitiba: UFPR, v. 61, p. 169-189, 2004.

PILATI, Eloisa. Sobre a ordem verbo sujeito no português do Brasil. Dissertação de mestrado. Universidade de Brasília. 2002

PILATI, Eloisa. Aspectos sintáticos e semânticos da ordem verbo-sujeito no português. Tese de Doutorado. Brasília: UnB, 2006.

RODRIGUES, Cilene A. N. Effects of Loss of Morphology in Partial pro-drop Languages. Tese de Doutorado - University of Maryland, UMD, Estados Unidos. 2004

TARALLO, F. Diagnosticando uma gramática brasileira: o português d’aquém e d’além mar ao final do século XIX. In: KATO e ROBERTS. O português brasileiro: uma viagem diacrônica. Campinas, SP: Unicamp, 1993. p. 69-105.

ZIMMERMANN, Malte. Contrastive Focus, in: Caroline Féry/Gisbert Fanselow/Manfred Krifka (edd.), The Notions of Information Structure, Potsdam, Universitätsverlag Potsdam, 2007, p. 147–159.

ZIMMERMANN, Malte; ONEA, Edgar. Focus marking and focus interpretation, Lingua 121:11, 2011, p. 1651–1670.

ZUBIZARRETA, Maria L. Prosody, focus and word order. Cambridge, MIT Press.1998

Publicado

2022-04-14