Literatura e ciência no ensaio “cibernética e fantasmas” de Italo Calvino
DOI: 10.5007/2176-8552.2011n12p45

Vanina Carrara Sigrist

Resumo


Nossa questão principal é pensar as convergências e divergências entre literatura e ciência na obra de Italo Calvino, um escritor que, questionando-se sobre as novas direções dos diversos campos do conhecimento no século XX, após a falência de seus paradigmas conceituais e metodológicos, dedicou-se à leitura de estudos e teorias que recobrem uma variedade ampla de disciplinas científicas. Seu ensaio “Cibernética e fantasmas” funciona como importante ponto de partida para problematizar tal relação, uma vez que apresenta os elementos mínimos do debate: a literatura como máquina combinatória e como extrapolação mítica da linguagem, o autor como pluralidade de “eus” que coordenam a máquina e o leitor como seu fantasma. Assim, Calvino parece
desfazer a visão mais cristalizada de que a literatura seria território exclusivo da expressão subjetiva do autor, e de que a ciência se basearia em procedimentos de precisão e rigor, transmitidos por uma linguagem também exata e fechada.

Palavras-chave


Italo Calvino; Ciência; Máquina; Mito; Leitor

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2176-8552.2011n12p45



outra travessia, eISSN 2176-8552, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

CC-by-NC icon
Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.